Formação de Agentes Comunitários de Saúde para promoção da alimentação adequada e saudável em Macaé, RJ.

Priscila Vieira Pontes, Amabela de Avelar Cordeiro

Resumo


Objetivo: Relatar a experiência de um projeto de extensão na formação de Agentes Comunitários de Saúde (ACS) de Macaé, RJ, como promotores da alimentação saudável. Método: O Curso sobre promoção da alimentação saudável através da leitura e compreensão dos rótulos de alimentos, foi conduzido por docentes e graduandas do Curso de Nutrição da UFRJ-Campus Macaé entre novembro de 2010 e setembro de 2011, e teve duração total de doze horas, distribuídas em três encontros de quatro horas cada. Pautado na dialogicidade de Paulo Freire, os conteúdos programáticos do Curso foram trabalhados de forma respeitosa, considerando o conhecimento dos participantes e o aprendizado mútuo. Para melhor direcionar o Curso, os ACS responderam, no primeiro encontro, um questionário de conhecimento prévio sobre os rótulos de alimentos.  Seis meses após a conclusão do Curso, os ACS participaram de uma roda de conversa para avaliar as suas ações como promotores da alimentação saudável com os usuários das Estratégias de Saúde da Família (ESF). Resultados: Concluíram o Curso 62 ACS. Antes do Curso, os ACS demonstraram dificuldade para compreender as informações presentes nos rótulos. O Curso promoveu melhor entendimento sobre as informações dos rótulos, assim como sensibilizou os participantes para a importância de usar os rótulos para as escolhas alimentares. Conclusão: É necessário continuar investindo na formação dos ACS para que eles tenham mais segurança e protagonismo na atuação como promotores da alimentação saudável, adequada, consciente e sustentável nas suas comunidades.


Palavras-chave


alimentação saudável; agentes comunitários de saúde; promoção da saúde

Texto completo:

PDF

Referências


Martins APB, Levy RB, Claro RM, Moubarac JC, Monteiro CA. Participação crescente de produtos ultraprocessados na dieta brasileira (1987-2009). Rev Saúde Públ. 2013; 47(4): 656-65.

Brasil. Ministério da Saúde. Departamento de Atenção Básica. Guia alimentar para a população brasileira. 2. ed. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2014.

Monteiro CA, Levy RB, Claro RM, Castro IRR, Cannon G. A new classification of foods based on the extent and purpose of their processing. Cad Saúde Pública. 2010; 26(11): 2039-2049.

Monteiro CA, Levy RB, Claro RM, de Castro IRR, Cannon G. Increasing consumption of ultra-processed foods and likely impact on human health: evidence from Brazil. Public Health Nutr. 2011; 14: 5-13.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Alimentação e Nutrição. Brasília, 2013.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.446, de 11 de novembro de 2014. Redefine a Política Nacional de Promoção da Saúde. Diário Oficial da União 13 nov 2014; Seção 1.

Jomori MM, Proença RPC, Calvo MCM. Determinantes de escolha alimentar. Rev Nutr. 2008; 21(1): 63-73.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Brasil). Resolução RDC nº 360, 23 de dezembro de 2003. . Regulamento técnico sobre rotulagem nutricional de alimentos embalados, tornando obrigatória a rotulagem nutricional. Diário Oficial da União 2003.

Machado SS, Santos FO, Albinati FL, Santos LPR. Comportamento dos consumidores com relação à leitura de rótulos de produtos alimentícios. Alim Nutr. 2006; 17(1): 97- 103.

Louzada MLC, Martins APB, Canella DS, Baraldi LG, Levy RB, Claro RM, Moubarac JC, Cannon G, Monteiro CA. Alimentos Ultraprocessados e perfil nutricional da dieta no Brasil. Rev Saúde Pública. 2015; 49-38.

Campos S, Doxey J, Hammond D. Nutrition labels on pre-packaged foods: a systematic review. Public Health Nutr. 2011; 14(8): 1496-506.

Kang HT, Shim JY, Lee YJ, Linton JA, Park BJ, Lee HR. Reading nutrition labels is associated with a lower risk of metabolic syndrome in Korean adults: the 2007 e 2008 Korean NHANES. Nutr Metab Cardiovasc Dis. 2013; 23(9): 876-82.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n.2.488, de 21 de outubro de 2011. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da atenção básica, para a Estratégia Saúde da Família-ESF e o Programa de Agentes Comunitários de Saúde-PACS. Diário Oficial da União 21 out 2011.

Fracolli LA, Gomes MFP, Pinheiro DGM, Castro DFA. Avaliação das ações de promoção da saúde desenvolvidas pelos agentes comunitários de saúde. Mundo Saúde. 2013; 37(4): 411-18.

Vendruscolo C, Prado ML, Kleba ME. Teaching-Service integration within the National Professional Health Education Reorientation Program. Ciênc Saúde Coletiva. 2016; 21: 2949-60.

Universidade Federal do Rio Grande do Sul; Fórum de Pró-Reitores de Extensão das Instituições Públicas de Educação Superior Brasileiras. Política Nacional de Extensão Universitária. Porto Alegre, RS: UFRS; 2012. (Extensão Universitária, 7)

Souza AC, Cunha AP, Saccol AP, Stefanes C, Hermógenes MV, Lima LM, et al. A extensão universitária no processo de educação e saúde: um estudo de caso. Extensio: Rev. Eletrônica de Extensão. 2007; 4(5). Disponível em https://periodicos.ufsc.br/index.php/extensio/article/view/5727.

Biscarde DGS, Pereira-Santos M, Silva LB. Formação em saúde, extensão universitária e Sistema Único de Saúde (SUS): conexões necessárias entre conhecimento e intervenção centradas na realidade e repercussões no processo formativo. Interface (Botucatu). 2014; 18(48): 177-86.

Freire P. Pedagogia do oprimido. 46. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra; 2005.

Brasil. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional. Marco de referência de educação alimentar e nutricional para as políticas públicas. - Brasília, DF: O Ministério; 2012. 68 p.

Lindemann IL, Silva MT da, César JG, Mendoza-Sassi RA. Leitura de rótulos alimentares entre usuários da atenção básica e fatores associados. Cadernos Saúde Coletiva. 2016; 24: 478-86.

Marins BR, Jacob SC, Peres F. Avaliação qualitativa do hábito de leitura e entendimento: recepção das informações de produtos alimentícios. Ciênc Tecnol Aliment. 2008; 28(3): 579-585.

Rede de Alimentação e Nutrição do Sistema Único de Saúde. Idec apresenta novo modelo de rotulagem nutricional à ANVISA [internet] [Acesso em set 2017]. Disponível em: http://ecos-redenutri.bvs.br/tiki-read_article.php?articleId=2440.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista da Associação Brasileira de Nutrição - RASBRAN