Metas alimentares versus dieta: qual oferece melhores resultados em pacientes com excesso de peso?

Simone Bernardes, Mônica Cristina Demenech

Resumo


Objetivos: Comparar a efetividade do uso de metas alimentares e da dieta na perda de peso em pacientes com excesso de peso, no contexto ambulatorial. Método: Estudo retrospectivo, comparativo, descritivo e quantitativo, com base nos prontuários nutricionais dos pacientes atendidos na Clínica-Escola de uma Instituição de Ensino Superior do Vale do Rio do Sinos (RS) no ano de 2014. Foram avaliados dados sociodemográficos, clínicos, antropométricos, a redução de impacto no peso corporal, tempo e periodicidade de acompanhamento, divididos em dois grupos: Metas e Dieta. Foram considerados significativos os valores de perda ponderal de de ≥ 5% em relação ao peso inicial. O nível de significância adotado foi de 5% (p≤0,05) e as análises foram realizadas no programa SPSS versão 21.0. Resultados: Foram analisados 69 prontuários nutricionais de adultos e idosos, com média de idade de 46,9 ± 13,6. Observou-se predomínio do gênero feminino (88,4%). Não houve associação significativa entre o número de comorbidades, idade, sexo, nível de escolaridade, periodicidade e número de consultas com a perda de peso e Índice de Massa Corporal em ambos os grupos (p>0,10). Não foi encontrada associação significativa para a perda de peso e o tipo de intervenção nutricional: Meta ou Dieta [-1,90 kg ± 2,83 e 1,70 ± 3,20 kg, respectivamente (p= 0,744)]. Houve correlação positiva entre o tempo de acompanhamento nutricional no grupo Dieta e o reganho de peso (r=0,296; p=0,048). No grupo Metas esta associação não foi significativa (r=0,241; p=0,257). Conclusão: As duas intervenções resultaram em perda ponderal, embora não clinicamente significativa. Em relação à manutenção do peso corporal perdido, as metas alimentares apresentaram-se mais efetivas. Acredita-se que para a conservação da perda de peso são necessárias mudanças de comportamento que são a principal forma de adquirir hábitos saudáveis e melhorar a qualidade de vida.

Palavras-chave


Peso corporal, dietoterapia, comportamento alimentar; PERDA DE PESO; DIETA REDUTORA; PESO CORPORAL

Texto completo:

PDF

Referências


Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009: Antropometria e estado nutricional de crianças, adolescentes e adultos no Brasil. 2010. [Acesso: 12 ago. 2015]. Disponível em: www.ibge.gov.br

Brasil. Vigitel Brasil 2014: Vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Brasília: Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa; 2014.

Diretrizes Brasileiras de Obesidade. 3ª ed. Itapevi, SP: AC Farmacêutica, 2009. [acesso: 15 ago. 2015]. Disponível em: www.abeso.org.br.

Almeida JC, Rodrigues TDC, Silva FM, Azevedo MJD. Revisão sistemática de dietas de emagrecimento: papel dos componentes dietéticos. Arq. Bras. de Endoc. & Metabol. 2009; 53(5), 673-687.

Santos ZMSA, Frota MA, Cruz DM, Holanda SDO. Adesão do cliente hipertenso ao tratamento: análise com abordagem interdisciplinar. Texto & Contexto Enfermagem. 2005; 14(3); 332-340.

Inelmen EM, Toffanello ED, Enzi G, Gasparini G, Mioto F, Sergi G, Busetto L. Predictors of drop-out in overweight and obese outpatients. International Journal of Obesity. 2005; 29(1):122-28.

Lerman I. Adherence to treatment: the key for avoiding long-term complications of diabetes. Archives of Medical Research. 2005; 36(3); 300-306.

Cuppari L. GUIA de nutrição: clínica no adulto. 3. ed. Barueri, SP: Manole, 2014.

Callejon KS, Paternez, ACAC. Adesão ao tratamento nutricional por pacientes atendidos na clínica de nutrição docente-assistencial da Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS). Revista Brasileira de Ciências da Saúde. 2008.

Figueiras MJ. Intervenções para promover a actividade física e as alterações dos regimes alimentares para reduzir os factores de risco cardiovascular em adultos. Revista Factores de Risco. 2011; 22: 88-91.

WHO. World Health Organization. Joint report of expert consultation. Diet, nutrition and the prevention of chronic diseases. Geneva, 2003.

Nonas CA, Foster GD. Setting achievable goals for weight loss. Journal of the American Dietetic Association, 2005; 105(5), 118-123.

Guimarães NG, Dutra ES, Isto MK, Carvalho KMB. Adesão a um programa de aconselhamento nutricional para adultos com excesso de peso e comorbidades. Rev. Nutr. 2010; 23(3): 323-33.

Cunningham, E. How can I support my clients in setting realistic weight loss goals?. Journal of the Academy of Nutrition and Dietetics, 2014; 114(1), 176.

Reiners AAO, Azevedo RCDS, Vieira, MA, Arruda, ALGD. Produção bibliográfica sobre adesão/não-adesão de pessoas ao tratamento de saúde. Ciênc saúde coletiva, 2009; 13(Supl 2), 2299-306.

Wadden TA, Volger S, Sarwer DB, Vetter ML, Tsai AG, Berkowitz RI, Chittams J. A two-year randomized trial of obesity treatment in primary care practice. New England Journal of Medicine, 2011; 365(21): 1969-1979.

Nothwehr F, Yang J. Goal setting frequency and the use of behavioral strategies related to diet and physical activity. Health Education Research, 2007; 22(4), 532-538.

Rodrigues EM, Soares FPTP, Boog MCF. Resgate do conceito de aconselhamento no contexto do atendimento nutricional. Rev. Nutr. 2005; 18(1): 119-128.

Spahn JM, Reeves RS, Keim KS, Laquarta I, Kellogg M, Jortberg B, Clark NA. State of the evidence regarding behavior change theories and strategies in nutrition counseling to facilitate health and food behavior change. Journal of the American Dietetic Association. 2010; 110(6): 879-891.

Foster GD, Makris AP, Bailer BA. Behavioral treatment of obesity. The American journal of clinical nutrition, 2005; 82(1), 230S-235S.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Revista da Associação Brasileira de Nutrição - RASBRAN