AVALIAÇÃO DA ERGONOMIA E DO USO DE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL EM UNIDADES PRODUTORAS DE REFEIÇÕES.

Pamela Mayara Zanetin, Elis Carolina de Souza Fatel

Resumo


Este estudo objetivou avaliar as condições ergonômicas e o uso de Equipamentos de Proteção Individual de Unidades Produtoras de Refeições. É um estudo descritivo com pesquisa de campo com caráter observacional e o método empregado é quantitativo, de natureza transversal. Aplicou-se um instrumento nas unidades para avaliação dos aspectos ergonômicos e uso de EPIS. Na maior unidade do estudo, durante trinta dias observou-se o uso dos EPIs nas atividades. Os dados foram avaliados no programa EXCEL 2013 e descritos em tabelas e gráficos. Com a avaliação dos dados, observou-se inadequações de oito unidades na altura das bancadas (80%), nove unidades com inadequação na altura de prateleiras (90%) e apenas seis unidades (60%) apresentavam portas com abertura automática. Em relação aos EPIs, há negligência na utilização dos equipamentos durante as atividades, em especial ao avental térmico, em nove unidades (90% de inadequação;) podendo causar riscos aos colaboradores. Na maior unidade estudada, observou-se que o EPI com grande negligência na área de preparação dos alimentos foi a luva de malha de aço, totalizando vinte e duas inadequações (81,5%). Na área de cocção, apresentou-se onze inadequações no uso da luva térmica (40,7%) e o mangote térmico dez inadequações (37%). Conclui-se que as unidades apresentam condições inadequadas de trabalho que podem debilitar a saúde dos trabalhadores. Portanto, é importante avaliar os erros ergonômicos nas UPRs e investir na estrutura física.  O uso de EPIs é bastante negligenciado pelos colaboradores, logo há necessidade de treinamento contínuo para manter a segurança e saúde do trabalhador.

 


Palavras-chave


Ergonomia; Equipamentos de Proteção, Saúde do trabalhador; Serviços de alimentação; Human Engineering, Protective Devices; Occupational Health; Food Services; ENGENHARIA HUMANA; EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO; SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO/normas; EQUIPAMENTO DE PROT

Texto completo:

PDF

Referências


Rosa, COB. Unidades produtoras de refeições uma visão prática. 1 ed. Rio de Janeiro, Rubio, 2014.

Popolim, WD. Unidade Produtora de Refeições (UPR) e Unidade de Alimentação e Nutrição (UAN) - Definições, Diferenças e Semelhanças. Nutrição Profissional. 2006.

Matos, CH. Proença, RPC. Condições de trabalho e estado nutricional de operadores do setor de alimentação coletiva: um estudo de caso. Rev. Nutr. Campinas/SP, out/dez, 2003. Disponível em: .

Colares, LGT. Freitas, CM. Processo de trabalho e saúde de trabalhadores de uma Unidade de Alimentação e Nutrição: entre a prescrição e o real do trabalho. Cad. Saúde Pública. Rio de Janeiro, 2007, 23(12). Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v23n12/21.pdf

Melo, FFC. Carvalho, LR. Análise qualitativa dos riscos ocupacionais em uma unidade produtora de refeições. VIII Congresso Nacional de Excelência em Gestão. Jun 2012. Disponível em: http://www.excelenciaemgestao.org/portals/2/documents/cneg8/anais/t12_0496_2900.pdf

Ministério Do Trabalho E Emprego (BR). SSST - Secretaria de Segurança e Saúde no Trabalho. Legislação de Segurança e Saúde no Trabalho. Brasília, 1999.

Ministério do Trabalho (BR). Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978. NR 7 - PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL. Brasília. Disponível em:

Miranda, CR. Dias. CR. PPRA/PCMSO: auditoria, inspeção do trabalho e controle social. Rev. Bras. Saúde ocup. Vol.28 no.105-106 São Paulo, 2003. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sciarttext&pid=S0303-76572003000100002>

Ministério do Trabalho (BR). Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978. NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS. Brasília. Disponível em: http://www2.feg.unesp.br/Home/cipa998/norma-regulamentadora-9.pdf

Monteiro, MAM. Importância da Ergonomia na Saúde dos Funcionários de Unidades de Alimentação e Nutrição. Revista Baiana de Saúde Pública. 2009. Disponível em: http://files.bvs.br/upload/S/0100-0233/2009/v33n3/a009.pdf

Kassada, DS. Lopes, FLP. Kassada, DA. Ergonomia: atividades que comprometem a saúde do Trabalhador. Encontro Internacional de Educação Científica. Out, 2011. Disponível em: http://www.cesumar.br/prppge/pesquisa/epcc2011/anais/danielle_satie_kassada.pdf

Ministério do Trabalho (BR). NR6 – Uso de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs). Brasília, 2001. Disponível em: http://portal.mte.gov.br/data/files/8A7C816A47594D04014767F2933F5800/NR-06%20(atualizada)%202014.pdf

Sant’ana, HMP. Planejamento físico-funcional de unidades de alimentação e nutrição. Rio de Janeiro, Ed. Rubio, 2012.

Ministério do Trabalho (BR). Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978. NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS. Brasília. Disponível em: http://www2.feg.unesp.br/Home/cipa998/norma-regulamentadora-9.pdf

ALEVATO, H.; ARAÚJO, EMG. Gestão, Organização e Condições de Trabalho. V Congresso Nacional de Excelência em Gestão. Gestão do Conhecimento para a Sustentabilidade. Niteroi, RJ, Brasil, 2009. Disponível em: http://www.excelenciaemgestao.org/Portals/2/documents/cneg5/anais/T8_0155_0577.pdf

Teixeira, S. Milet, Z. Carvalho, J. Biscontini, TM. Administração Aplicada: Unidades de Alimentação e Nutrição. São Paulo: Atheneu, 2007.

Abreu, ES. Spinelli, MGN. Pinto, AMS. Gestão de Unidades de Alimentação e Nutrição: um modo de fazer. Ed.: Metha LTDA, São Paulo, 2011. Disponível em: http://www.excelenciaemgestao.org/Portals/2/documents/cneg5/anais/T8_0155_0577.pdf

Veiros, M. B. Análise das condições de trabalho do nutricionista na atuação como promotor de saúde em uma unidade de alimentação e nutrição: um estudo de caso. 2002. Dissertação (Mestrado em Engenharia da Produção) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2002. Disponível em: http://www.ie.ufrj.br/hpp/intranet/pdfs/02_analise_das_condicoes_de_trabalho_nutricionista.pdf

Baptista, AR. Silva, FC. Luiz, MRP. Veronez, N. O Papel do ESMT no Auxílio da Gestão de Empresas. 2013. Disponível em: http://fgh.escoladenegocios.info/revistaalumni/artigos/Artigo_Palmieri.pdf

Rocha, ACF. A importância do programa de prevenção de riscos ambientais e o programa de controle médico de saúde ocupacional para as empresas. Monografia (Graduação em Ciências Contábeis). Universidade de Rio Verde. Rio Verde/GO. 2013. Disponível em: http://www.fesurv.br/imgs/A%20IMPORT%C3%82NCIA%20DO%20PROGRAMA%20DE%20PREVEN%C3%87%C3%83O%20DE%20RISCOS%20AMBIENTAIS.pdf

Paula, CMD. Riscos ocupacionais e condições de trabalho em cozinhas industriais [Monografia]. Porto Alegre/RS. 2011. Disponível em: http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/65920/000869214.pdf?sequence=1

Silva Junior, EA. Manual de controle higiênico-sanitário em serviços de alimentação. 6. ed. São Paulo: Varela; 2005.

Silva, DO; Oliveira, EA. Braga, GA; Costa, GF; Feijó, TS; CARDOZO, SV. Reconhecimento dos Riscos Ambientais Presentes em Unidades de Alimentação e Nutrição no Município de Duque de Caxias, RJ. Saúde e Ambiente em Revista, v. 3, n.2. Rio de Janeiro, 2008.

Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). NR-17- Princípios da Ergonomia. Portaria nº 3751. Brasília, 23 de novembro de 1990. Disponível em: http://www3.mte.gov.br/seg_sau/pub_cne_manual_nr17.pdf

Carneiro, APG. Landin, MC. Análise Microbiológica De Equipamentos Para controle Higiênico-Sanitário E Como Suporte Para Capacitação Em Serviço. Oikos: Revista Brasileira de Economia Doméstica, Viçosa, v. 24, n.1, p. 031-052, 2013 Disponível em:

Melo, V. L. Gomes, F.B. SÁ. S. P. C. Implicações dos equipamentos de proteção individual na psicodinâmica do trabalho. Rev enferm UFPE on line. Recife, 8(6):1617-27, jun., 2014.

Sousa, SS. de. Alimentos Seguros: Orientações técnicas. São Paulo, Prefeitura do Município de São Paulo. Secretaria Municipal da Saúde. Coordenação de Vigilância em Saúde, Gerência de Comunicação e Educação, 2004. 40 p. II. Disponível em: .


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Revista da Associação Brasileira de Nutrição - RASBRAN