Dialogando sobre alimentação e nutrição na saúde mental: Ações promotoras de saúde por meio de oficinas de horticultura

Ana Carolina Einsfeld Mattos, Luciana da Silva Rocha, Lovaine Rodrigues

Resumo


Introdução: O acesso à alimentação adequada e saudável é um direito humano inalienável e promover diálogos sobre alimentação nos serviços de saúde deve ser atribuição de todos os profissionais, em especial do nutricionista, entendendo a alimentação como parte do cuidado integral em saúde. A saúde mental abrange o cuidado aos indivíduos de forma ampliada, num modelo interdisciplinar e humanizado, logo, incluir o tema da alimentação e nutrição pode contribuir para a recuperação e reinserção do indivíduo na sociedade. Oficinas de horticultura são bons recursos de tratamento e aproximação da nutrição em espaços de saúde. Objetivo:Relatar a experiência de oficinas de horticultura como ferramenta de cuidado em um Centro de Atenção Psicossocial Álcool e outras Drogas (CAPS AD). Método: Trata-se de um relato de experiência de nutricionistas da Residência Integrada Multiprofissional em Saúde Mental, de São Leopoldo, RS, durante o período de 2016 a 2018. Resultados: Observou-se que as ações tiveram impacto positivo no espaço físico, melhora na interação, socialização, responsabilidade, protagonismo e autonomia dos usuários, além da produção de vínculo entre eles e deles com os profissionais. Além disso, as atividades permitiram diálogos sobre segurança alimentar e nutricional e acesso à alimentação adequada e saudável.  As oficinas viabilizaram ainda  atividades de educação alimentar e nutricional e educação ambiental, assim como ações de resgate da cidadania e da cultura alimentar. Conclusão: As oficinas de horticultura promoveram o cuidado aos usuários e possibilitaram o envolvimento dos profissionais com a temática da alimentação e nutrição no CAPS AD. A horticultura é uma ferramenta com potencial para ampliação do cuidado e pode ser um ponto de partida para diálogos sobre alimentação e nutrição em saúde mental.

Palavras-chave


Alimentação Saudável;Saúde Mental;Horta Terapêutica

Texto completo:

PDF

Referências


Borges CF, Baptista TWF. O modelo assistencial em saúde mental no Brasil: a trajetória da construção política de 1990 a 2004. Cad Saúde Pública, Rio de Janeiro;2008; 24(2):456-468. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/csp/v24n2/24.pdf

Brasil. Ministério da Saúde Lei n. 10.216/2001. Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. Brasília; 2001. Disponível em http://www.planalto.gov.br/cciVil_03/LEIS/LEIS_2001/L10216.htm

Merhy EE, Feuerwerker LCM. Novo olhar sobre as tecnologias de saúde: uma necessidade contemporânea. In: Mandarino ACS, Gomberg E (Org.). Leituras de novas tecnologias em saúde. São Cristóvão: Editora UFS; 2009. p. 29-74.

Junior ET. Práticas integrativas e complementares em saúde, uma nova eficácia para o SUS. Estudos avançados; 2016; 30(86):99-112. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/ea/v30n86/0103-4014-ea-30-86-00099.pdf

Pagassini JAV, Vargas PF, Alves AS, Barduco AC, Pedroso CP, Neves FCC. Horta terapêutica na reabilitação psicossocial dos pacientes do CAPS. Registro. 8º Congresso de Extensão Universitária da UNESP; 2015. Disponível em https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/142046/ISSN2176-9761-2015-01-06-pagassini.pdf?sequence=1&isAllowed=y

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Promoção à Saúde. 3ª Ed. Brasília: MS; 2010. Disponível em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_promocao_saude_3ed.pdf

Costa CGA, Garcia MT, Ribeiro SM, Salandini MFS, Bógus CM. Hortas comunitárias como atividade promotora de saúde: uma experiência em Unidades Básicas de Saúde. Ciência & Saúde Coletiva;2015; 20(10):3099-110. Disponível emhttp://www.scielo.br/pdf/csc/v20n10/1413-8123-csc-20-10-3099.pdf

Souza TS, Miranda MBS. Horticultura como tecnologia de saúde mental. Revista Psicologia, Diversidade e Saúde;2017; Novembro6(4):310-23. Disponível em https://www5.bahiana.edu.br/index.php/psicologia/article/view/1662/1064

Brasil. Ministério da Saúde Portaria n. 710/1999. Política Nacional de Alimentação e Nutrição. Brasília; 2003. Disponível em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_alimentacao_nutricao.pdf

Organización Mundialde la Salud. 57ª. Asamblea Mundial de la Salud. Estrategia mundial sobre régimen alimentario, actividad física y salud. Ginebra: Organización Mundial de la Salud; 2004.Disponível em http://apps.who.int/gb/ebwha/pdf_files/WHA57/A57_REC1-sp.pdf

Afonso MLM. Oficinas em dinâmica de grupo: um método de intervenção psicossocial. 1ª edição. São Paulo: Casa do Psicólogo; 2006.

Freire, P. Pedagogia da autonomia. São Paulo (SP): Cortez; 1996.

De Marco MA. Do Modelo Biomédico ao Modelo Biopsicossocial: Um projeto de educação permanente. Rio de Janeiro. Revista Brasileira de Educação Médica; 2006; 3(1):61-72. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/rbem/v30n1/v30n1a10.pdf

De Marco MA. A Face Humana da Medicina do Modelo Biopsicossocial. São Paulo (SP): Editora Casa do Psicólogo; 2003.

Ceccim RB. Equipe de Saúde: a Perspectiva Entre-Disciplinar na Produção dos Atos Terapêuticos. In: Pinheiro R, Mattos RA. Cuidado: as fronteiras da integralidade. Rio de Janeiro: Hucitec Editora; 2004.

Lancetti A. Clínica Peripatética. 10 ed. São Paulo (SP): Hucitec Editora; 2016.

Lima AIO, Severo AK, Andrade NL, Soares GP, Silva LM. O desafio da construção do cuidado integral em saúde mental no âmbito da Atenção Primária. Temas em Psicologia; 2013; 21(1):71-82.Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/pdf/tp/v21n1/v21n1a05.pdf

Brasil. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Marco de referência de educação alimentar e nutricional para as políticas públicas. – Brasília, DF: MDS; Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional; 2012. Disponível em https://www.nestle.com.br/nestlenutrisaude/Conteudo/diretriz/Marco_Referencia_de_Educacao_Nutricional_Alimentar.pdf

Costa APM. População em situação de rua: Contextualização e caracterização. Revista Virtual Textos & Contextos; 2005; 4(1):1-15.Disponível em http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/fass/article/view/993/773

Valente FLS. Fome, desnutrição e cidadania: inclusão social e direitos humanos. Saúde e Sociedade; 2003; 12(1):51-60. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/sausoc/v12n1/08.pdf

Boog MCF. Atuação do nutricionista em saúde pública na promoção da alimentação saudável. Revista Ciência & Saúde, Porto Alegre; 2008; 1(1):33-42. Disponível em http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faenfi/article/viewFile/3860/2932.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista da Associação Brasileira de Nutrição - RASBRAN