Monitoramento nutricional em unidades de atenção primária à saúde, DRS VI- Bauru, Brasil

Milena Cristina Sendão Ferreira, Flávia Negri, Lilian Fernanda Galesi, Cláudia Rucco Penteado Detregiachi, Maria Rita Marques de Oliveira

Resumo


O objetivo foi caracterizar o processo de monitoramento nutricional em unidades de atenção primária à saúde de quatro municípios pertencentes ao DRS VI de Bauru-SP, Brasil. Por escolha aleatória, participaram um município de médio porte (M) e três de pequeno porte (P). No município M, foram estudadas 10 unidades e nos municípios P, uma em cada. Os sujeitos foram os profissionais de saúde responsáveis pela aferição e registro da antropometria que responderam um questionário sobre a obtenção dos dados antropométricos, os equipamentos disponíveis, quais profissionais aferiam medidas e a respeito da execução do diagnóstico nutricional. Em todos os grupos populacionais e municípios as medidas antropométricas mais utilizadas foram peso e estatura/comprimento, aferidas predominantemente por técnicos de enfermagem. Todas as unidades dispunham de equipamentos de antropometria, exceto o estadiômetro para adulto. O diagnóstico nutricional em crianças era realizado por 80% das unidades município M e 100% nos municípios P. Em menor proporção, em gestantes (70%; 67%); em idosos (50%; 66,6%), adolescentes e adultos (50%; 33%), nos municípios M e P, respectivamente. Concluiu-se que o monitoramento nutricional é realizado com freqüência em crianças e por técnicos de enfermagem, mas são necessários ainda esforços para que a vigilância se estenda a todas as faixas etárias da população.

Palavras-chave


Vigilância nutricional. Antropometria. Atenção primária à saúde; VIGILÂNCIA NUTRICIONAL; ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE; ANTROPOMETRIA; SAÚDE DA FAMÍLIA; AVALIAÇÃO NUTRICIONAL; PESSOAL DE SAÚDE

Texto completo:

PDF

Referências


- Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Alimentação e Nutrição, 2ª ed. rev., Brasília: Ministério da Saúde, 2008. 48p.

- Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Alimentação e Nutrição. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde, 2012. 84 p.

- Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção à Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2006.

- Ferreira MG, Sichieri R. Antropometria como método de avaliação do estado de nutrição e saúde do adulto. In: Kac G, Sichieri R, Gigante DP (organizadores). Epidemiologia nutricional. Rio de Janeiro: Atheneu; 2007. p.93-104.

- Campos JADB, Loffredo LCM. Reprodutibilidade de medidas antropométricas. Alim. Nutr. 2005; 16(2):163-167.

- Silva DAS, Pelegrini A, Pires-Neto CS, Vieira MFS, Petroski EL. O antropometrista na busca de dados mais confiáveis. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum. 2011; 13(1):82-85.

- Brasil. Ministério da Saúde. Indicadores de vigilância alimentar e nutricional: Brasil 2006. Brasília: Ministério da Saúde; 2009.

- Bagni UV, Fialho Júnior CC, Barros DC. Influência do erro técnico de medição em antropometria sobre o diagnóstico nutricional. Nutrire Rev. Soc. Bras. Aliment. Nutr. 2009; 34(3):187-200.

- Lima MAA, Oliveira MAA, Ferreira HS. Confiabilidade dos dados antropométricos obtidos em crianças atendidas na Rede Básica de Saúde de Alagoas. Rev. bras. epidemiol. 2010; 13(1):69-82

- Barbosa MA, Medeiros M, Prado MA, Bachion MM, Brasil VV. Reflexões sobre o trabalho do enfermeiro em saúde coletiva. Revista Eletrônica de Enfermagem 2010; 6(1):09-15.

- Brasil, Departamento de Atenção Básica. Saúde da Família. [Acessado 2013 set 03]. Disponível em: http://dab.saude.gov.br/atencaobasica.php#equipes.

- Marchi-Alves LM, Yagi CM, Rodrigues CS, Mazzo A, Rangel EML, Girão FB. Obesidade infantil ontem e hoje: importância da avaliação antropométrica pelo enfermeiro. Esc. Anna Nery 2011; 15(2):238-244.

- Sales AL, Lopes MVO. Indicadores clínicos de diagnósticos de enfermagem relacionados ao estado nutricional. Rev. RENE. Fortaleza 2012; 9(2):73-81.

- Monteiro FPM, Caetano JA, Araújo TL. Enfermagem na saúde da criança: estudo bibliográfico acerca da avaliação nutricional. Esc. Anna Nery 2010; 14(2):406-411.

- Cervato-Mancuso AM, Tonacio LV, Silva ER, Vieira VL. A atuação do nutricionista na Atenção Básica à Saúde em um grande centro urbano. Ciência & Saúde Coletiva 2012; 17(12):3289-3300.

- Lanpop. Manual de técnicas antropométricos. http://www. [Acessado 2013 set 03]. Disponível em: http://www. fsp.usp.br/lanpop.

- Ferreira MCS, Detregiachi CRP, Oliveira MRM. Qualidade das medidas de peso produzidas em unidades de atenção básica à saúde da região de Botucatu-SP, Brasil. Nutrire Rev. Soc. Bras. Aliment. Nutr. 2011; 36(3):27-36.

- Brasil, Ministério da Saúde. Vigilância alimentar e nutricional - SISVAN: orientações básicas para a coleta, processamento, análise de dados e informação em serviços de saúde, Série A. Normas e Manuais Técnicos, Brasília, 2004.

- Damé PKV, Pedroso MRO, Marinho CL, Gonçalves VM, Duncan BB, Fisher PD, et al. Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional (SISVAN) em crianças do Rio Grande do Sul, Brasil: cobertura, estado nutricional e confiabilidade dos dados. Cad. Saúde Pública 2011; 27(11):2155-2165.

- Camilo SMB, Camilo GB, Toledo GC, Camilo Júnior RD, Toledo CC. Vigilância nutricional no Brasil: criação e implementação do SISVAN. Rev APS 2011; 14(2):224-228.

- Coutinho JG, Cardoso AJC, Toral N, Silva ACF, Ubarana JA, Aquino KKNC, et al. A organização da Vigilância Alimentar e Nutricional no Sistema Único de Saúde: histórico e desafios atuais. Rev. bras. epidemiol. 2009; 12(4):688-99.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Revista da Associação Brasileira de Nutrição - RASBRAN