Perfil alimentar e estado nutricional de pacientes depressivas internadas em hospital de pequeno porte do sul de Santa Catarina

Autores

  • Luana Vieira de Souza Acadêmica do curso de nutrição - Universidade do Sul de Santa Catarina
  • Morgana Prá Universidade do Sul de Santa Catarina https://orcid.org/0000-0001-5572-8419

DOI:

https://doi.org/10.47320/rasbran.2021.1745

Palavras-chave:

Depressão, Estado nutricional, Comportamento Alimentar

Resumo

Objetivo: Descrever o perfil alimentar e estado nutricional de pacientes depressivas internadas em um hospital de pequeno porte do sul de Santa Catarina. Métodos: este estudo foi avaliado pelo Comitê de Ética e Pesquisa da Universidade do Sul de Santa Catarina, e aceito através do parecer número 3.431.253, e foi realizado um estudo com mulheres depressivas, através de questionários com perguntas relacionadas aos dados sociodemográficos e hábitos alimentares. Foram aferidos peso e altura para avaliação do estado nutricional. Resultados: Foram avaliadas 29 mulheres com idade entre 18 e 67 anos, com média de 42,2±12,0 anos. Em relação aos hábitos alimentares, identificou-se um consumo calórico de um dia usual abaixo das necessidades por 58,6%, com consumo abaixo das necessidades em maior parte dos micronutrientes Cobre, Magnésio e Vitamina B9. Identificou-se o consumo de margarina por 37,9% e de refrigerantes por 34,5% das entrevistadas. O consumo diário de frutas foi relatado por menos da metade (48,3%) e o de verduras e legumes por 65,5%. Encontrou-se IMC médio de 28,5±6,5kg/m, e  alta taxa de excesso de peso (69%). Conclusão: Encontrou-se alta prevalência de excesso de peso não associada à dieta hipercalórica, podendo obter relação com a utilização de medicamentos antidepressivos ou ao tipo de alimento consumido. Em relação aos hábitos alimentares inadequados entre as pacientes, pode-se dizer que são necessárias melhores estratégias nutricionais, visando uma alimentação saudável a ser utilizada como aliada no tratamento do transtorno, além de uma melhor qualidade de vida.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Morgana Prá, Universidade do Sul de Santa Catarina

Professora do curso de Nutrição -  Universidade do Sul de Santa Catarina

Referências

Maratoya EE, Carvalhaes GC, Wander AE, Almeida LMMC. Mudanças no padrão de consumo alimentar no Brasil e no mundo. Rev Política Agrícola. 2013; 22(1):72-84. Disponível em: https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/86553/1/Mudancas-no-padrao-de-consumo-alimentar-no-Brasil-e-no-mundo.pdf

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009: Antropometria e estado nutricional de crianças, adolescentes e adultos no Brasil. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística; 2010.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa nacional de saúde 2013: percepção do estado de saúde, etilos de vida e doenças crônicas. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística; 2014.

World Health Organization. Depression and other common mental disorders: global health estimates. Geneva: World Health Organization; 2017.

Manosso LM. O papel do zinco no transtorno depressivo maior. Rev Bras Nutr Func. 2019; 78(43):8-19. doi.org/10.32809/2176-4522.43.78.01. Disponível em: https://www.vponline.com.br/portal/noticia/pdf/e802b80f430d34f1edafcd82969638f8.pdf.

Chávez-Castillo M, Núñez V, Nava M, Ortega A, Rojas M, Bermudéz V, et al. Depression as a neuroendocrine disorder:emerging neuropsychopharmacological approaches beyond monoamines. Adv Pharmacol Sci. 2019; 2019:1-20. Available from: https://www.hindawi.com/journals/aps/2019/7943481/.

Whiteford HA, Ferrari AJ, Degenhardt L, Feigin V, Vos T. The global burden of mental, neurological and substance use disorders: an analysis from the global burden of disease study 2010. PLoS ONE. 2015; 10(2):1-14. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25658103.

Popa TA, Ladea M. Nutrition and depression at the forefront of progress. J Med Life. 2012; 5(4):414-9. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles /PMC3539842/.

Ibarra O, Gili M, Roca M, Vives M, Serrano MJ, Pareja A, et al. The Mediterranean Diet and micronutrient levels in depressive patients. Nutr Hosp. 2015; 31(3):1171-75. Available from: https://www.ncbi.nlm. nih.gov/pubmed/ 25726209.

Sánchez-Villegas A, Doreste J, Schlatter. Pla J, Bes-Rastrollo M, Martínez-González MA. Association between folate, vitamin B6 and vitamin B12 intake and depression in the SUN cohort study. J Hum Nutr Diet. 2009; 22(2): 122-33. Available from: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/epdf/10.1111/j.1365-277X.2008.00931.x.

Hanna S, Lachover L, Rajarethinam RP. Vitamin B12 Deficiency and Depression in the Elderly: Review and Case Report. Prim Care Companion J Clin Psychiatry. 2009; 11(5): 269-270. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov /pmc/articles /PMC2781043/.

Sánchez-Villegas A, Delgado-Rodríguez M, Alonso A, Schlatter J, Lahortiga F, Serra Majem L, et al. Association of the Mediterranean dietary pattern with the incidence of depression: the seguimiento Universidad de Navarra/University of Navarra follow-up (SUN) cohort. Arch Gen Psychiatry. 2009; 66(10):1090-8. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19805699.

Bender A, Hagan KE, Kingston N. The association of folate and depression: a meta-analysis. J Psychiatr Res. 2017; 95:9-18. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/28759846.

Wang J, Hum P, Dickerman BA, Liu J. Zinc, Magnesium, Selenium and Depression: A Review of the evidence, potential mechanisms and implications. Nutrients. 2018; 10(5):584. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/29747386.

Dossiê das vitaminas. Food ingredients Brasil. 2014; 29:58-88. Disponível em: http://www.revista-fi.com/materias/378.pdf.

Gafoor R, Booth HP, Gulliford MC. Antidepressant utilisation and incidence of weight gain during 10 years follow-up: population based cohort study. BMJ. 2018; 361:1-9. Available from: https://www.bmj.com/content/361/bmj.k1951.

Peixoto HGE, Vasconcelos IAL, Sampaio ACM, Kiyomi M. Antidepressivos e alterações no peso corporal. Rev Nutr. 2008; 21(3):341-348. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-5273200800030 0009.

Gomes AA, Pereira RA, Yokoo EM. Caracterização do consumo alimentar de adultos por meio de questionário simplificado: contribuição para os estudos de vigilância alimentar e nutricional. Cad. Saúde colet. 2015; 23(4):368-73. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-462X20150004003 68&script=sci_abstract&tlng=pt.

Hospital Getúlio Vargas. Protocolos de nutrição clínica. Teresina; 2012.

Width M. Reinhard T. MdS Manual de sobrevivência para nutrição clínica. 1. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2011.

The National Academies of Sciences Engineering Medicine. Dietary Reference Intakes (DRIs): Estimated Average Requirements. 2019. Disponível em: http://nationalacademies.org/hmd/~/media/Files/Report%20Files/2019/DRI-Tables-2019/6_DRIValues_Summary.pdf?la=en.

World Health Organization. Obesity: preventing and managing the global epidemic. Geneva: World Health Organization, 2000.

Gonçalves AMG, Teixeira MTB, Gama JRA, Lopes CS, Silva GA, Gamarra CJ, et al. Prevalência de depressão e fatores associados em mulheres atendidas pela Estratégia de Saúde da Família. J Bras Psiquiatr. 2018; 67(2):101-9. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0047-208520180002001 01&script=sci _abstract&tlng=pt.

American Psychiatric Association. Transtornos Depressivos. In: American Psychiatric Association. Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais: DSM-5. 5. ed. Porto Alegre: Artmed; 2014. p. 155-188.

Li Z, Wang W, Xin X, Song X, Zhang D. Association of total zinc, iron, copper and selenium intakes with depression in the US adults. J Afetar Desordem. 2018 Mar; 228: 68-74. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/29232566.

Nakamura M, Miura A, Nagahata T, Shibata Y, Okada E, Ojima T. Baixa ingestão de zinco, cobre e manganês está associada a sintomas de depressão e ansiedade na população trabalhadora japonesa: resultados do estudo sobre hábitos alimentares e bem-estar. Nutrients. 2019 Abr; 11(4). Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6521019/pdf/nutrients-11-00847.pdf.

Ministério da Saúde (Brasil). Guia alimentar para a população brasileira: versão resumida. 2018.

Lang T, Vermeulen S, Garnett T, Tilman D, Fanzo J, Hawkes C, et al. Dietas saudáveis a partir de sistemas alimentares saudáveis: alimento planeta saúde. EAT. 2019.

Opie RS, Itsiopoulos C, Parletta N, Sanchez-Villegas A, Akbaraly TN, Ruusunen A, et al. Dietary recommendations for the prevention of depression. Nutr Neurosci. 2017; 20(3):161-171.

Kaner G, Soylu M, Yüksel N, Inanç N, Ongan D, Başmısırlı E. Evaluation of nutritional status of patients with depression. Biomed Res Int. 2015; 2015:521481.

Godoy AR, Adami FS. Estado nutricional e qualidade de vida em adultos e idosos com depressão. Rev Bras Promoç Saúde. 2019; 32:1-12.

Uguz F, Sahingoz M, Gungor B, Aksoy F, Askin R. Weight gain and associated factors in patients using newer antidepressant drugs. Gen Hosp Psychiatry. 2015; 37(1):46-8.

Asmar KE, Fève B, Colle R, Gressier F, Vievard A, Trabado S, Verstuyft C, et al. Early weight gain predicts later weight gain in depressed patients treated with antidepressants: findings from the METADAP cohort. J Affect Disord. 2018; 241:22-28.

Downloads

Publicado

2022-03-31

Como Citar

de Souza, L. V., & Prá, M. (2022). Perfil alimentar e estado nutricional de pacientes depressivas internadas em hospital de pequeno porte do sul de Santa Catarina . Revista Da Associação Brasileira De Nutrição - RASBRAN, 12(4), 4–17. https://doi.org/10.47320/rasbran.2021.1745

Edição

Seção

Artigos Originais