Proporção do consumo de grupos alimentares por crianças de 6 a 23 meses de idade e variáveis associadas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47320/rasbran.2021.2421

Resumo

Objetivo: Avaliar a proporção do consumo dos grupos alimentares por crianças de 6 a 23 meses e as variáveis associadas. Método: Estudo transversal analítico, realizado durante a campanha nacional de vacinação contra poliomielite 2012 em Guarapuava-PR. Foi aplicado um questionário estruturado a 1.355 acompanhantes das crianças sobre a alimentação do dia anterior à entrevista. Investigou-se a proporção do consumo de 6 grupos alimentares segundo variáveis biológicas e socioeconômicas das crianças e maternas. Resultados: Crianças com idade acima de 12 meses consumiram mais carnes/ovos e feijões (94,2% e 90,5%, respectivamente), e as filhas de mães que possuíam maior escolaridade consumiam em maior proporção alimentos dos grupos das carnes/ovos, frutas e legumes/verduras (94,1%, 93,7% e 93,9%, respectivamente), sendo que houve tendência crescente nestas variáveis. As crianças cujas mães trabalhavam fora também consumiam mais carnes/ovos (89,8%), enquanto as crianças cujas mães possuíam menor escolaridade e não trabalham com remuneração consumiam mais feijão (88,5% e 89,5%, respectivamente). Quanto ao serviço de saúde as que frequentavam o serviço privado apresentaram maior proporcionalidade de consumo de legumes/verduras e frutas (90,6% e 89,4%, respectivamente) e as que frequentavam o serviço público maior proporcionalidade de feijão (89,9%). Conclusão: foi possível identificar que a condição socioeconômica exerce grande influência sobre a alimentação da criança, sendo que as filhas de mães que tinham maior escolaridade e trabalho remunerado consumiam mais frutas, legumes/verduras, carnes/ovos, e as que frequentavam serviço de saúde público, de mães com baixa escolaridade e que não tinham trabalho remunerado consumiam mais feijão.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paula Chuproski Saldan, Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO)

Departamento de Nutrição

Referências

World Health Organization. Complementary feeding: report of the global consultation, and summary of guiding principles for complementary feeding of the breastfed child. Geneva: WHO; 2002.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção Primária à Saúde. Departamento de Promoção da Saúde. Guia alimentar para crianças brasileiras menores de dois anos. Brasília: Ministério da Saúde; 2019.

World Health Organization. Essential nutrition actions: improving maternal, newborn, infant and young child health and nutrition. Geneva: WHO; 2013.

Dias MCAP, Freire LMS, Franceschini SCC. Recomendações para alimentação complementar de crianças menores de dois anos. Rev. Nutr. 2010;23(3):475-86.

Brasil. Ministério da Saúde. Estratégia Nacional para Promoção do Aleitamento Materno e Alimentação Complementar Saudável no SUS - Estratégia Amamenta e Alimenta Brasil. Brasília: Ministério da Saúde; 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Alimentação e Nutrição. 1. ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2013.

Barbosa RMS, Soares EA, Lanzillotti HS. Avaliação da ingestão de nutrientes de crianças de uma creche filantrópica: aplicação do Consumo Dietético de Referência. Rev. Bras. Saúde Matern. Infant. 2007;7(2):159-166.

Brecailo MK, Corso ACT, Almeida CCB, Schmitz BAS. Fatores associados ao aleitamento materno exclusivo em Guarapuava, Paraná. Rev. Nutr. 2010;23(4):553-563.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. II Pesquisa de Prevalência de Aleitamento Materno nas capitais brasileiras e Distrito Federal. Brasília: Ministério da Saúde; 2009.

Lwanga SK, Lemeshow S. Sample size determination in health studies: a practical manual. Geneva: WHO; 1991.

Silva NN. Amostragem probabilística: um curso introdutório. São Paulo: EDUSP; 1998.

World Health Organization, United Nations Children’s Fund (UNICEF). Indicators for assessing infant and young child feeding practices: definitions and measurement methods. Geneva: WHO, UNICEF; 2021.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Dez passos para uma alimentação saudável: guia alimentar para menores de dois anos: um guia para o profissional da saúde na atenção básica. 2a ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2010.

Santos LM, Paes-Sousa R, Silva Junior JB, Victora CG. National Immunization Day: a strategy to monitor health and nutrition indicators. Bull World Health Organ. 2008;86(6):474-479.

Ministério da Saúde (BR). Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunizações. Campanha nacional de vacinação contra poliomielite 2012. [Acesso 22 ago. 2012]. Disponível em: <http://pni.datasus.gov.br/consulta_polio_12_selecao.asp?enviar=ok&sel=vacinometro&faixa=todos &grupo=todos&uf=PR&municipio=410940>

Ministério da Saúde (BR). Informações de saúde. Nascidos vivos - Paraná. [Acesso 26 jun. 2019]. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/deftohtm.exe?sinasc/cnv/nvpr.def

Bogea EG, Martins MLB, Carvalho WRC, Arruda SPM, França AKTC, Silva AAM. Padrões alimentares de crianças de 13 a 35 meses de idade e associação com características maternas. Cad. Saúde Pública 2019;35(4):e00072618.

Brasil. Ministério da Saúde. ENPACS: Estratégia Nacional Para Alimentação Complementar Saudável: Caderno Do Tutor. Brasília: Ministério da Saúde; 2010.

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Alimentação Infantil I: Prevalência de indicadores de alimentação de crianças menores de 5 anos: ENANI 2019. - Documento eletrônico. - Rio de Janeiro, RJ: UFRJ; 2021.

Latorre CG, et al. Avaliação do consumo alimentar de crianças entre 6 e 14 meses usuárias de uma unidade básica de atenção primaria à saúde de Macaé, Rio de Janeiro. Demetra 2020;15:e43355.

Chuproski P, Tsupal PA, Furtado MCC, Mello DF. Práticas alimentares de crianças desnutridas menores de dois anos de idade. Rev Gaúcha Enferm. 2012;33(4):118-125.

Flores TR, et al. Padrões de consumo alimentar em crianças menores de dois anos no Brasil: Pesquisa Nacional de Saúde, 2013. Ciênc. Saúde Colet. 2021;26(02):625-636.

Oliveira ES. et al. Alimentação complementar de lactentes atendidos em uma unidade básica de saúde da família no nordeste brasileiro. Rev. Cogitare Enferm. 2018;23(1):e51220.

Lima ALL. Causas do declínio acelerado da desnutrição infantil no Nordeste do Brasil (1986-1996-2006). Rev. Saúde Pública. 2010;44(1):17-27.

Coradi FB, Bottaro SM, Kirsten VR. Consumo alimentar de crianças de seis a doze meses e perfil sociodemográfico materno. Demetra 2017;12(3):733-750.

Ferreira AFA. Mudanças na escolaridade média e evolução da desigualdade da renda no brasil entre 2002 e 2015. Ouro Preto. Monografia [Trabalho de Conclusão de Curso] – Universidade Federal de Ouro Preto; 2019.

Mais LA, et al. Diagnóstico das práticas de alimentação complementar para o matriciamento das ações na Atenção Básica. Ciênc. Saúde Colet. 2014;9(1):93-104.

Silochi MHQ, et al. Aspectos que influenciam a aquisição e preparo do feijão comum por consumidores domésticos. Faz ciência. 2021;23(37):147–164.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Trabalho e Rendimento. Pesquisa Nacional de Saúde 2019. Rio de Janeiro: IBGE; 2020.

Ribeiro CSR, et al., Segurança Alimentar e Nutricional: avaliação e fatores determinantes em consórcio de municípios, Bahia, Brasil. Demetra 2018;13(1):83-100.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Ministério da Economia. Diretoria de Pesquisas. Coordenação de Trabalho e Rendimento. Pesquisa de Orçamentos Familiares 2017-2018: Análise do consumo alimentar pessoal no Brasil. Rio de Janeiro; 2020.

Downloads

Publicado

2022-03-31

Como Citar

Pires Beltrame, N., de Moura Escobar, S. J. ., Schabarum, J. C. ., Gonçalves Vieira, D., & Saldan, P. C. (2022). Proporção do consumo de grupos alimentares por crianças de 6 a 23 meses de idade e variáveis associadas . Revista Da Associação Brasileira De Nutrição - RASBRAN, 12(4), 52–66. https://doi.org/10.47320/rasbran.2021.2421

Edição

Seção

Artigos Originais