Avaliação das condições ambientais do restaurante escola de uma universidade pública de Pelotas - RS

João Pedro Novo Leal, Catia Silva Silveira, Daniele Dos Anjos, Elizabete Helbig

Resumo


O estudo teve como objetivo avaliar e caracterizar aspectos inerentes às condições ambientais as quais estão expostos os colaboradores do restaurante escola (RE) da Universidade Federal de Pelotas – UFPel. O estudo foi realizado no restaurante escola Capão do Leão (RE-CL), XV de Novembro (RE-C1) e Andrade Neves (RE-C2), durante nove dias não consecutivos, três dias em cada RE. Analisou-se, a estrutura organizacional; riscos ambientais: conforto térmico e ruído com o uso respectivo dos seguintes instrumentos, termômetro globo e decibelímetro, sendo mensurado nas áreas de cocção, pré-preparo, triagem de grãos, higienização de frutas, sala da administração, estoque de material não perecível, estoque de material de limpeza, lavagem de utensílios, lavagem de pratos, vestiário e buffet. Verificou-se a infraestrutura física e de apoio ao desenvolvimento das atividades das seguintes variáveis: edificações e instalações, pisos e ralos, paredes e teto, portas e janelas, iluminação e instalações elétricas, equipamentos, utensílios e vestimentas, de acordo com uma lista de verificação. A estrutura organizacional está em consonância com os propósitos do RE. O nível de pressão sonora está em conformidade com a legislação, enquanto o conforto térmico mostrou-se aumentado em todas as áreas pesquisadas, exceto na sala das nutricionistas. A infraestrutura física e de apoio ao desenvolvimento das atividades nos RE-CL, RE-C1 e RE-C2, mostraram nível de conformidade total de respectivamente 89,96%; 69,56%; 91,30%. Conclui-se que de modo geral em sua maioria, às condições ambientais de trabalho são adequadas ao desenvolvimento das atividades laborais, embora, seja importante a adequação das fragilidades identificadas na infraestrutura como um todo.


Palavras-chave


condições de trabalho;Organização institucional; Riscos ambientais; Unidades de Alimentação e Nutrição

Texto completo:

PDF

Referências


Susin V, Pereira F, Gregoletto M, Cremonese C. Condições higiênico-sanitárias, estruturais e de funcionamento de unidades de alimentação e nutrição. Rev. Visa em Debate. 2017; 5(1):60-68.

Colares L, Freitas C. Processo de trabalho e saúde de trabalhadores de uma unidade de alimentação e nutrição: entre a prescrição e o real do trabalho. Cad. Saúde Pública. 2007; 23(12):3011-3020.

Albuquerque E, Seabra L, Rolim P, Gomes L. Riscos físicos em uma unidade de alimentação e nutrição: implicações na saúde do trabalhador. Rev. Assoc. Nutr. 2012; 4(5):40-47.

Teixeira S M F et al. Administração Aplicada às Unidades de Alimentação e Nutrição. São Paulo: Atheneu, 2004. p.15, 81-99.

ABERC. Manual ABERC de Práticas de Elaboração e Serviço de Refeições para Coletividades. 11. ed. São Paulo, 2015.

Monteiro A. Importância da ergonomia na saúde dos funcionários e de unidades de alimentação e nutrição. Rev. Baiana. 2009; 33(3):416-427.

Siqueira OC. Análise ergonômica do posto de trabalho do operador de produção em uma indústria de injeção plástica utilizando o método rula (rapid upper limb assessment). Curitiba: Universidade Tecnológica Federal do Paraná Departamento Acadêmico de Construção Civil Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho - UTFPR, 2014.

Ministério do Trabalho. Normas regulamentadoras de segurança e saúde no trabalho. NR 15 - Atividades e operações Insalubres. Disponível em: http://trabalho.gov.br/seguranca-e-saude-no-trabalho/normatizacao/normas-regulamentadoras/norma-regulamentadora-n-15-atividades-e-operacoes-insalubres. Acesso em: 19 fev. 2018.

Dul J, Weerdmeester B. Ergonomia Prática. Tradução de ItiroIida. 2. ed. São Paulo. Edgard Blücher, 2004.

BRASIL. Resolução - RDC nº 275, de 21 de outubro de 2002. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br. Acesso em: 19 fev. 2018.

Liberato KBL, Landim MC, Costa EA. Estruturafísica da área de produção de umaunidade de alimentação e nutrição (UAN) localizadaem Fortaleza, CE. In: CONFRESSO BRASILEIRO DE ECONOMIA DOMÉSTICA. 20, 2009, Fortaleza.Trabalhos. Fortaleza, 2009.Disponívelem: Acesso em:27 mar. 2013.

Araújo E, Alevato H. Abordagem ergológica da organização e das condições de trabalho em uma unidade de alimentação e nutrição. Ingepro. 2011; 03(1):10-22.

Rosaneli AC. Liderança: Técnicas eficazes de liderança para nutricionistas em serviços de alimentação. Disponível em: - Os desafios da liderança. Acesso em: 13 set. 2013.

Quintilio M, Alcarás P, Martins L. Avaliação do ruído ocupacional em um restaurante num município do Mato Grosso do Sul. Colloquium Exactarum. 2012; 4(1):27-32.

Gonçalves VSB, Silva LB, Coutinho AS. Ruído como agente comprometedor da inteligibilidade de fala dos professores. Produção. 2009; 19(3):466-476.

European Agency for Safetyand Health atWork; Hot environments in horeca, E-facts 27. In: Carneiro PMCMF. Ambiente térmico e qualidade do ar em cozinhas profissionais. Coimbra: Universidade de Coimbra. Coimbra, 2012.

Quintela D. Condições de trabalho em cozinhas profissionais – Avaliar e melhorar. Departamento de Engenharia Mecânica, Faculdade de Ciências e Tecnologias de Universidade de Coimbra. Coimbra 2009. In: Carneiro PMCMF. Ambiente térmico e qualidade do ar em cozinhas profissionais. Coimbra: Universidade de Coimbra. Coimbra, 2012.

Pohren N, Martinazzo G, Anjos M, Cozer M. Avaliação da estrutura física de uma unidade de alimentação e nutrição. Rev. Unipav. 2014; 20(36):7-23.

Somavilha GP. Orientação técnicas, legais e normativas para projetos de espaço destinados a serviçoes de alimentação coletiva. Rev. Arquimed. 2013; 2(2):108-122.

BRASIL. Resolução-RDC N° 216, de 15 de setembro de 2004. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/.Acesso em: 19 fev. 2018.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista da Associação Brasileira de Nutrição - RASBRAN