Estado nutricional de industriários da área metropolitana do Recife e associações com fatores sociodemográficos, estilo de vida e condições de saúde

Autores

  • Marcela Karla de Almeida Lira Nutricionista pela Universidade Federal de Pernambuco
  • Cinthia Katiane Martins Calado Nutricionista pela Universidade Federal de Pernambuco
  • Maria Goretti Pessoa de Araújo Burgos Nutricionista, Professora Universidade Federal de Pernambuco https://orcid.org/0000-0003-4980-5822

DOI:

https://doi.org/10.47320/rasbran.2021.1494

Resumo

Objetivo: avaliar o estado nutricional de industriários e associações com fatores sociodemográficos, estilo de vida e condições de saúde. Método: Estudo transversal realizado em uma indústria gráfica da área metropolitana do Recife, PE, no período de maio a junho de 2011; com 146 adultos (97 homens e 49 mulheres). Os dados avaliados foram: sociodemográficos (sexo, idade, estado civil, renda, escolaridade), estilo de vida (atividade física), antropométricos (peso, estatura, circunferência da cintura, circunferência do quadril) e comorbidades. Na análise dos dados utilizou-se o Teste Exato de Fisher, para associações das diferentes faixas de IMC com as variáveis analisadas; foi usado o nível de significância de 5%. Resultados: A prevalência do excesso de peso foi de 56,16%, no grupo total. Houve associação significativa da obesidade nos homens (P = 0, 038), com a faixa etária de 30-40 anos de ambos os sexos (P= 0, 018) e nos indivíduos casados (P < 0,001). Naqueles com renda em torno de um salário mínimo, prevaleceu a eutrofia (P <0, 001). Não ocorreu interferência do estado nutricional nos demais fatores analisados. Dentre os perímetros avaliados, apenas a Relação Cintura/Estatura se mostrou elevada em 55,5 % dos indivíduos obesos de ambos os sexos. Conclusão: O excesso de peso foi prevalente em ambos os sexos, sendo a obesidade mais freqüente nos homens de união estável, onde o índice de massa corporal em todo grupo sofreu interferência da idade, estado civil e renda.

Palavras-chave: Estado Nutricional. Obesidade. Sobrepeso. Estilo de vida.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Lacey K, Pritchett E. Nutrition care process and model: ADA adopts road map to quality care and outcomes massagement. J Am Diel Assoc. 2003;103(8):1061-72.

Gibson R. Principles of nutritional assessment. 2ª ed. New York: Oxford University Press. 2005.

Organização Mundial de Saúde. Dieta, nutrición y prevención de enfermidades crônicas. (Série de informestécnicos, 797). Genebra: OMS. 1990.

Popkin B. The nutrition transition in low-income countries: an emerging crisis. Nutr Rev.1994;52(9): 285-98.

World Health Organization. Global health risks: mortality and burden of disease attributable to selected major risks. Geneva: World Health Organization; 2009.

World Health Organization. Global status report on noncommunicable diseases 2014. Geneva: World Health Organization; 2014.

Ministério da Saúde. Resumo Executivo Saúde Brasil 2014: Uma análise da situação de saúde e das causas externas. Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde. Brasília, DF; 2015.

World Health Organization. Obesity: Preventing and managing the global epidemic. Report of WHO Consultation on Obesity. Geneva: WHO; 1998.

Lohman TG, Roche AF, Martorell R. Antropometric standardization reference manual. Champaing (IL): Human Kinetics Books; 1988.

World Health Organization. Physical status: use and interpretation of anthropometry. Report of a WHO expert committee. Geneva: WHO; 1995.

Ashwell M, Hsieh SD. Six reasons why the waist-to-height ratio is a rapid and effective global indicator for health risks of obesity and how its use could simplify the international public health message on obesity. Int J Food SciNutr. 2005;56(5):303-7.

Monteiro CA, Conde WL, Popkin BM. Is obesity replacing or adding to undernutrition? Evidence from different social classes in Brazil. Public Health Nutr 2002; 5(1A):105–12.

Schneider VC, Carvalho SAT, Pereira CAM, Magalhães P. Avaliação antropométrica em funcionários de uma penitenciária no município de Itirapina – SP. Alim. Nutr. 2011; 22(4):593-99.

Sousa RMRP, Sobral DP, Paz SMRS, Martins MCC. Prevalência de sobrepeso e obesidade entre funcionários plantonistas de unidades de saúde de Teresina, Piauí. Rev. Nutr. 2007; 20(5): 473-82.

Silva DO. O Fiel da Balança na História do Corpo Obeso de Mulheres de Baixa Renda ¬Manguinhos, Rio de Janeiro. [disertation]. Rio de Janeiro: Escola Nacional de Saúde Pública, Fundação Oswaldo Cruz. 1995.

Costa MAP, Vasconcelos AGG, Fonseca MJM. Prevalência de obesidade, excesso de peso e obesidade abdominal e associação com prática de atividade física em uma universidade federal. Rev Bras epidemiol. 2014;17(2): 421-36.

Lean MEJ, Han TS, Deurenberg P. Predicting body composition by densitometryfrom simple anthropometric measurements. Am J Clin Nutr.1996;63(1):4-14

Castanheira M, Olinto MTA, Gigante DP. Associação de variáveis sócio-demográficas e comportamentais com a gordura abdominal em adultos: estudo de base populacional no Sul do Brasil. Cad Saúde Pública. 2003;19(1):55-65.

Franque D, Witcmann FMA, Prá D. estilo de vida e fatores de risco para o sobrepeso e obesidade em mulheres de baixa renda. Cinergis 2007;8(1):40-9.

Haun DR, Pitanga FJG, Lessa I. Razão cintura/estatura comparado a outros indicadores antropométricos de obesidade como preditor de risco coronariano elevado. Assoc Med Bras. 2009;55(6):705-11.

Lin WY, Chen CY, Lo H, Hsia HH, Liu IL, Lin RS, Shau WY, Huang KC. Optimal cut-off values for obesity: using simple antropometric indices to predict cardiovascular risk factores in Taiwan. Int J Obes Relat Metab Disord 2002; 26(9):1232-8.

Huang KC, Lin WY, Lee LT, Chen CY, Lo H, Hsia HH, Liu LL, Shau WY, Lin RS. Four anthropometric indices and cardiovascular risk factors in Taiwan. Int J Obes Relat Metab Disord 2002;26(8):1060-8.

Oliveira LPM, Assis AMO, Silva MCM, Santana MLP, Santos NS, Pinheiro SMC, Barreto LM, Souza CO. Fatores associados a excesso de Peso e concentração de gordura abdominal em adultos na cidade de salvador, Bahia, Brasil. Cad Saúde Pública. 2009; 25(3):570-82.

Veloso HJF, Silva AUM. Prevalência e fatores associados à obesidade abdominal e ao excesso de peso em adultos maranhenses. Bras. Epidemiol 2010; 13(3):400-12.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa de orçamento familiar 2002-2003. Análise da disponibilidade domiciliar de alimentos e do estado nutricional no Brasil.IBGE, Rio de Janeiro (2004),40–76.

Francischi RPP, Pereira LO, Freitas CS, Klopfer ML, Santos RC, Vieira P, Junior Lancha AH. Obesidade:atualização sobre sua etiologia, morbidade e tratamento. Rev Nutr. 2000;13(1):17-29.

Tachman J. Body Weight, Marital Status, and Changes in Marital Status. J Fam Issues. 2016;37(1):74–96.

Teichmann L, Olinto MTA, Costa JSD, Ziegler D. Fatores de risco associados ao sobrepeso e a obesidade em mulheres de São Leopoldo, RS. Rev Bras Epidemiol .2006;9(6):360-73.

Hajian-Tilaki KO, Heidari B. Prevalence of obesity, central obesity and the associated factors in urban population aged 20-70 years, in the north of Iran: a population-based study and regression approach. Obes Ver. 2007;8:(1)3-10.

Gigante DP, Moura EC, Sardinha LMV. Prevalência de excesso de peso e obesidade e fatores associados, Brasil, 2006. Rev Saúde Pública. 2009; 43(2):83-9

Holanda LGM, Martins MCC, Filho MDS, Carvalho CMRG, Assis RC, Leal LMM, Mesquita LPL, Costa EM. Excesso de peso e adiposidade central em adultos de Teresina-PI. Rev Assoc Med Bras. 2011;57(1):50-55.

Sarturi JB, Neves J, Peres KG. Obesity in adults people: a population based study in a small town in South of Brazil, 2005. Ciênc Saúde Coletiva. 2010; 15:105-13.

Sichieri R, Coitinho DC, Leão MM, Recine E, Everhart JE. High temporal, geographic and income variation in body mass índex among adults in Brazil. American Journal of Public Health.1994; 84(5):793-798.

Sobal J, Stunkard AJ. Socioeconomics status and obesity: areview of the literature. Psychol Bull 1989; 105(2):260-75.

McLaren L. Socioeconomic status and Obesity. Epidemiol Rev .2007; 29: 29-48.

Peixoto MRG, Monego ET, Alexandre VP, Souza RGM, Moura EC. Monitoramento por entrevistas telefônicas de fatores de risco para doenças crônicas: experiência de Goiânia, Goiás, Brasil. Cad Saúde Pública. 2008; 24(6):1323-33.

Everson AS, Goldberg DE, Helmrich SP , Lakka TA, Lynch JW, Kaplan GA, Salonen JT. Weight gain and risk of developing Insulin Resistance Syndrome. Diabetes Care 1998; 21(10):1637-43.

Nascimento LC, Mendes IJM. Perfil de saúde dos trabalhadores de um centro de saúde-escola. Rev Latino-Am Enfermagem. 2002; 10(4) :502-8

Castro MBT, Anjos LA, Lourenço PM. Padrão dietético e estado nutricional de operários de uma empresa metalúrgica do Rio de Janeiro, Brasil. Cad Saúde Pública. 2004;20(4):926-34.

Downloads

Publicado

2021-07-27

Como Citar

Karla de Almeida Lira, M. ., Katiane Martins Calado, C. ., & Burgos, M. G. P. de A. (2021). Estado nutricional de industriários da área metropolitana do Recife e associações com fatores sociodemográficos, estilo de vida e condições de saúde. Revista Da Associação Brasileira De Nutrição - RASBRAN, 12(2), 59–70. https://doi.org/10.47320/rasbran.2021.1494

Edição

Seção

Artigos Originais