Avaliação da composição nutricional de cardápios em instituições de longa permanência para idosos em Belo Horizonte e Contagem, Minas Gerais

Izabella Ferreira Gomes Carneiro Brom, Juliana Caixeta de Oliveira Penna, Pâmella Rodrigues Saldanha Pereira, Rafaella Cristina Dias da Silva, Rebeca Braz Felipe, Daniela Almeida do Amaral, Maria Marta Amancio Amorim

Resumo


Nos últimos anos a proporção de idosos cresce mais que outras faixas etárias, situação denominada transição demográfica. Observando o crescente aumento do número de idosos, o surgimento de doenças crônicas, este trabalho tem como objetivo analisar a composição nutricional dos cardápios de instituições de longa permanência para idosos públicas de Belo Horizonte e Contagem, Minas Gerais. Trata-se de um estudo de campo experimental, quantitativo, descritivo e exploratório. Foram avaliadas oito instituições de longa permanência para idosos públicas. Foi considerada a presença de nutricionistas na instituição, e coletados 40 cardápios, registrando a quantidade per capita dos alimentos servidos e a respectiva medida caseira, pesada em balança digital padrão. O software utilizado para análise dos cardápios foi o Dietbox®, utilizando as informações das tabelas de alimentos para cálculo do valor energético total, carboidratos, proteínas, lipídios, fibras, vitamina A, C, D, cálcio, magnésio, ferro e zinco. Constatou-se que, das oito instituições, em apenas três há nutricionista presente. Em relação ao valor energético total, 25% das  instituições atingiram a recomendação, sendo 1873 kcal para mulheres e 2054 kcal para homens. Observou-se adequação para os seguintes nutrientes: proteínas em 100% das instituições, carboidratos, em 50%; lipídios, 75%, fibras, em 37,5%; vitamina A, 87,5%; vitamina C, 100%; vitamina D, 12,5%; cálcio, 0%; magnésio, 12,5%; ferro, 75%; zinco, 12,5%. Tais resultados evidenciam a necessidade da presença de nutricionistas nestas instituições, a fim de adequar os cardápios às necessidades dos residentes

Palavras-chave


Alimentação, dieta e nutrição Alimentação coletiva Idoso Instituição de longa permanência para idosos

Texto completo:

PDF

Referências


Gomes AP, Soares ALG, Gonçalves H. Baixa qualidade da dieta de idosos: estudo de base populacional no sul do Brasil. Ciênc. Saúde Coletiva. 2016, 21(11): 3417-3428. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php? script=sci_arttext&pid=S1413-81232016001103417 &lng=en&nrm=iso. Acesso em out. 2018.

OMS Organização Mundial da Saúde. Relatório mundial de envelhecimento e saúde. Genebra: OMS, 2015. Disponível em . Acesso em out. 2018.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Envelhecimento e saúde da pessoa idosa. Brasília: Ministério da Saúde, 2006. Disponível em http://189.28.128.100/dab/docs/publicacoes/cadernos_ab/abcad19.pdf. Acesso em out. 2018.

Silva MLN, Marucci MFN, Roediger MA. Tratado de nutrição em gerontologia. Barueri: Manole, 2016.

Christophe M. Instituições de longa permanência para idosos no Brasil: uma opção de cuidados de longa duração? Rio de Janeiro: Escola Nacional de Ciências Estatísticas; 2009. Disponível em http://www.faceconsultoria.com.br/Uploads/PDF/20531FE06E6E0E9A65351C240C8AA428.pdf. Acesso em out. 2018.

Brasil. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE. Pesquisa de orçamentos familiares 2008-2009: Análise do consumo alimentar pessoal no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE, 2011. Disponível em https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv50063.pdf. Acesso em out. 2018.

Paula RS, Colares FCJ, Toledo JO, Nóbrega OT. Alterações gustativas no envelhecimento. Revista Kairós. 2008, 11(1): 217-235. Disponível em . Acesso em out. 2018.

Santa Catarina. Secretaria de estado da saúde. Superintendência de vigilância em saúde. Diretoria de vigilância sanitária. Segurança sanitária para instituições de longa permanência para idosos. Florianópolis: Secretaria de estado da saúde, 2009. Disponível em . Acesso em out. 2018.

Venturini CD, Engroff P, Sgnaolin V, El Kik RM, Morrone FB, Filho IGS, Carli GA. Consumo de nutrientes em idosos residentes em Porto Alegre (RS), Brasil: um estudo de base populacional. Ciênc. Saúde Coletiva. 2015, 20(12): 3701-3711. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-81232015001203701&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em set. 2018.

Lima RMF, Amaral AKF, Aroucha EBL, Vasconcelos TMJ, Silva HJ, Cunha DA. Adaptações na mastigação, deglutição e fonoarticulação em idosos de instituição de longa permanência. Rev CEFAC. 2009, 11(3):405-422. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/rcefac/v11s3/a17v11s3.pdf. Acesso em out. 2018.

Assumpção D, Domene SMA, Fisberg RM, Barros MBA. Qualidade da dieta e fatores associados entre idosos: estudo de base populacional em Campinas, São Paulo, Brasil. Cad. Saúde Pública. 2014, 30(8):1680-1694. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v30n8/0102-311X-csp-30-8-1680.pdf. Acesso em out. 2018.

Camargos MCS, Nascimento GWC, Nascimento DIC, Machado CJ. Aspectos relacionados à alimentação em Instituições de Longa Permanência para Idosos em Minas Gerais. Cad. Saúde Coletiva. 2015, 23 (1):38-43. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-462X2015000100038&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em out. 2018.

Brasil. Ministério da Saúde. Agencia Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução de diretoria colegiada RDC 283, de 26 de setembro de 2005. Dispõe sobre o art. 11, inciso IV (ANVISA). Brasília: DOU, 2005. Disponível em http://portal.anvisa.gov.br/documents/10181/2718376/RDC_283_2005_COMP.pdf/a38f2055-c23a-4eca-94ed-76fa43acb1df. Acesso em out. 2018.

Philippi ST. Tabela de composição de alimentos: suporte para decisão nutricional. Barueri: Manole; 2013.

Universidade Estadual de Campinas UNICAMP. Tabela brasileira de composição de alimentos - TACO. 4a ed. Campinas: UNICAMP/NEPA, 2011. Disponível em http://www.cfn.org.br/wp-content/uploads/2017/03/ taco_4_edicao_ampliada_e_revisada.pdf. Acesso em mai. 2018.

IOM Institute of Medicine, Food and Nutrition Board: Dietary Reference Intakes. 2006. Disponível em https://ods.od.nih.gov/Health_Information/Dietary_Reference_Intakes.aspx. Acesso em out. 2018.

Toral N, Gubert MB, Schmitz BAS. Perfil da alimentação oferecida em instituições geriátricas do Distrito Federal. Rev. Nutr. 2006, 19(1):29-37. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1415-52732006000100003&lng=en&nrm=iso&tlng =pt. Acesso em out. 2018.

Carvalho EN, Silva FR, Melo MTSM, Carvalho CMRG. Avaliação da qualidade nutricional das refeições servidas aos idosos em instituição asilar. Estud. interdiscip. envelhec. 2003, 5:119-136. Disponível em https://seer.ufrgs.br/RevEnvelhecer/article/view/4732. Acesso em out. 2018.

Brasil. Ministério da Saúde. Agência nacional de vigilância sanitária. Resolução de diretoria colegiada RDC 216, de 15 de setembro de 2004. Dispõe sobre regulamento técnico de boas práticas para serviços de alimentação. Brasília: DOU, 2004. Disponível em http://portal.anvisa.gov.br/documents/33916/388704/RESOLU%25C3%2587%25C3%2583O- RDC%2BN%2B216%2BDE%2B15%2BDE%2BSETEMBRO%2BDE%2B2004.pdf/23701496-925d-4d4d-99aa-9d479b316c4b. Acesso em out. 2018.

Galesi LF, Lorenzetti C, Oliveira MRM, Fogaça KCP, Merhi VL. Perfil alimentar e nutricional de idosos residentes em moradias individuais numa instituição de longa permanência no leste do estado de São Paulo. Alim. Nutr. 2008, 19(3):283-290. Disponível em http://serv-ib.fcfar.unesp.br/seer/index.php/alimentos/ article/viewFile/632/530. Acesso em out. 2018.

Menezes TN, Souza JMP, Marucci MFN. Necessidade energética estimada, valor energético e adequação de macronutrientes da alimentação dos idosos de Fortaleza, CE. Nutrire: rev. Soc. Bras. Alim. Nutr. 2009, 34(3): 17-30. Disponível em: http://www.producao.usp.br/handle/BDPI/14117. Acesso em out. 2018.

Menezes TN, Marucci MFN. Valor energético total e contribuição percentual de calorias por macronutrientes da alimentação de idosos domiciliados em Fortaleza - CE. Rev Assoc Med Bras. 2012, 58(1):33-40. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/ramb/v58n1/v58n1a12 .pdf . Acesso em out. 2018.

Previdelli AN, Goulart RMM, Aquino RC. Balanço de macronutrientes na dieta de idosos brasileiros: análises da Pesquisa Nacional de Alimentação 2008-2009. Rev Bras Epidemiol. 2017, 20(1): 70-80. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/rbepid/v20n1/1980-5497-rbepid-20-01-00070.pdf. Acesso em out. 2018.

Jesus MAT, Szczerepa SB. Composição nutricional do cardápio de uma instituição de longa permanência de idosos maiores de 70 anos em Ponta Grossa - PR. RASBRAN - Revista da Associação Brasileira de Nutrição. 2017, 8(2):27-36. Disponível em https://www.rasbran.com.br/rasbran/article/ view/519. Acesso em out. 2018.

Silva KA, Silva MFG, Murta NMG. Práticas alimentares e bem-estar de residentes de uma instituição de longa permanência para idosos da cidade de Diamantina (MG), Brasil. Revista Kairós Gerontologia. 2013; 16(3): 221-236. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/kairos/article/view/27564. Acesso em out. 2018.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Alimentação saudável para a pessoa idosa: um manual para profissionais de saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2009. Disponível em https://goo.gl/Bp6KH9. Acesso em out. 2018.

Malta DC, Stopa SR, Szwarcwald NLG, Júnior JBS, Reis AAC. A vigilância e o monitoramento das principais doenças crônicas não transmissíveis no Brasil - Pesquisa Nacional de Saúde, 2013. Rev. Bras. Epidemiologia. 2015, 18 (2): 3-16. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbepid/v18s2/1980-5497-rbepid-18-s2-00003.pdf. Acesso em out. 2018.

Oliveira RBA, Veras RP, Prado SD. “O Fim da Linha”? Etnografia da alimentação de idosos institucionalizados – reflexões a partir das contribuições metodológicas de Malinowski. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol. 2010, 13(1): 133-143. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/rbgg/v13n1/a14v13n1.pdf. Acesso em mar. 2018.

Costa LG, Amorim MMA, Silva CA, Oliveira MM, Gregório EL, Coelho AK. Análise Nutricional do almoço consumido por idosas institucionalizadas. e-Scientia. 2017, 10(2): 7-17.

Cozzolino SMF. Biodisponibilidade de nutrientes. 5a ed. Barueri : Manole; 2016.

Lajolo FM, Pfrimer K. Nutrição e envelhecimento saudável. ILSI International Life Sciences Institute do Brasil. São Paulo: ILSI Brasil; 2016. Disponível em http://ilsibrasil.org/wp-content/uploads/sites/9/ 2016/08/Livro-nutricao-ONLINE-com-capa.pdf. Acesso em out. 2018.

Del Rio D, Rodriguez-Mateos A, Spencer J, Tognolini M, Borges G, Crozier A. Dietary (poly)phenolics in human health: structures, bioavailability, and evidence of protective effects against chronic diseases. Antioxidants & Redox Signaling. 2013, 18(14):1818-1892. Disponível em https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3619154/pdf/ars.2012.4581.pdf. Acesso em out. 2018.

Holick MF. Bioavailability of vitamin D and its metabolites in black and White adults. N Engl J Med. 2013, 369(21):2047-2048. Disponível em https://mfprac.com/web2018/07literature/literature/Nutrition/VitD-Bioavailable_Holick.pdf. Acesso em out. 2018.

Brasil. Ministério da Saúde. Plano de ações estratégicas para o enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) no Brasil 2011-2022. Brasília: Ministério da Saúde, 2011. Disponível em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/plano_acoes_enfrent_dcnt_2011.pdf. Acesso em out. 2018.

Martini LA, Moura EC, Santos LC, Malta DC, Pinheiro Mde M. Prevalência de diagnóstico auto-referido de osteoporose Brasil, 2006. Rev. Saúde Pública. 2009, 43(2):107-116. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/rsp/v43s2/ao794.pdf. Acesso em out. 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista da Associação Brasileira de Nutrição - RASBRAN