Prevalência de obesidade em mulheres na pós-menopausa atendidas em um ambulatório no sul do Brasil

Elisiane Mandiana Fogaça e Silva, Heloísa Theodoro, Karina Giane Mendes, Maria Teresa Anselmo Olinto

Resumo


Este estudo objetiva avaliar a prevalência de obesidade em mulheres na pós-menopausa atendidas no Ambulatório Central da Universidade de Caxias do Sul. Para isso, foram entrevistadas 201 mulheres de janeiro de 2010 a abril de 2011, na faixa etária de 44 a 65 anos completos. Das 201 mulheres investigadas 50,7% apresentavam obesidade. Foram encontradas diferenças estatisticamente significativas nas variáveis escolaridade, obesidade abdominal, Lipid Accumulation Product (LAP), glicemia elevada, HDL baixo e presença de síndrome metabólica. Em relação à escolaridade, observou-se que quanto maior o nível, maior o percentual de mulheres eutróficas (p=0,045). Entre aquelas com obesidade abdominal, observou-se que todas as obesas apresentaram circunferência da cintura acima de 88 cm (p<0,001). Foi encontrado um LAP maior naquelas com sobrepeso (22,1%) e obesidade (36,6%), quando comparado com mulheres eutróficas (1,3%) (p<0,001). Quanto à glicemia acima de 100 mg/dL ou uso de medicamento hipoglicemiante, observou-se um aumento quando comparadas às eutróficas, com sobrepeso e com obesidade (9,6%, 28,8%, 61,6%, respectivamente) (p=0,004). Em relação ao HDL, a tendência foi a mesma encontrada (9,4%, 33,0%, 57,5%) (p=0,001). A síndrome metabólica esteve presente em 5,8% das eutróficas, 26,4% das mulheres com sobrepeso e 67,8% entre as obesas (p=<0,001). Após o levantamento de informações e análise das variáveis observadas, pode-se concluir que a maioria das mulheres na pós-menopausa são obesas, têm baixa escolaridade, tiveram mais de três gestações, possuem obesidade abdominal, tem LAP e glicemia elevada, síndrome metabólica e baixo colesterol HDL.

Palavras-chave


Obesidade; pós-menopausa; mulheres

Texto completo:

PDF

Referências


Monteiro RCA, Riether PTA, Burini RC. Efeito de um programa misto de intervenção nutricional e exercício físico sobre a composição corporal e os hábitos alimentares de mulheres obesas em climatério. Rev. Nutr. [Internet]. 2004 Dec; 17( 4 ): 479-489.

World Health Organization. Research on the menopause in the 1990s: report of a WHO scientific group. World Health Organ Tech Rep Ser. 1996;866:1-107.

Fernandes AMS, Leme LCP, Yamada EM, Sollero CA. Avaliação do índice de massa corpórea em mulheres atendidas em ambulatório geral de ginecologia. Rev. Bras. Ginecol. Obstet. [Internet]. 2005 Feb; 27( 2 ): 69-74.

Cavalcanti CL, Gonçalves MCR, Cavalcanti AL, Costa SFG, Asciutti LSR. Programa de intervenção nutricional associado à atividade física: discurso de idosas obesas. Ciênc. saúde coletiva. 2011 May; 16( 5 ): 2383-2390.

Lins APM, Sichieri R, Coutinho WF, Ramos EG, Peixoto MVM, Fonseca VM. Alimentação saudável, escolaridade e excesso de peso entre mulheres de baixa renda. Ciênc. saúde coletiva. 2013 Feb; 18( 2 ): 357-366.

Ferreira RAB, Benicio MHDA. Obesidade em mulheres brasileiras: associação com paridade e nível socioeconômico. Rev Panam Salud Publica. 2015;37(4/5):337-42.

Cunha DS. Obesidade e outras alterações metabólicas na menopausa. Intervenção nutricional. Monografia 1.º Ciclo em Ciências da Nutrição Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação, Universidade do Porto, Porto, Portugal, 2012.

World Health Organization. Obesity: Preventing and managing the global epidemic – Report of a WHO consultation on obesity. WHO Technical Report Series nº 894. Geneva: WHO, 2000.

Kahn SH. The “lipid accumulation product” performs better than the body mass index for recognizing cardiovascular risk: a population-based comparison. BMC Cardiovasc Disord. 2005;5:26.

World Health Organization. Physical status: the use and interpretation of anthropometry. Report of the WHO Expert Committee. World Health Organ Tech Rep Ser. 1995;854:1-452.

Executive Summary of The Third Report of The National Cholesterol Education Program (NCEP) Expert Panel on Detection, Evaluation, And Treatment of High Blood Cholesterol In Adults (Adult Treatment Panel III). JAMA. 2001;285(19):2486-97.

Monteiro CA, Conde WL, Castro IRR. A tendência cambiante da relação entre escolaridade e risco de obesidade no Brasil (1975-1997). Cad. Saúde Pública. 2003; 19( Suppl 1 ): S67-S75.

Conte FA, Franz LBB. Estado nutricional e de saúde em mulheres pós-menopausa. Saúde (Santa Maria), Santa Maria, Vol. 41, n. 1, Jan./Jul, p.85-92, 2015

França AP, Aldrighi JM, Marcia MFN. Fatores associados à obesidade global e à obesidade abdominal em mulheres na pós-menopausa. Rev. Bras. Saude Mater. Infantil. 2008 Mar [citado em 2019 26 de março]; 8 (1): 65-73.

Kinnunen TI, Luoto R, Gissler M, Hemminki E. Pregnancy weight gain from 1960s to 2000 in Finland. Int J Obes Relat Metab Disord. 2003;27(12):1572-7.

Steiner ML, Azevedo LH, Bonacordi CL, Barros AZ, Strufaldi R, Fernandes CE. Avaliação de consumo alimentar, medidas antropométricas e tempo de menopausa de mulheres na pós-menopausa. Rev. Bras. Ginecol. Obstet. 2015 Jan [cited 2019 Mar 26] ; 37( 1 ): 16-23.

Gravena AAF, Brischiliari SC, Lopes TC, Agnolo CM, Carvalho MDB, Pelloso SM. Excess weight and abdominal obesity in postmenopausal Brazilian women: a population-based study. BMC Womens Health. 2013;13:46.

Mendes KG, Theodoro H, Rodrigues AD, Olinto MTA. Prevalência de síndrome metabólica e seus componentes na transição menopáusica: uma revisão sistemática. Cad Saúde Pública. 2012;28(8):1423-1437.

Cho GJ, Park HI, Shin JH, Kim T, Hur JY, Kim YT, et al. The relationship between reproductive factors and metabolic syndrome in Korean postmenopausal women: Korea National Health and Nutrition Survey 2005. Menopause. 2009;16(5):998-1003.

Wehr E, Pilz S, Boehm BO, März W, Obermayer-Pietsch B. The lipid accumulation product is associated with increased mortality in normal weight postmenopausal women. Obesity (Silver Spring). 2011;19(9):1873-80.

Wakabayashi I. Influence of age and gender on lipid accumulation product and its relation to diabetes mellitus in Japanese. Clin Chim Acta. 2014;431:221-6.

Rezende FAC, Rosado LEFPL, Ribeiro RCL, et al. Índice de massa corporal e circunferência abdominal: associação com fatores de risco cardiovascular. Arq Bras Cardiol. 2006;87(6):728-734.

Birjmohun RS, Hutten BA, Kastelein JJ, et al. Efficacy and safety of high-density lipoprotein cholesterol-increasing compounds: a meta-analysis of randomized controlled trials. J Am Coll Cardiol. 2005;45(2):185-97.

Veloso GGV, David ALS, Pereira AC, et al. Prevalência de síndrome metabólica em mulheres climatéricas. Rev Bras Cardiol. 2014;27(1):20-27.

Figueiredo Neto JA, Figuerêdo ED, Barbosa JB, et al. Síndrome metabólica e menopausa: estudo transversal em ambulatório de ginecologia. Arq Bras Cardiol. 2010;95(3):339-45.

Kim HM, Park J, Ryu SY, Kim J. The effect of menopause on the metabolic syndrome among Korean women: the Korean National Health and Nutrition Examination Survey, 2001. Diabetes Care. 2007;30(3):701-6.

Eshtiaghi R, Esteghamati A, Nakhjavani M. Menopause is an independent predictor of metabolic syndrome in Iranian women. Maturitas. 2010;65(3):262-6.

Ainy E, Mirmiran P, Zahedi AS, Azizi F. Prevalence of metabolic syndrome during menopausal transition Tehranian women: Tehran Lipid and Glucose Study (TLGS). Maturitas. 2007;58(2):150-5.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista da Associação Brasileira de Nutrição - RASBRAN