Consumo alimentar de usuários de uma Clínica-Escola de Nutrição do interior paulista

Camila Ferraz Marinho, Márcia Aparecida da Silva Beltrame, Karen Kathellin Ferreira, Joseane Almeida Santos Nobre, Glenys Mabel Caballero Córdoba

Resumo


Os maus hábitos alimentares adotados pela população brasileira, proveniente de alimentos hipercalóricos e de baixo valor nutricional, têm refletido diretamente na saúde e estado nutricional, aumentando nos últimos anos, a prevalência de obesidade e doenças crônicas não transmissíveis. Diante disso, o objetivo desse estudo foi determinar o perfil de usuários atendidos em uma Clínica Escola de Nutrição. Trata-se de um estudo transversal, retrospectivo, observacional, descritivo e analítico. Desenvolvido a partir da análise de 96 Recordatórios de 24 horas que constavam nos prontuários dos pacientes, com idade entre 40 e 59 anos. Os nutrientes avaliados foram: carboidratos, proteínas, lipídios, cálcio, zinco, ferro, magnésio, sódio e fibras; sendo os valores encontrados comparados com o preconizado pelas Dietary Reference Intakes de 1997. Os principais resultados deste estudo indicaram maior procura da clínica escola por mulheres (80,2%); entre 40 e 50 anos (62,5%); com excesso de peso (94,8%) e com pelo menos uma doença crônica relatada (83,35%). Quanto ao consumo alimentar, as mulheres apresentaram um consumo significativamente menor de fibras e ferro (p=0,045 e p=0,012, respectivamente), quando comparada aos homens. Um consumo inadequado dos nutrientes avaliados conforme os valores de EAR foram encontrados para ferro (19,8%;n=19); magnésio (88,54%;n=85) e zinco (39,58%; n=38). Conclui-se que o perfil de usuários atendidos pela Clínica Escola de Nutrição foi constituído por mulheres, possuindo pelo menos uma morbidade associada ao excesso de peso. A alimentação caracterizou-se por baixa ingestão de micronutrientes e elevado consumo de carboidratos e lipídios.


Palavras-chave


Consumo alimentar; Adultos; Estado nutricional; Macronutrientes; Doenças crônicas não transmissíveis; COMPORTAMENTO ALIMENTAR; TRANSIÇÃO NUTRICIONAL; DOENÇAS CRÔNICAS; ESTADO NUTRICIONAL; PREVENÇÃO DE DOENÇAS; MACRONUTRIENTES

Texto completo:

PDF

Referências


Levy RB, Claro RM, Mondini L, Sichieri R, Monteiro CA. Distribuição regional e socioeconômica da disponibilidade domiciliar de alimentos no Brasil em 2008-2009. Rev Saúde Pública. 2012;46(1):6-15.

Perez Cueto Eulert A, Almanza-López M, Pérez-Cueto J, Eulert M. Estado nutricional y características de la dieta de un grupo de adolescentes de la localidad rural de Calama, Bolivia. INDUSTRIA ALIMENTARIA (MEXICO). 2010;32(1):20-6.

da Silva Sousa A, Kling MRS, Navarro F. A importância da orientação e reeducação nutricional no tratamento da obesidade. RBONE-Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento. 2012;1(5).

Severo SB, Seminotti N. Integralidade e transdisciplinaridade em equipes multiprofissionais na saúde coletiva. Ciência & Saúde Coletiva. 2010;15:1685-98.

Amaral AEV, Luca L, Rodrigues TdC, Leite CdA, Lopes FL, Silva MAd. Serviços de psicologia em clínicas-escola: revisão de literatura. Boletim de Psicologia. 2012;62:37-52.

Pimenta CDZ, Paixão MPCP. Análise da Adesão da Terapêutica Nutricional Proposta aos Pacientes Atendidos na Clínica Integrada de Nutrição de Uma Faculdade Particular em Vitória-ES. Saúde e Pesquisa. 2012;6(1).

Oliveira TRPR, Pereira CG. Perfil de Pacientes que Procuram a Clínica de Nutrição da PUC MINAS e Satisfação quanto ao Atendimento. Percurso Acadêmico. 2014.

Alves MDA, Costa WC, Sequeira BJ. Fatores que influenciam na busca do atendimento psicologico na clinica-escola da faculdade cathedral. Caderno de Ciências Biológicas e da Saúde. 2014(4).

de Souza FP, Santos DdFG, Vivian AG. Motivos da busca de atendimento psicológico em uma clínica escola da Região Metropolitana de Porto Alegre/RS–Pesquisa documental. Consultores 2014. 2014;43(44):24-36.

Callejon KS, Colucci Paternez ACA. Adesão ao tratamento nutricional por pacientes atendidos na clínica de nutrição docente-assistencial da Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS). Rev Bras Ciên Saúde/Revista de Atenção à Saúde. 2010;6(17).

Padovani RM, Amaya-Farfán J, Colugnati FAB, Domene SMA. Dietary Reference Intakes: aplicabilidade das tabelas em estudos nutricionais. Revista de Nutrição. 2006;19(6):741-760.

Benito GAV, Tristão KM, Paula ACSFd, Santos MAd, Ataide LJ, Lima RdCD. Desenvolvimento de competências gerais durante o estágio supervisionado. Revista Brasileira de Enfermagem. 2012;65:172-8.

Pinho L, Santana B, Lopes L, Monteiro E, Caldeira A. Percepções de hipertensos sobre o acompanhamento nutricional recebido em um Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF). Revista Motricidade. 2012;8(supl 2):58-66.

Romaro RA, Capitão CG. Caracterização da clientela da clínica-escola de psicologia da Universidade São Francisco. Revista Psicologia-Teoria e Prática. 2003;5(1).

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009. Antropometria e estado nutricional de crianças, adolescentes e adultos no Brasil. Internet. Rio de Janeiro: IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística; c2011. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/imprensa/ppts/0000000108.pdf

Vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Internet. Ministério da Saúde: Vigitel 2014. Disponível em: http://www.abeso.org.br/uploads/downloads/72/553a243c4b9f3.pdf

Organização mundial da Saúde. Internet. OMS: c2015. Disponível em: http://apps.who.int/nutrition/landscape/report.aspx?iso=bra

Malta DC, Moura Ld, Prado RRd, Escalante JC, Schmidt MI, Duncan BB. Chronic non-communicable disease mortality in Brazil and its regions, 2000-2011. Epidemiologia e Serviços de Saúde. 2014;23(4):599-608.

Malta DC, Cezário AC, Moura Ld, Morais Neto OLd, Silva Junior JBd. A construção da vigilância e prevenção das doenças crônicas não transmissíveis no contexto do Sistema Único de Saúde. Epidemiologia e Serviços de Saúde. 2006;15:47-65.

Knuth AG, Malta DC, Dumith SC, Pereira CA, Morais Neto OL, Temporão JG, et al. Prática de atividade física e sedentarismo em brasileiros: resultados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) 2008. Ciência & Saúde Coletiva. 2011;16:3697-705.

Louzada MLdC, Martins APB, Canella DS, Baraldi LG, Levy RB, Claro RM, et al. Ultra-processed foods and the nutritional dietary profile in Brazil. Revista de Saúde Pública. 2015;49.

Moratoya EE, Carvalhaes GC, Wander AE, Almeida LMdMC. Mudanças no padrão de consumo alimentar no Brasil e no mundo. Revista de Política Agrícola. 2013;22(1):72-84.

Codarin MAF, Moulatlet EM, Nehme P, Ulhôa M, Moreno CRdC. Associação entre prática de atividade física, escolaridade e perfil alimentar de motoristas de caminhão. Saúde e Sociedade. 2010;19:418-28.

Gaino NM, Amâncio RD, Oetterer M, Silva MVd. Disponibilidade domiciliar de alimentos industrializados no Brasil. Hig aliment. 2012;26(206/207):55-63.

Sarno F, Claro RM, Levy RB, Bandoni DH, Monteiro CA. Estimativa de consumo de sodio pela populacao brasileira, 2008-2009. Revista de Saúde Pública. 2013;47(3):571-8.

Piccini RX, Facchini LA, Tomasi E, Siqueira FV, Silveira DSd, Thumé E, et al. Promoção, prevenção e cuidado da hipertensão arterial no Brasil. Revista de Saúde Pública. 2012;46:543-50.

Bernaud FSR, Rodrigues TC. Fibra alimentar–Ingestão adequada e efeitos sobre a saúde do metabolismo. Arq Bras Endocrinol Metab. 2013;57(6):397-405.

Szarfarc SC. Políticas públicas para o controle da anemia ferropriva. Revista Brasileira de Hematologia e Hemoterapia. 2010;32:02-8.

Ribeiro CdSG, Corção M. O consumo da carne no brasil: entre valores sócios culturais e nutricionais. DEMETRA: Alimentação, Nutrição & Saúde. 2013;8(3):425-38.

Cruz JBF, Soares HF. Uma revisão sobre o zinco. Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde. 2011;15(1):207-22.

Brasil, Nutrição ddSSdAàSCGdPdAe. Guia alimentar para a população brasileira: promovendo a alimentação saudável. MS Brasília; 2006.

Silva PMC, Cabral Junior CR, Vasconcelos SML. Ingestão do cálcio na obesidade de mulheres atendidas pelo Sistema Único de Saúde. Revista de Nutrição. 2010;23:357-67.

Martins CM, Kato JT, Barbosa JR, Carvalho CA, Machado VA, Fonseca FA, et al. Avaliação do consumo de micronutrientes em adultos residentes no município de São Paulo. Nutrire. 2011;36(Suplemento):82-.

Volpe SL. Magnesium in disease prevention and overall health. Advances in Nutrition: An International Review Journal. 2013;4(3):378S-83S.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Revista da Associação Brasileira de Nutrição - RASBRAN