Hábitos e comportamentos alimentares e estado nutricional de adolescentes que residem sem a presença dos familiares, de um colégio de aplicação

Jéssica Benatti Ribeiro, Carina Aparecida Pinto, Luiza Veloso Dutra, Sílvia Oliveira Lopes, Silvia Eloiza Priore

Resumo


Objetivo: Avaliar os hábitos e os comportamentos alimentares, bem como o estado nutricional de adolescentes, ingressos em um colégio de aplicação que residem em um município sem os familiares. Método: Avaliou-se em 2018, pela aplicação de questionário semiestruturado, os hábitos e comportamentos alimentares de adolescentes ingressos em um colégio, e classificou-se o estado nutricional, segundo a proposta da Organização Mundial da Saúde (2007). Este estudo advém de um projeto aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa com Seres Humanos da Universidade Federal de Viçosa, com número de parecer 1.852.326. Resultados: Participaram 103 adolescentes, 51,6% (n=56) do sexo feminino, com mediana de idade de 15,6 anos. 91,3% (n=96) não eram nativos de Viçosa, 81,6% (n=84) residiam na cidade a menos de um ano e 68,0% (n=70) moravam sem os familiares. Em relação ao risco cardiometabólico, 6,8% (n=7) do total apresentaram risco, entre eles, 71,4% (n=5) residiam sem familiares. Dos que moravam sem os pais, 90,0% (n=63) estavam eutróficos, 7,1% (n=5) com excesso de peso e 2,9% (n=2) com baixo peso. Quanto ao comportamento alimentar, dos que passaram a residir em Viçosa sem os familiares, 37,1% (n=26) reduziram o número de refeições e destes 84,6% (n=22) omitiram algum lanche, principalmente o lanche da tarde, além do consumo elevado de alimentos ultraprocessados. Conclusão: Identificou-se comportamento alimentar inadequado dos que residem sem os familiares, pela omissão de refeições e pelo elevado consumo de ultraprocessados, sendo necessárias ações de educação alimentar e nutricional com estes adolescentes para promoção da saúde.

Palavras-chave


Adolescente; Comportamento alimentar; Estado nutricional

Texto completo:

PDF

Referências


World Health Organization. Physical Status: The use and interpretation of anthropometry. Technical Report Series no 854, Geneva: WHO; 1995.

Teixeira AS, Philippi ST, Leal GVS, Araki EL, Estima CCP, Guerreiro RER. Substituição de refeições por lanches em adolescentes. Rev Paul Pediatr 2012;30(3):330-337

Bandeita MPBV de. Revisão sistemática sobre a frequência de refeições em família e sua relação com o consumo alimentar e o estado nutricional em adolescentes. 2015. ix, 35 f., il. Dissertação (Mestrado em Nutrição Humana)—Universidade de Brasília, Brasília, 2015.

Cadamuro S, Oliveira D, Bennemann R, Silva E, Gonçalves J. Consumo alimentar e avaliação nutricional: caracterização de escolares no município de Maringá – Paraná. Cinergis, 2016.

Feitosa EPS, Dantas CAO, Wartha ERSA, Marcellini OS, Neto RSM. Hábitos alimentares de estudantes de uma universidade pública no Nordeste, Brasil. Rev Alimentação e Nutrição. 2010; 21(2): 225-230.

Pereira TS, Pereira RC, Angelis-Pereira MC. Influência de intervenções educativas no conhecimento sobre alimentação e nutrição de adolescentes de uma escola pública. Ciência & Saúde Coletiva, 2017.

Onis M, Onyango AW, Borghi E, Siyam A, Nishida C, Siekmann J.Development of a WHO growth reference for school-aged children andadolescents. Bull World Health Organ. 2007;85:660–667.

Heyward VH, Stolarczyk LM. Avaliação da composição corporal aplicada: fundamentos da composição corporal. São Paulo: Manole; 2000.

ALMEIDA P, Neuzeli M; PONTES FAR; COSTA S, Simone Souza. As redes de apoio social das mulheres ribeirinhas da Amazônia: Uma abordagem ecológica. Mudanças-Psicologia da Saúde, v. 26, n. 1, p. 11-22, 2018.

Duarte FM, Almeida SDS, Martins KA. Alimentação fora do domicílio de universitários de alguns cursos da área da saúde de uma instituição privada. O Mundo da Saúde 2013; 37(3):288-298.

Santos AKGV, Reis CC, Chaud DMA, Morimoto JM. Qualidade de vida e alimentação de estudantes universitários que moram na região central de São Paulo sem a presença dos pais ou responsáveis. Rev Simbio-Logias. 2014;7(10).

Almeida LS de, Moraes Filho IM de, Dantas Cangussu DD, Rocha Proença MF, Lisboa RC, Coutinho VF. Consumo de refrigerantes entre adolescentes e o estado nutricional. Revista de Iniciação Científica e Extensão, 2018.

Ferreira A, Cury MT, Chiara VL. Perfil nutricional de adolescentes com sobrepeso e obesidade. Adolescência & saúde. 2007; 4(2):24-33.

Brasil. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Pesquisa de orçamentos familiares 2008-2009: antropometria e estado nutricional de crianças, adolescentes e adultos no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE; 2010.

Santos GG, Farias GO, Guimaraes ACA, Correia PMS, Marinho A. Obesidade e adolescência: uma análise dos estudos. Revista brasileira de atividade física e saúde. 2016; 20(02): 57-71.

Faria ER, Franceschini SCC, Peluzio MCG, Sant’ana LFR, Priore SE. Correlaçãoentre Variáveis de Composição Corporal e Metabólica em Adolescentes do sexo Feminino. Arq Brasileiro de Cardiologia. 2009;43(2):119-127.

Machado AD, Olivon EV, Matias ACG, Abreu ES. Avaliação do almoço oferecido a pacientes oncológicos e transplantados pediátricos pelo método AQPC. Rev Ciênc Méd Biol. 2013; 12(3):332-336.

Araki EL, Philippi ST, Martinez MF, Estima CCP, Leal GV, Alvarenga MS. Padrões de refeições realizadas por adolescentes que frequentam escolas técnicas em São Paulo. Rev Paulista de Pediatria. 2011;29(2):164-170.

Priore SE, Faria FR, Franceschini SCC. Adolescência. In: Priore SE, Oliveira RMS, Faria ER, Franceschini SCC, Pereira PF. Nutrição e Saúde na Adolescência. Rio de Janeiro: Rubio; 2010. P. Rio de Janeiro: Rubio, 2010. P 1-6.

Perin AD, Achida NS. Perfil dos consumidores de produtos diet e light nos supermercados varejistas de campo mourão, PR. Ver Uringá. 2014; 41:15-19.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista da Associação Brasileira de Nutrição - RASBRAN