Transtorno do Espectro Autista (TEA) e hipersensibilidade alimentar: perfil nutricional e prevalência de sintomas gastrointestinais

  • Laura Moreira Goularte Universidade Federal de Pelotas
  • Lilia Schug de Moraes Universidade Federal de Pelotas
  • Eduarda de Souza Silva Universidade Federal de Pelotas
  • Helayne Aparecida Maieves Universidade Federal de Pelotas
  • Lúcia Rota Borges Universidade Federal de Pelotas
  • Anne y Castro Marques Universidade Federal de Pelotas
  • Renata Torres Abib Bertacco Universidade Federal de Pelotas

Resumo

Objetivo: caracterizar o perfil nutricional e identificar a ocorrência de sintomas gastrointestinais na presença de hipersensibilidade alimentar, de crianças e adolescentes atendidos em um centro de referência no sul do Brasil. Método: estudo transversal realizado por meio da aplicação de questionário em um centro educacional para portadores do transtorno do espectro autista, na cidade de Pelotas, RS. Foram coletados dados sociodemográficos, bem como dados antropométricos e informações sobre dietas de exclusão, acompanhamento nutricional e sintomas gastrointestinais dos participantes. Resultados: Participaram do estudo 12 indivíduos, dos quais a maioria era do sexo masculino (75%), criança (91,6%) e da cor branca (91,6%). Metade dos participantes estava com excesso de peso (25% sobrepeso e 25% obesidade), além daqueles que já apresentavam risco de sobrepeso (16,7%), enquanto somente 33,3% estavam eutróficos. Dentre as dietas de exclusão, as mais prevalentes foram lactose (75%), caseína (25%) e glúten (25%), sendo que a maioria (75%) dos alunos não fazia acompanhamento nutricional. Avaliando presença de sintomas gastrointestinais, flatulência (33,3%) foi o mais relatado. Conclusão: destaca-se a importância de um suporte nutricional adequado para este público, uma vez que a maioria da amostra está com risco ou excesso de peso, além da presença de hipersensibilidade alimentar. Deve-se ter atenção no manejo de dietas de exclusão e estratégias para lidar com os sintomas gastrointestinais presentes, uma vez que sua eficácia ainda não possui comprovação científica para todos os casos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Carvalho JA, Santos CSS, Carvalho MP, Souza LS. Nutrição e Autismo: Considerações sobre a alimentação do autista. Revista Científica do ITPAC. 2012;5(1)Pub. 1.

Christensen DL, Baio J, Brau KVN, Bilder D, Charles J, Constantino JN, Daniels J, Durkin MS, Fitzgerald RT, Kurzius-Spencer M, Lee LC, Pettygrove S, Robinson C, Schulz E, Wells C, Wingate MS, Zahorodny W, Yeargin-Allsopp M. Prevalence and Characteristics of Autism Spectrum Disorder Among Children Aged 8 Years – Autism and Developmental Disabilities Monitoring Network, 11 Sites, United States, 2012. Surveillance Summaries. 2016;65(3):1-23.

Caetano, D. Classificação de transtornos mentais e de comportamento da CID-10: descrições clínicas e diretrizes diagnósticas. In: Classificação de transtornos mentais e de comportamento da CID-10: descrições clínicas e diretrizes diagnósticas. Editora Artes Médicas Sul; 1993.

Jacquemont S, Coe BP, Hersch M, Duyzend MH, Krumm N, Bergmann S, Beckmann JS, Rosenfeld JA, Eichler EE. A higher mutational burden in females supports a “female protective model” in neurodevelopmental disorders. The American Journal of Human Genetics. 2014;94(3):415-25.

Willsey J, State MW. Autism spectrum disorder: from genes to neurobiology. Current Opinion in Neurobiology. 2015;30:92-99.

Hsiao EY. Gastrointestinal issues in autism spectrum disorder. Harvard Review of Psychiatry. 2014;22(2):104-11.

Leal M, Nagata M, Cunha NM, Pavanello U, Ferreira NVR. Terapia nutricional em crianças com transtorno do espectro autista. Cadernos da Escola de Saúde. 2015;1(13):1-13.

Fernandes MA, Vasconcelos MMF, Santos MPSS, Lima RMT, Veloso JO, Fernandes RF. Comportamento alimentar de crianças e adolescentes autistas atendidas em um centro integrado de educação especial. Revista de Enfermagem da UFPI. 2016;5(1):101-4.

Meguid NA, Anwar M, Bjorklund G, Hashish A, Chirumbolo S, Maha H, Sultan E. Dietary adequacy of Egyptian children with autism spectrum disorder compared to healthy developing children. Metabolic Brain Disease. 2017;32:607-15.

Lange KW, Hauser J, Reissmann A. Gluten-free and casein-free diets in the therapy of autism. Current Opinion in Clinical Nutrition & Metabolic Care. 2015;18(6):572-75.

Alergia alimentar e Transtorno do espectro autista: existe relação?. Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) – Departamento Científico de Alergia. 2017. Disponível em: http://soperj.org.br/novo/imageBank/Alergia-alimentar-e-Transtorno-2017.pdf. Acesso em: 12 out. 2018.

Kummer A, Barbosa IG, Rodrigues DH, Rocha NP, Rafael MS, Pfeilsticker L, Silva ACS, Teixeira AL. Frequência de sobrepeso e obesidade em crianças e adolescentes com autismo e transtorno do déficit de atenção/hiperatividade. Revista Paulista de Pedriatria. 2016;34(1):71-77.

Meguid NA, Kandeel WA, Wakeed KE, El-Nofely AA. Anthropometric assessment of a Middle Eastern group of autistic children. World Journal of Pediatrics. 2014;10(4):318-23.

Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Comissão Nacional de ética em Pesquisa. Resolução 466/12. Dispõe sobre as diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendseres humanos. Brasília: Ministério da Saúde, 2012. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf. Acesso em: 30 out. 2014

Ministério da saúde. Orientações para a coleta e análise de dados antropométricos em serviços de saúde: Norma Técnica do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional – SISVAN, Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. – Brasília: Ministério da Saúde, 2011. Acessado em 29 ago. 2018. Online. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/orientacoes_coleta_analise_dados_antro pometricos.pdf

Organização Mundial da Saúde – OMS. Growth reference data for 0-5 years, 2006. Disponível em: http://www.who.int/childgrowth/standards/bmi_for_age/en/. Acesso em 30 ago. 2018.

Organização Mundial da Saúde – OMS. Growth reference data for 5-19 years, 2007. Disponível em: http://www.who.int/growthref/who2007_bmi_for_age/en/. Acesso em 30 ago. 2018.

Caetano MV, Gurgel DC. Perfil nutricional de crianças portadoras do Transtorno do Espectro Autista. Revista Brasileira Promoção da Saúde. 2018;31(1):1-11.

Magalhães LS, Pereira ASP. Transtorno do espetro do autismo – Preocupações e apoios de famílias. Revista Educação Especial em Discussão. 2017;2(3):29-43.

Estado Nutricional de crianças e adolescentes do Brasil – Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional. Relatórios de Acesso Público. 2018. Disponível em: http://dabsistemas.saude.gov.br/sistemas/sisvanV2/relatoriopublico/index. Acesso em: 25 out. 2018.

Audisio A, Laguzzi J, Lavanda I, Leal M, Herrera J, Carrazana C, Cilento Pintos, CA. Mejora de los síntomas del autismo y evaluación alimentaria nutricional luego de la realización de una dieta libre de gluten y caseína en un grupo de niños con autismo que acuden a una fundación. Nutr Clín Diet Hosp. 2013;33(3):39-47.

Winburn E, Charlton J, McConachie H, McColl E, Parr J, O’Hare A, Baird G, Gringras P, Wilson DC, Adamson A, Adams S, Couteur AL. Parents’ and child health professionals’ attitudes towards dietary interventions for children with autism spectrum disorders. J Autism Dev Disord. 2014;44(4):747-57.

Harris C, Card B. A pilot study to evaluate nutritional influences on gastrointestinal symptoms and behaviorpatterns in children with Autism Spectrum Disorder. Complement Ther Med. 2012; 20(6): 437-40.

Hyman SL, Stewart PA, Foley J, Peck R, Morris DD, Wang H, et al. The Gluten-Free/ Casein-Free Diet : A Double-Blind Challenge Trial in Children with Autism. J Autism Dev Disord. 2016; 46(1): 205-20.

Pinho MA, Andrade M. Manifestações gastrointestinais em crianças com transtorno do espectro autista. Salvador: Universidade Federal da Bahia – 2015.

Coury DL, Ashwood P, Fasano A, Fuchs, G, Geraghty, M, Kaul A, Mawe G, Patterson P, Jones NE. Gastrointestinal conditions in children with autism spectrum disorder: developing a research agenda. Pediatrics. 2012;130 suppl 2:S160–8.

Publicado
2020-07-22
Como Citar
Moreira Goularte, L., Schug de Moraes, L., de Souza Silva, E., Aparecida Maieves, H., Rota Borges, L., y Castro Marques, A., & Torres Abib Bertacco, R. (2020). Transtorno do Espectro Autista (TEA) e hipersensibilidade alimentar: perfil nutricional e prevalência de sintomas gastrointestinais. Revista Da Associação Brasileira De Nutrição - RASBRAN, 11(1), 48-58. https://doi.org/10.47320/rasbran.2020.1337
Seção
Artigos Originais