Caracterização físico-química de preparações contendo açaí consumidas na cidade de Belém-PA e de sua contribuição energética para o consumidor

  • Ananda Leão de Carvalho LeHalle Universidade Federal do Pará https://orcid.org/0000-0002-4522-2411
  • Rafaella Maracajá Nunes Colaço
  • Suenne Taynah Abe Sato
  • Jesus Nazareno Silva de Souza
  • Consuelo Lucia Sousa de Lima
Palavras-chave: Euterpe oleracea, Valor energético, Compostos bioativos

Resumo

O Açaí está presente na alimentação paraense, sendo frequentemente consumido com alimentos como peixes e carnes. Este estudo objetivou avaliar a caracterização físico-químico de preparações a base de açaí mais consumidas na cidade de Belém-PA, sua contribuição energética e quantidade de macronutrientes oferecidos. Selecionou-se três preparações consideradas as mais consumidas: açaí com charque frito, com dourada frita e com pirarucu frito. Realizou-se a composição centesimal das preparações conforme metodologia padrão e determinou-se o valor energético total (VET) de cada uma utilizando fatores de conversão. No açaí, foram avaliados também o teor de compostos fenólicos totais e capacidade antioxidante. Nos alimentos fritos, a umidade variou de 35,38 a 58,45%; cinzas 1,73 a 9,15%; proteínas 19,38 a 40,10%; lipídeos de 11,22 a 16,31%; carboidratos 0,96 a 7,31%. Para farinha de mandioca os resultados de umidade estiveram entre 4,45 a 6,52%; cinzas 0,27 a 0,92%, proteínas 0,30 a 0,58%, lipídeos 0,40 a 3,63%; carboidratos 91,50 a 91,61%. Para o açaí os valores de umidade variaram de 83,70 a 88,32%; cinzas de 0,45 a 0,84%; proteínas 1,24 a 1,67%; lipídeos 2,82 a 7,55% carboidratos de 5,13 a 7,18%. Para atividade antioxidante, os resultados foram na faixa de 151,15 a 358,03 µMEqT/g.M.S e para os compostos fenólicos 7,59 a 12,44 mgEAG/g MS. Para o VET, preparações com charque frito estiveram na faixa de 962,39 a 1231,93 kcal; dourada frita 700,85 a 1445,37 kcal; pirarucu frito 739,58 a 1008,24 kcal.  Os macronutrientes das preparações mostraram-se basicamente se tratar de proteínas e lipídeos, consequentemente, mostraram-se não equilibradas nutricionalmente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ananda Leão de Carvalho LeHalle, Universidade Federal do Pará
Mestre em Ciência e Tecnologia de Alimentos pela Universidade Federal do Pará

Referências

Moratoya EE, Carvalhaes GC, Wander AE & Almeida LMMC. Mudanças no padrão de consumo alimentar no Brasil e no mundo. Revista de Política Agrícola.2013; 22:72-84.

Levy-Costa RB, Sichieri R, Pontes NS, Monteiro CA. Disponibilidade domiciliar de alimentos no Brasil: distribuição e evolução (1974- 2003). Rev Saúde Pub.2005; 39(4):1-10.

Pacheco-Palencia L, Hawken P, Talcott ST. Phytochemical antioxidant and pigment stability of açaí (Euterpe oleracea Mart.) as affected by clarification, ascorbic acid fortification and storage. Food Res Int.2007; 40:620-8.

Rogez H, Pompeu DR, Akwie SNT, Larondelle Y. Sigmoidal kinetics of anthocyanin accumulation during fruit ripening: a comparison between açai fruits (Euterpe oleracea) and other anthocyanin-rich fruits. Journal of Food Composition and Analysis. 2011; 24:796–800.

Bichara CMG, Rogez H.In: Yahia EM (ed) Postharvest Biology and Technology of Tropical and Subtropical Fruits. Woodhead Publishing Limited, Cambridge; 2011.

Chaves GP, Furtado LG, Cardoso DM & Sousa FF. A importância sociocultural do açaí (Euterpe Oleracea Mart.) na Amazônia brasileira. Revista Contribuciones a las Ciencias Sociales. 2015; Julho, 4-5.

Mangas FP, Rebello FK, Santos MAS, Martins CM. Caracterização do perfil dos consumidores de peixe no município de Belém, estado do Pará, Brasil. Revista em Agronegócio e Meio Ambiente. 2016, 9:839-857.

Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Decreto nº 9.013, de 29 de Março de 2017. Regulamenta a Lei nº 1.283, de 18 de dezembro de 1950, e a Lei nº 7.889, de 23 de novembro de 1989, que dispõem sobre a inspeção industrial e sanitária de produtos de origem animal. DOU Seção 2. 2017.

Brasil. Ministério do estado do trabalho e emprego; Ministério da fazenda; Ministério da saúde; Ministério da previdência social e do desenvolvimento social e combate à fome. Portaria interministerial nº 66, de 25 de Agosto de 2006. Altera os parâmetros nutricionais do Programa de Alimentação do Trabalhador – PAT, DOU 03/12/1999. 2006.

AOAC - Association of Official Analytical Chemists (1990) Official Methods of Analysis. Volume 2. 15ª ed. Washington, AOAC.

Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária-ANVISA. Resolução RDC nº 360, de 23 de dezembro de 2003. Regulamento Técnico sobre Rotulagem Nutricional de Alimentos Embalados, tornando obrigatória a rotulagem nutricional. Brasília, DF. 2003.

Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária-ANVISA. Rotulagem nutricional obrigatória: manual de orientação às indústrias de alimentos. Brasília: MS, UNB.2005.

Brasil. Ministério da Saúde. Guia alimentar para população brasileira: promovendo a alimentação saudável. Brasília (DF).2006.

Singleton VL, Rossi JAJ. Colorimetry of total phenolics with phosphomolybdic-phosphotungstic acid reagents. American Journal of Enology and Viticulture.1965; 16:144-158.

Sánches-Moreno C. Review: methods used evaluate the free radical scavenging activity in foods and biological systems. Food Science and Technology International.2002; 8:121-37.

Statsoft, Inc. STATISTICA for Windows [Computer program manual]. Tulsa, OK: StatSoft, Inc., 2325 East 13th Street, Tulsa, OK 74104, (918) 583-4149, fax: (918) 583- 4376.2004.

Huber E. Desenvolvimento de produtos cárneos reestruturados de frango (hambúrguer e empanado) com adição de fibras vegetais como substitutos totais de gordura. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, 2012.

Tabela brasileira de composição de alimentos – TACO. Universidade Estadual de Campinas- UNICAMP. Campinas: UNICAMP/NEPA. 4. ed.2011.

Mallikarjunan PK, Ngadi MO, Chinnan MS. Breaded Fried Foods. CRC press. Taylor & Francis Group.2010; 8:125-143.

Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e abastecimento. Instrução normativa nº 52, de 7 de Novembro de 2011. Regulamento Técnico da Farinha de Mandioca.

Chisté RC, Cohen KO. Caracterização Físico-Química da Farinha de Mandioca do Grupo D’água Comercializada na Cidade de Belém, Pará. Revista Brasileira de Tecnologia Agroindustrial.2010; 4:91-99.

Cardoso Filho N, Lima CA, Antero LS & Arandia GOA Caracterização da Farinha de Mandioca Comercializada no Mercado Municipal em Campo Grande-MS. Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde. 2012; 16:57-68.44.

Álvares VS, Costa DA, Felisberto FAV, Silva SF, Madruga ALS. Atributos Físicos e Físico-Químicos da Farinha de Mandioca Artesanal em Rio Branco. Revista Caatinga.2013; 26:50-58.

Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução normativa nº 01, de 7 de Janeiro de 2000. Regulamento técnico geral para fixação dos padrões de identidade e qualidade para polpa de fruta, DOU 10/01/2000, anexo VI, p6.2000.

Torma, PCMR. Valor nutricional, perfil de compostos bioativos e atividade antioxidante de genótipos de açaí (Euterpe oleracea). Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2016.

Menezes EMS, Torres AT, Srur AUS. Valor nutricional da polpa de açai (Euterpe oleracea, Mart) liofilizada. Acta Amazônica.2008; 38:311-316.

Neves LTBC, Campos DCS, Mendes JKS, Urnhani CO, Araújo KGM. Qualidade de Frutos Processados Artesanalmente de Açaí (Euterpe oleracea Mart.) e Bacaba (Oenocarpus bacaba Mart.). Rev Bras Frutic.2015; 37:729-738.

Castro RW. Caracterização de Açaí Obtido de Frutos de Euterpe Edulis Martius Tratados Termicamente. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, 2012.

Kang J, Thakali KM, Xie C, Kondo M, Tong Y, Ou B, Jensen G, Medina MB, Schauss AG, Wu X. Bioactivities of açaí (Euterpe precatoria Mart.) fruit pulp, superior antioxidant and anti-inflammatory properties to Euterpe oleracea Mart. Food Chemistry.2012; 133: 671–677.

Sari, R., Fonseca, M.S., Vicentim, B.M., Martins, U.E.C., Rizzi, F.R., Carpes, S.T. Caracterização físico-química e avaliação do potencial antioxidante da polpa de açaí juçara. In: 6º Congresso de Ciências Farmacêuticas do Mercosul; 6º Simpósio em Ciência e Tecnologia de Alimentos do Mercosul. Cascavel-PR. Anais, Nov.2016.

Rogez H. Açaí: Preparo, Composição e Melhoramento da Conservação. Belém: Edufpa.2000.

Pacheco-Palencia L, Duncan CE, Talcott ST. Phytochemical composition and thermal stability of two commercial açaí species, Euterpe oleracea and Euterpe precatória. Food Chemistry.2009; 115:1199–1205.

Santos GM, Maia GA, Sousa PHM, Costa JMC, Figueiredo RW, Prado GM. Correlação entre atividade antioxidante e compostos bioativos de polpas comerciais de açaí (Euterpe oleracea Mart). Archivos Latinoamericanos de Nutrición.2008; 58(2):187-192.

Kang J, Li ZM, Wu T, Jensen, GS, Schauss AG, Wu X. Anti-oxidant capacities of flavonoid compounds isolated from acai pulp (Euterpe oleracea Mart.). Food Chemistry.2010; 122(3): 610−617

Dias ALS, Rozet E, Larondelle Y, Hubert P, Rogez H, Quetin LJ. Development and validation of an UHPLC-LTQ-Orbitrap MS method for non-anthocyanin flavonoids quantification in Euterpe oleracea juice. Analytical and Bioanalítical Chemistry.2013; 405:9235–9249.

Melo EA, Maciel MIS, Lima VLAG & Nascimento RJ. Capacidade antioxidante de frutas. Revista Brasileira Ciências Farmacêuticas.2008; 44:193-201.

Borges GSC, Vieira FGK, Copetti C, Gonzaga LV, Zambiazi RC, Mancini Filho J & Fett R. Chemical characterization bioactive compounds and antioxidant capacity of jussara (Euterpe edulis) fruit from the Atlantic Forest in southern Brazil. Food Research International.2011; 44:2128-2133.

Quideau, S, Deffieux D, Douat-Casassus C & Pouysgu L. Plant polyphenols: chemical properties, biological activities, and synthesis. Angewandte Chemie Int Ed Engl.2011; 50:586-621.

Nascimento RJS, Couri S, Antoniassi R & Freitas SP. Composição em ácidos graxos do óleo da polpa de açaí extraído com enzimas e com hexano. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal.2008; 30:498-502.

Santos RD, Gagliardi AC, Xavier HT, Magnoni CD, Cassani R & Lottenberg AM. I Diretriz sobre o consumo de gorduras e saúde cardiovascular. Arquivos Brasileiros de Cardiologia. 2013;100:1-40.

Sousa FA, Silva RCO & Fernandes CE. Avaliação nutricional de cardápios em unidades de alimentação e nutrição: adequação ao programa de alimentação do trabalhador. Revista Eletrônica de Ciênciaa.2009; 2:43-50.

Proença, RPC, Sousa AA, Vieiros MB & Hering B. Qualidade nutricional e sensorial na produção de refeições. Florianópolis: Ed UFSC.2005.

Brasil. Ministério da Saúde. Guia alimentar para população brasileira: promovendo a alimentação saudável. Brasília (DF).2006.

Osório, VM. Desenvolvimento de método para análise de acroleína-DNPH em alimento, ar expirado e ar ambiente utilizando SPME-GC/MS. 2012. 113 f. (Doutorado em Química). Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.2012.

Veloso, IS, Santana, VS & Oliveira, N. O Programa de Alimentação do Trabalhador (PAT) e o seu impacto sobre o ganho de peso e sobrepeso. Revista de Saúde Pública.2007; 41:69-776.

Geraldo APG, Bandoni DH, Jaime PC. Aspectos dietéticos das refeições oferecidas por empresas participantes do Programa de Alimentação do Trabalhador na Cidade de São Paulo, Brasil. Revista Panamericana de Salud Publica.2008; 23:19-25.

Pedrosa RG, Júnior JD & Tirapegui, J. Dieta rica em proteína na redução de peso corporal. Revista Nutrição.2009; 22(1):105-111.

Oliveira, CS, Alves, FS. Educação nutricional em unidade de alimentação e nutrição, direcionada para consumo de pratos protéicos: um estudo de caso. Revista Alimentação e Nutrição.2008; 19:435-440.

Publicado
2020-03-17
Como Citar
LeHalle, A. L. de C., Colaço, R. M. N., Sato, S. T. A., de Souza, J. N. S., & de Lima, C. L. S. (2020). Caracterização físico-química de preparações contendo açaí consumidas na cidade de Belém-PA e de sua contribuição energética para o consumidor. Revista Da Associação Brasileira De Nutrição - RASBRAN, 10(2), 38-46. Recuperado de https://rasbran.com.br/rasbran/article/view/1032
Seção
Artigos Originais