Frequência da Síndrome Metabólica em idosos cadastrados no Programa Saúde do Idoso de uma Unidade Municipal de Saúde de Belém-Pa

Pamella Cristina Magalhães dos Santos, Ana Lorena Lima Ferreira, Rejane Maria Sales Cavalcante Mori

Resumo


Objetivo: Estimar a frequência da Síndrome Metabólica e de seus componentes em idosos cadastrados no Programa Saúde do Idoso de uma Unidade Municipal de Saúde de Belém-Pa. Métodos: Estudo transversal com abordagem quantitativa realizado em uma amostra de conveniência de 61 idosos, no período de 12 a 28 de agosto de 2015. Foram coletados dados sócio-econômico-demográficos, antropométricos, bioquímicos e hemodinâmicos. A Síndrome Metabólica foi diagnosticada aplicando-se os critérios do National Cholesterol Education Program – Adult Treatment Panel III (2001). Resultados: Encontrou-se elevada frequência da Síndrome Metabólica nos idosos estudados (50,8%), sem diferença entre os sexos (p = 0,5300). Assim como em todos os seus componentes, sendo a pressão arterial o que apresentou maior frequência (63,9%), seguido da circunferência da cintura aumentada (62,3%), do HDL-C baixo (55,7%), da glicemia de jejum elevada (52,5%) e dos triglicerídeos elevados (47,5%). Conclusão: A frequência da Síndrome Metabólica e de seus componentes nesta amostra foi elevada, evidenciando a necessidade de atuação sistemática dos profissionais de saúde no controle dos fatores de risco, na busca de reduzir o risco cardiovascular, por meio de estratégias de prevenção e intervenção, pois essas são efetivas para diminuir a frequência desse agravo e o seu impacto na saúde dos idosos.

Palavras-chave


Síndrome x metabólica; Frequência; Idoso; Metabolic syndrome x; Frequency; Aged; SÍNDROME METABÓLICA; IDOSOS

Texto completo:

PDF

Referências


Pinho PM, Machado LMM, Torres RS, Carmin SEM, Mendes WAA, Silva ACM et al. Síndrome metabólica e sua relação com escores de risco cardiovascular em adultos com doenças crônicas não transmissíveis. Rev Soc Bras Clín Méd. 2014;12(1):22-30.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Anuário Estatístico – 2000. Rio de Janeiro, 2000.

Ministério da Saúde Brasil. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Envelhecimento saúde da pessoa idosa. Brasília: Ministério da Saúde, 2007.

Jacondino CB. Adesão ao tratamento medicamentoso e não medicamentoso em idosos portadores de síndrome metabólica acompanhados na estratégia saúde da família. 2013. Dissertação (Mestrado em Gerontologia Biomédica) – Instituto de Geriatria e Gerontologia, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. 2013.

Ferreira CCC, Peixoto MRG, Barbosa MA, Silveira EA. Prevalência de fatores de risco cardiovascular em idosos usuários do sistema único de saúde de Goiânia. Arq Bras Card. 2010. 95(5)621-628.

Vieira ED, Peixoto MRG, Silveira EA. Prevalência e fatores associados à síndrome metabólica em idosos usuários do sistema único de saúde. Rev Bras Epid. 2014. 17(4):805-817.

Mendes WAA, Carmin SEM, Pinho PM, Silva ACMS, Machado LMM, Araújo MS. Relação de variáveis antropométricas com os perfis pressórico e lipídico em adultos portadores de doenças crônicas não transmissíveis. Rev Bras Cardiol. 2012;25(3):200-209.

Mottillo S, Filion KB, Genest J, Joseph L, Pilote L, Poirier P, et al. The metabolic syndrome and cardiovascular risk: a systematic review and meta-analysis. J Am Coll Cardiol. 2010;56(14):1113-32.

Sociedade Brasileira de Hipertensão, Sociedade Brasileira de Cardiologia, Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, Sociedade Brasileira de Diabetes, Associação Brasileira para Estudos da Obesidade. I Diretriz Brasileira de Diagnóstico e Tratamento da Síndrome Metabólica. Arq Bras Cardiol 2005; 84(1 Suppl 1): 1-28.

Jellife DB. Evaluacion del estado de nutrición de la comunidade com especial referencia a las encuestas en las regiones in desarrollo.Ginebra: OMS; 1968.

Organização Pan-Americana (OPAS).XXXVI Reunión del Comitê Asesor de Investigaciones en Salud – Encuestra Multicêntrica – Salud Beinestar y vejecimeiento (SABE) en América Latina e el Caribe – Informe preliminar. 2002.

American Heart Association. Executive Summary of Third report of the National Cholesterol Education Program expert panel on detection, evaluation, and treatment of high blood cholesterol in adults - Adult Treatment Panel III (NCEP-ATP III). Final Report. Journal of the American Medical Association. 2001; 285: 2486-2497.

Ayres M. Ayres JRM. Ayres DL. Santos AAS. BioEstat 5.3: Aplicações estatísticas nas áreas das ciências biológicas e médicas. 5. ed. Belém-PA: Publicações Avulsas do Mamirauá, 2007. 361 p.

Salaroli LB, Barbosa GC, José G, Molina MCB. Prevalência de síndrome metabólica em um estudo de base populacional de Vitória ES- Brasil. Arq Bras Endocrinol Metabo. 2007; 51(7): 1143-1152.

Carnethon MR, Loria CM, Hill JO, Sidney S, Savage PJ, Liu K. Risk factors for the metabolic syndrome: the coronary artery risk development in young adults (CARDIA) study, 1985-2001. Diabetes Care 2004; 27:2707-15.

Ford ES, Giles WH, Dietz WH. Prevalence of the metabolic syndrome among US adults: findings from the third National Health and Nutrition Examination Survey. JAMA. 2002;287(3):356-9.

Saad MAN, Gilberto PC, Wolney AM, Luis GCV, Rubens ACF. Prevalência de síndrome metabólica em idosos em concordância entre quatro critérios diagnósticos. Arq Bras Cardiol. 2013.

Lopes HF. Síndrome metabólica: aspectos históricos, prevalência, morbidade e mortalidade. Rev da Soc Cardiol do Estado de São Paulo. 2004;14(4)150-172.

Rigo JC, Vieira JL, Dalacorte RR, Reichert CL. Prevalência de síndrome metabólica em idosos de uma comunidade: comparação entre três métodos diagnósticos. Arq Bras Cardiol. 2009;93(2):85-91.

Sociedade Brasileira de Cardiologia / Sociedade Brasileira de Hipertensão / Sociedade Brasileira de Nefrologia. VI Diretrizes Brasileiras de Hipertensão. Arq Bras Cardiol 2010; 95(1 supl.1): 1-51.

Marchi-Alves LM, Rigotti AR, Nogueira MS, Cesarino CB, Godoy S. Componentes da síndrome metabólica na hipertensão arterial. Rev Esc Enferm USP. 2012; 46(6):1348-53.

Vanhoni LR, Xavier AJ, Piazza HE. Avaliação dos critérios de síndrome metabólica nos pacientes atendidos em ambulatório de ensino médico em Santa Catarina*. Rev Bras Clin Med. São Paulo, 2012 mar-abr;10(2):100-5.

Mendes KG. Theodoro H. Rodrigues AD. Olinto MTA. Prevalência de síndrome metabólica e seus componentes na transição menopáusica: uma revisão sistemática. Cad. Saúde Pública. 2012; 28(8):1423-1437.

Bosy-westphal A. et al. The age-related decline in resting energy expenditure in humans is due to the loss of fat-free mass and to alterations in its metabolically active components. Journal of Nutrition, Philadelphia, v. 133, n. 7, p. 2356-2362, jul. 2003.

Eckel RH. Grundy SM. Zimmet PZ. The metabolic syndrome. 2005. 9468(365):1415-1428.

Oar AMA. Rosado LEFPL. Relações entre parâmetros antropométricos, de composição corporal, bioquímicos e clínicos em indivíduos com síndrome metabólica. Nutrire: rev. Soc. Bras. Alim. Nutr. 2010; 35(2):117-129.

Teixeira CGO. Venâncio PEM. Pontieri FM. Gomes AF. Silva FM. Perfil dos componentes da síndrome metabólica em pré-adolescentes com obesidade abdominal. Ver Educ Física 2010; 4; 667-675.

Sociedade Brasileira de Diabetes. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes 2014-2015. São Paulo: AC Farmacêutica; 2015.

Teixeira CGO. Venâncio PEM. Pontieri FM. Gomes AF. Silva FM. Perfil dos componentes da síndrome metabólica em pré-adolescentes com obesidade abdominal. Ver Educ Física 2010; 4; 667-675.

Instituto Brasileiro de Geografi a e Estatística. Pesquisa de Orçamentos Familiares, 2008-2009: análise do consumo alimentar pessoal no Brasil. Rio de Janeiro; 2011

Whorld Health Organization. Technical Report Series 916. Diet, nutrition and prevention of chronic diseases. Genebra: WHO, 2003.

Grundy SM. Metabolic Syndrome: Controversy in clinical endocrinology. Metabolic syndrome: a multiplex cardiovascular risk factor. J Clin Endo and Metabolic. 2007: 92: 399-404.

Silva SO. Galindo LJS. Prevalência da síndrome metabólica em pacientes cadastrados no programa de hipertensão e diabetes - hiperdia, das unidades de saúde da família da zona urbana, do município de arcoverde-pe 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Revista da Associação Brasileira de Nutrição - RASBRAN