Ações de educação alimentar e nutricional na prevenção ao excesso de peso em escolares: Experiência do Programa Saúde na Escola em um município do Vale do Rio dos Sinos-RS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47320/rasbran.2021.2189

Resumo

Objetivo: descrever o perfil antropométrico, a experiência no desenvolvimento de ações de educação alimentar e nutricional (EAN) do Programa Saúde na Escola (PSE) na prevenção do excesso de peso em escolares em um município do Vale do Rio dos Sinos-RS. Métodos: trata-se de um estudo quantitativo, descritivo, retrospectivo, com delineamento transversal. Foi realizado a avaliação antropométrica e ações de prevenção ao excesso de peso de escolares de ensino fundamental I, de escolas pactuadas ao PSE em um município do Vale do Rio dos Sinos-RS no ano de 2019. Resultados: a amostra da avaliação nutricional, foi integrada por 1.652 escolares sendo 841 do sexo feminino (50,9%) e 811 do sexo masculino (49,1%). Quanto à classificação, 2,5% apresentou magreza, 1,5% risco para sobrepeso, 19,1% sobrepeso e 16,8% algum grau de obesidade e 60,1% são eutróficos. A realização das ações foi satisfatória, já que os escolares se mostraram pró-ativos, participando das atividades, interagindo e esclarecendo dúvidas. Conclusão: a realização das ações de educação alimentar e nutricional nas escolas pactuadas ao PSE foi considerada produtiva, pois houve boa aceitação por parte dos alunos nas atividades propostas, ratificando a necessidade da exposição das crianças e adolescentes ao tema da alimentação e nutrição. Conclui que as ações de EAN no ambiente escolar, não devam ser apenas pontuais, mas façam parte das atividades curriculares, para que essa temática seja fomentada e incorporada como parte rotina de vida dos escolares.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Ramos FP, Santos LAS, Reis ABC. Educação alimentar e nutricional em escolares: uma revisão de literatura. Cad Saúde Pública. 2013; 29(11): 2147-61.

Dias PC, Henriques P, Anjos LA, Burlandy L. Obesidade e políticas públicas: concepções e estratégias adotadas pelo governo brasileiro. Cad Saúde Pública. 2017;33(7): e00006016.

Freitas LKP, Cunha JAT, Knackfuss MI, Medeiros HJ. Obesidade em adolescentes e as políticas públicas de nutrição. Ciên Saúde Colet. 2014; 19(6): 1755-1762.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Instrutivo PSE/Ministério da Saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2011. 46 p.

Batista MD, MondinI L, Jaime PC. Ações do Programa Saúde na Escola e da alimentação escolar na prevenção do excesso de peso infantil: experiência no município de Itapevi 2014. Epidemiol Serv Saúde. 2017; 26(3): 569-578.

Prodanov CC, Freitas EC. Metodologia do Trabalho Científico: Métodos e Técnicas da Pesquisa e do Trabalho Acadêmico. 2a ed. Novo Hamburgo: Feevale; 2013.

Hochman B; Nahas FX, Oliveira FRS, Ferreira LM. Desenhos de pesquisa. Acta Cir Bras. 2005; 20: 2-9.

Brasil. Ministério da Saúde. Vigilância alimentar e nutricional – SISVAN: Orientações básicas para a coleta, o processamento, a análise de dados e a informação em serviços de saúde. (Série A – Normas e manuais técnicos). Brasília: Ministério da Saúde; 2011. 16 a 20 p.

World Health Organization (WHO). Global strategy on diet, physical activity and health: World Health Organization. Geneva: WHO; 2006.

World Health Organization (WHO). Global strategy on diet, physical activity and health: World Health Organization. Geneva: WHO; 2007.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Guia alimentar para a população brasileira/Ministério da Saúde. 2a ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2014. 156 p.

Brasil. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Marco de referência de educação alimentar e nutricional para as políticas públicas. Brasília: MDS; 2012. 68 p.

Monteiro LN, Aerts D, Zart VB. Estado nutricional de estudantes de escolas públicas e fatores associados em um distrito de saúde do Município de Gravataí, Rio Grande do Sul. Epidemiol Serv Saúde. 2010; 19(3): 271-281.

Pedraza DF, Silva FA, Melo NLS, Araujo EMN, Souza CPC. Estado nutricional e hábitos alimentares de escolares de Campina Grande, Paraíba, Brasil. Ciênc Saúde Coletiva. 2017; 22(2): 469-477.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009 – POF. Rio de Janeiro; 2010.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Pesquisa nacional de saúde escolar. Rio de Janeiro; 2015.

Grillo LP, Conceição ML, Matos CH, Lacerda LLV. Estado nutricional e práticas de educação nutricional em escolares. Mundo Saúde. 2016; 40(2): 230-238.

Guimarães LV, Barros MBA. As diferenças de estado nutricional em pré-escolares de rede pública e a transição nutricional. J Pediatr. 2001; 77(5):381-386.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Pesquisa de Orçamentos Familiares 2002-2003 – POF. Rio de Janeiro; 2004.

Guimarães LV, Barros MBA, Martins MSAS, Duarte EC. Fatores associados ao sobrepeso em escolares. Rev Nutrição. 2006; 19(1): 5-17.

Ronque ERV, Cyrino ES, Dórea VR, Serassuelo JH, Galdi EHG, Arruda M. Prevalência de sobrepeso e obesidade em escolares de alto nível socioeconômico em Londrina, Paraná, Brasil Rev Nutr. 2005; 18(6):709-17.

Franca C, Carvalho J, Santos VCH. Estratégias de educação alimentar e nutricional na Atenção Primária à Saúde: uma revisão de literatura. Saúde debate. 2017; 41(114): 932-948.

Prado BG, Fortes ENS, Lopes MAL, Guimarães LV. Ações de educação alimentar e nutricional para escolares: um relato de experiência. DEMETRA: Alimentação, Nutrição & Saúde. 2016; 11(2): 369-382.

Kroth KB. Educação alimentar e nutricional para crianças, adolescentes e familiares em uma escola pública de Salvador, Bahia. Revista da Associação Brasileira de Nutrição - RASBRAN. 2018; 9(2): 3-8.

Costa AGM, Gonçalves AR, Suart DA, Suda G, Piernas P, Lourena LR. Avaliação da influência da educação nutricional no hábito alimentar de crianças. Rev Inst Ciênc Saúde. 2009; 27(3):237-43.

Yokota TC, Vasconcelos TF, Pinheiro ARO, Schmitz BAS, Coitinho DC, Rodrigues MLCF. Projeto “a escola promovendo hábitos alimentares saudáveis”: comparação de duas estratégias de educação nutricional no Distrito Federal, Brasil. Rev Nutr. 2010; 23(1):37-47.

Souza NP. Avaliação das ações de saúde e nutrição na perspectiva do programa Saúde na Escola [dissertação]. Recife: Departamento de Nutrição do Centro de Ciências da Saúde, Universidade Federal de Pernambuco; 2012. 125f.

Juzwiak CR, Castro PM, Batista SHSS. A experiência da Oficina Permanente de Educação Alimentar e em Saúde (OPEAS): formação de profissionais para a promoção da alimentação saudável nas escolas. Ciênc Saúde Colet. 2013; 8(4): 1009-18.

Silva SU, Monego ET; Souza LM; Almeida GM. As ações de educação alimentar e nutricional e o nutricionista no âmbito do Programa Nacional de Alimentação Escolar. Ciênc Saúde Colet. 2018; 23(8): 2671-2681.

Downloads

Publicado

2022-03-31

Como Citar

Pinheiro, A., & D’Azevedo Sica, C. . (2022). Ações de educação alimentar e nutricional na prevenção ao excesso de peso em escolares: Experiência do Programa Saúde na Escola em um município do Vale do Rio dos Sinos-RS. Revista Da Associação Brasileira De Nutrição - RASBRAN, 12(4), 38–51. https://doi.org/10.47320/rasbran.2021.2189

Edição

Seção

Artigos Originais