Prevalência de hipertensão arterial e avaliação da ingestão de sódio em uma unidade de alimentação e nutrição

  • Jamille Mendonça Reinaldo Universidade Federal de Sergipe
  • Ayane de Sá Resende Universidade de São Paulo
  • Mônica de Souza Lima Sant Anna Universidade Federal do Rio de Janeiro - Campus Macaé
Palavras-chave: Sódio, Hipertensão, Trabalhadores, HIPERTENSÃO, SÓDIO/efeitos adversos, SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO, HOMENS, TRABALHADORES, ESTADO NUTRICIONAL

Resumo

O estudo objetivou quantificar a prevalência de hipertensão arterial e avaliar a ingestão de sódio em uma unidade de alimentação e nutrição (UAN) de Sergipe. A avaliação da prevalência de hipertensão deu-se por questionário auto avaliativo contendo questões sobre hipertensão arterial e histórico familiar para a doença, peso e estatura. Para caracterização do estado nutricional foi calculado o índice de massa corporal. Para avaliação da ingestão de sódio monitorou-se, durante 5 dias, no período do almoço, o sal utilizado na elaboração das preparações, o sal dos saleiros e o sódio intrínseco dos alimentos. Esses três valores foram somados e divididos pela quantidade média de funcionários que almoçaram na UAN durante os dias de avaliação. Descontou-se o sal das preparações do resto e sobras para não superestimar a ingestão de sódio real. A maioria da população estudada constituiu-se de homens adultos e com excesso de peso. A prevalência de hipertensão foi de 12,1%, sendo que destes 90,4% apresentaram sobrepeso. A ingestão média foi de 2311mg de sódio, superando as recomendações do Programa de Alimentação do Trabalhador e da Organização Mundial de Saúde, sendo que os pratos proteicos foram os que mais influenciaram nesta ingestão elevada. Há uma inadequação do ponto de vista nutricional e essa população deve ser alvo de estratégias com foco na promoção da saúde, principalmente, devido ao seu ritmo de trabalho intenso.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ayane de Sá Resende, Universidade de São Paulo
Escola de Educação Física e Esporte
Mônica de Souza Lima Sant Anna, Universidade Federal do Rio de Janeiro - Campus Macaé
Departamento de Nutrição

Referências

Savio KEO, Costa THM, Miazaki E, Schmitz BAS. Avaliação do almoço servido a participantes do programa de alimentação do trabalhador. Rev Saude Publica. 2005;39(2):148-55.

World Health Organization. Diet, nutrition and the prevention of chronic diseases. Report of a Joint WHO/FAO Expert Consultation. Geneva; 2003.

Brasil. Portaria Interministerial nº 66, de 25 de agosto de 2006. Altera os parâmetros nutricionais do Programa de Alimentação do Trabalhador – PAT. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 28 ago. 2006.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa de orçamentos familiares, 2008-2009: análise do consumo alimentar pessoal no Brasil. Rio de Janeiro; 2011.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa de Orçamentos Familiares, 2002-2003: Aquisição alimentar domiciliar per capita. Rio de Janeiro; 2004.

Nakasato M. Sal e Hipertensão. Rev Bras Hipertens. 2004; 11(1): 95-7.

Ministério da Saúde. Plano de reorganização da atenção à hipertensão arterial e ao diabetes mellitus: Manual de Hipertensão arterial e Diabetes mellitus. Brasília: Ministério da Saúde; 2002.

Cesarino CB, Cipullo JP, Martin JFV, Ciorlia LA, Godoy MRP, Cordeiro JA, et al. Prevalência e fatores sociodemográficos em hipertensos de São José do Rio Preto. Arq Bras Cardiol. 2008; 91(1): 31–5.

Costa JSD, Barcellos FC, Sclowitz ML, Sclowitz IKT, Castanheira M, Olinto MTA, et al. Prevalência de hipertensão arterial em adultos e fatores associados: um estudo de base populacional urbana em Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil. Arq Bras Cardiol. 2007; 88(1): 59-65.

Rosário TM, Scala LCNS, França GVA, Pereira MRG, Jardim PCBV. Prevalência, controle e tratamento da hipertensão arterial sistêmica em Nobres, MT. Arq Bras Cardiol. 2009; 93(6): 672–8.

Sociedade Brasileira de Hipertensão. V Diretrizes Brasileiras de Hipertensão. Arq Bras Cardiol. 2007; 89: 24-79.

Ochsenhofer K, Espíndola RM. Avaliação do perfil nutricional e de fatores de risco para doenças crônico-degenerativas em adultos funcionários de uma empresa de São Bernardo do Campo. Revista O Mundo da Saúde. 2005; 29(2): 176-85.

Spinelli MGN, Koga TT. Salt intake evaluation in a food service. Nutrire: Rev Soc Bras Alim Nutr = J Brazilian Soc Food Nutr. 2007; 32(2): 15-27.

Salas CKTS, Spinelli MGN, Kawashima LM, Ueda AM. Teores de sódio e lipídios em refeições almoço consumidas por trabalhadores de uma empresa do município de Suzano, SP. Rev. Nutr. 2009; 22(3):331-9.

Capalonga R, Toniolo L, Soltys AA, Oliveira ABA. Avaliação da quantidade de sal oferecida no almoço dos funcionários de um Hospital Público de Porto Alegre. Revista HCPA.2010; 30(3):204-20.

Augusto ALP, Alves DC, Mannarino IC, Gerude M. Terapia nutricional. São Paulo: Atheneu; 1999.

Lichtenstein AH, Appel LJ, Brands M, Carnethon M, Daniels S, Franch HA, et al. Diet and lifestyle recommendations revision 2006: a scientific statement from the American Heart Association Nutrition Committee. Circulation. 2006; 114(1): 82-96.

Chor D. Hipertensão Arterial entre Funcionários de Banco Estatal no Rio de

Janeiro: hábitos de vida e tratamento. Arq Bras Cardiol. 1998; 71: 653-60.

Faerstein E, Chor D, Lopes CS. Confiabilidade da História Referida de Diagnóstico e Tratamento de Hipertensão Arterial. Diferenciais Segundo Gênero, Idade e Escolaridade. O Estudo Pró-Saúde. Arq Bras Cardiol. 2001; 76 (4), 297-300.

Lima-Costa MF, Peixoto SV, Firmo JOA. Validade da hipertensão auto- referida e seus determinantes (Projeto Bambuí). Rev Saúde Publica. 2004; 38:637-42.

Chrestani MAD, Santos IS, Matijasevich AM. Hipertensão arterial sistêmica auto-referida: validação diagnóstica em estudo de base populacional. Cad Saúde Pública. 2009; 25:2395-406.

Moreira JPL, Moraes JR, Luiz RR. Prevalence of self-reported systemic arterial hypertension in urban and rural environments in Brazil: a population-based study. Cad. Saúde Pública. 2013; 29(1):62-72.

Castro RSA, Giatti L, Barreto SM. Fatores associados à adição de sal à refeição pronta. Ciência & Saúde Coletiva. 2014; 19 (5): 1503-12.

World Health Organization. Obesity: preventing and managing the global epidemic. Report of a WHO consultation on obesity. Geneva: World Health Organization; 1998.

Tabela Brasileira de Composição de Alimentos – TACO. Versão 2 – 2° edição. Campinas, SP: NEPA-UNICAMP; 2006.

Mahan LR, Scott-Stump S. Krause: alimentos, nutrição & dietoterapia. São Paulo: Roca; 2002.

World Health Organization. Reducing salt intake in populations: report of a WHO Forum and Technical Meeting. Paris: World Health Organization; 2006.

Molina MCB, Cunha RS, Herkenhoff LF, Mill JG. Hipertensão arterial e consumo de sal em população urbana. Rev Saude Publica 2003; 37(6):743-50.

Park S, Lee J, Kwon K-I, Buyn J-E, Kang B-W, Choi BY, et al. Early adulthood: an overlooked age group in national sodium reduction initiatives in South Korea. Nutr Res Pract. 2014; 8(6):719-23.

Brown IJ, Tzoulaki I, Candeias V, Elliott P. Salt intake around the world: implications for public health. Int J Epidemiol 2009; 38(3): 791-813.

Legetic B, Campbell N. Reducing salt intake in the Americas: Pan American Health Organization actions. J Health Commun 2011; 16(Supl. 2):37-48.

Sanchez-Castillo CP, Warrender S, Whitehead TP, James WP. An assessment of the sources of dietary salt in a British population. Clin Sci (Lond) 1987; 72(1): 95-102.

Carneiro NS, Moura CMA, Souza SCC. Avaliação do almoço de uma UAN segundo o PAT. Alim. Nutr. = Braz. J. Food Nutr. 2013; 24(3): 361-5.

Spinelli MGN, Kawashima LM, Egashira EM. Análise de sódio em preparações habitualmente consumidas em restaurantes self service. Alim. Nutr. = Braz. J. Food Nutr. 2011; 22 (1): 55-61.

Publicado
2017-07-30
Como Citar
Reinaldo, J. M., Resende, A. de S., & Sant Anna, M. de S. L. (2017). Prevalência de hipertensão arterial e avaliação da ingestão de sódio em uma unidade de alimentação e nutrição. Revista Da Associação Brasileira De Nutrição - RASBRAN, 8(1), 58-63. Recuperado de https://rasbran.com.br/rasbran/article/view/524
Seção
Artigos Originais