Práticas alimentares de crianças de 0 a 24 meses de idade em uso de fórmulas infantis

Isabela Rezende Ferreira, Stephanie Ramirez Iahnn, Adolfo Henrique Costa dos Santos, Renata Fernandes Hellmann, Kátia Gianlupi, Lorraine Aparecida Pinto, Fábio Juliano Negrão, Macksuelle Regina Angst Guedes, Fabíola Lacerda Pires Soares

Resumo


Objetivo: Avaliar as práticas alimentares de crianças de 0 a 24 meses de idade em uso de fórmulas infantis. Métodos: O estudo foi transversal, com crianças atendidas na puericultura de unidades básicas de saúde. Foram coletados dados sociodemográficos, antropométricos, alimentares, o modo de preparo das fórmulas infantis e o motivo do não aleitamento materno. Resultados: Foram avaliadas 41 crianças, com idade média de 6,3±4,6 meses. A maioria apresentou o percentil de normalidade para peso/idade (82,9%) e estatura/idade (78%). Entre as crianças <6 meses, 78,9% (p<0,000) estiveram em aleitamento exclusivo por menos de um mês. Já em crianças ≥6 meses este marcador foi de 45,5%. O principal motivo relatado para a interrupção do aleitamento foi a ausência/insuficiência de leite (34,1%). Observou-se que as mães estavam preparando as fórmulas de forma inadequada, sendo que14,6% utilizavam fórmula infantil inapropriada para a idade da criança. A ingestão de nutrientes não estava em acordo com as recomendações. Conclusão: Tanto o uso das fórmulas infantis quanto a alimentação complementar estavam inadequados, o que refletiu no consumo de nutrientes fora das recomendações. Tais fatos poderão comprometer futuramente a saúde dessas crianças.


Palavras-chave


fórmula infantil; estado nutricional; crianças; FÓRMULAS INFANTIS; ESTADO NUTRICIONAL; LACTENTE; SUPLEMENTAÇÃO ALIMENTAR; ESTUDOS TRANSVERSAIS

Texto completo:

PDF

Referências


WHO, Exclusive breastfeeding. World Health Organization, 2012(16).

UNICEF, WHO, WBG. Joint child mal nutrition estimates - levels and trends. Key findings of the 2016 edition. UNICEF-WHO-The World Bank Group, 2016.

Cocetti M, Taddei JAAC, Konstantyner T, Konstantyner TCRO, Barros Filho AA. Prevalência e fatores associados ao excesso de peso em crianças brasileiras menores de 2 anos. J. Pediatr. 2012; 88(6).

Gillman MW. The first months of life: a critical period for development of obesity. Am J Clin Nutr. 2008; 87(6): 1587-9.

Harder T, Bergmann R, Kallischnigg G, Plagemann A. Duration of breastfeeding and risk of overweight: a meta-analysis. Am J Epidemiol. 2005; 162(5): 397-403.

WHO. Obesity and overweight. World Health Organization, 2012.(26 nov).

Brasil. Guia alimentar para crianças menores de 2 anos. 2 ed. Ministério da Saúde. 2005: Brasília.

Oliveira AMA, Cerqueira EMM, Souza JS, Oliveira AC. Sobrepeso e obesidade infantil: influência de fatores biológicos e ambientais em Feira de Santana, BA. Arq Bras Endocrinol Metab. 2003; 47(2).

Wenzel D, Souza SB. Prevalência do aleitamento materno no Brasil segundo condições socioeconômicas e demográficas. Rev bras crescimento desenvolv hum. 2011; 21(2).

Venancio SI, Escuder MM, Saldiva SR, Giugliani ER. Breastfeeding practice in the Brazilian capital cities and the Federal District: current status and advances. J Pediatr (Rio J). 2011; 86(4):317-24.

Bergmann KE, Bergmann RL, Von Kries R, Bohm O, Richter R, Dudenhausen JW, et al. Early determinants of childhood overweight and adiposity in a birth cohort study: role of breast-feeding. Int J Obes Relat Metab Disord. 2003; 27(2):162-72.

WHO. Complementary feeding: report of the global consultation, and summary of guiding principles for complementary feeding of the breastfed child. World Health Organization. 2001:1-25.

IFC. In response to the Resolution on Infant and Young Child Nutrition adopted by the 58th World Health Assembly. International Formula Council, 2005.

Caetano MC, Ortiz TT, Silva SG, Souza FI, Sarni RO. Complementary feeding: inappropriate practices in infants. J Pediatr (Rio J). 2010; 86(3):196-201.

Brasil. Orientações para a coleta e análise de dados antropométricos em serviços de saúde: Norma Técnica do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional - SISVAN. Ministério da Saúde. 2011. p. 76.

WHO. WHO child growth standards: Length/height-for-age, weight-for-age, weight-for-length, weight-for-height and body mass index-for-age. World Health Organization, 2006.

Brasil. Atenção à saúde do recém-nascido: guia para os profissionais de saúde, in Ministério da saúde. 2011: Brasília.

Babson SG, Benda GI. Growth graphs for the clinical assessment of infants of varying gestational age. J Pediatr. 1976. 89(5):814-20.

Battaglia FC, Lubchenco, LO. A practical classification os newborn infants by weight and gestacional age. J Pediatr. 1967; 71:159.

Padovani RM, Amaya-Farfan J, Colugnati FAB, Domene SMA. Dietary reference intakes: aplicabilidade das tabelas em estudos nutricionais. Rev Nutr. 2006; 19(6).

Bernardi JR, Gama CM, Vitolo MR. Impacto de um programa de atualização em alimentação infantil em unidades de saúde na prática do aleitamento materno e na ocorrência de morbidade. Cad Saúde Pública. 2011; 27(6).

Simon VGN, Souza JMP, Souza SB. Aleitamento materno, alimentação complementar, sobrepeso e obesidade em pré-escolares. Rev Saúde Pública. 2009; 43(1).

SBP. Manual de orientação: alimentação do lactente, alimentação do pré-escolar, alimentação do escolar, alimentação do adolescente, alimentação na escola. Sociedade Brasileira de Pediatria, 2006.

Silva LMP, Venâncio SI, Marchioni DML. Práticas de alimentação complementar no primeiro ano de vida e fatores associados. Rev Nutr. 2010; 23(6).

ANVISA. Menores de um ano devem evitar o consumo de mel. 2008, [homepage on the Internet].

Zanon R, Modenez SB, Cardozo ECF, Mendes RCD. Obesidade infantil relacionado ao tempo de aleitamento materno exclusivo em menores de dois anos dos centros de educação infantil municipal. Nutrire: Rev Soc Bras Alim Nutr. 2013.

Souza NKT, Medeiros MP, Silva MA, Cavalcanti SB, Dias RS, Valente FA. Aspectos envolvidos na interrupção do aleitamento materno exclusivo. Comun ciênc saúde. 2012; 22(3):231-238.

Yajnik CS, Deshmukh US. Maternal nutrition, intrauterine programming and consequential risks in the offspring. Rev Endocr Metab Disord. 2008; 9(3):203-11.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Revista da Associação Brasileira de Nutrição - RASBRAN