Fatores associados à alimentação entre crianças atendidas em creches públicas de Montes Claros

Grayce Laiz Lima Silveira, Lílian Ferreira Neves, Lucineia de Pinho

Resumo


Objetivo: Avaliar os fatores associados à alimentação entre crianças matriculadas em creches públicas em Montes Claros, Minas Gerais.

Métodos: Estudo transversal, realizado com 304 crianças. Os pais e responsáveis responderam questionários sobre as práticas alimentares das crianças, parâmetros sociodemográficos e econômicos. Os dados foram analisados por análise descritiva e a associação das variáveis e magnitude da mesma por análise bivariada e razão de chance (odds ratio, OR), respectivamente.

Resultados: O aleitamento materno não foi alimento exclusivo até os seis meses de idade em 47,4% das crianças. Mais da metade delas fazia uso de mamadeira, realizava refeições em frente à TV e consumia grande quantidade de refrigerante e suco em pó. Filhos cujas mães trabalhavam fora de casa tinham chance 2,82 (p<0,01) e 1,91 (p=0,017) vezes maior de consumir açúcar e suco em pó antes dos seis meses de idade, respectivamente. A idade materna <25 anos associou-se ao hábito de comer assistindo televisão (OR = 1,90; p=0,024), ao consumo de refrigerante (OR= 1,89; p=0,022) e à ausência de verduras/legumes nas refeições (OR= 1,89; p=0,022).

Conclusões: A alimentação das crianças não era adequada devido ao alto consumo de açúcares e deficiência em alimentos nutritivos. Esse problema foi associado ao fato da mãe trabalhar fora de casa e à idade materna inferior a 25 anos.


Palavras-chave


Pré-escolares; Alimentação infantil; Comportamento alimentar.; NUTRIÇÃO DA CRIANÇA; COMPORTAMENTO ALIMENTAR; PRÉ-ESCOLAR; CRECHES; ESTADO NUTRICIONAL; OBESIDADE PEDIÁTRICA

Texto completo:

PDF

Referências


Brunken GS, Silva SM, França GVA, Escuder MM, Venâncio SI. Risk factors for early interruption of exclusive breastfeeding and late introduction of complementary foods among infants in Midwestern Brazil. J Pediatr. 2006;82(6):445-51.

Caetano MC, Ortiz TTO, Silva SGL, Souza FIS, Sarni ROS. Alimentação complementar: práticas inadequadas em lactentes. J Pediatr. 2010;86(3):196-201.

Campagnolo PDB, Louzada MLC, Silveira EL, Vitolo MR. Práticas alimentares no primeiro ano de vida e fatores associados em amostra representativa da cidade de Porto Alegre, Rio Grande do Sul. Rev Nutr. 2012;25(4):431-9.

Brasil - Ministério da Saúde. Pesquisa Nacional de Demografia e Saúde da Criança e da Mulher - 2006 [página na Internet]. Saúde Nutricional (citado em 10 de abr de 2013). Disponível em: http://www.saude.gov.br/pnds2006

Dias MCAP, Freire LMS, Franceschini SCC. Recomendações para alimentação complementar de crianças menores de dois anos. Rev Nutr. 2010; 23(3): 475-86.

Brasil - Ministério da Saúde. Saúde da criança: nutrição infantil: aleitamento materno e alimentação complementar. Brasília: Ministério da Saúde; 2009.

Longo-Silva G, Toloni MHA, Goulart RMM, Taddei JAA. Avaliação do consumo alimentar em creches públicas em São Paulo, Brasil. Rev Paul Pediatr. 2012;30(1):35-41.

Golin CK, Toloni MHA, Longo-Silva G, Taddei JAAC. Erros alimentares em dietas de crianças frequentadoras de berçários em creches públicas no município de São Paulo, Brasil. Rev Paul Pediatr. 2011;29(1):35-40.

Pedraza DF, Souza MM, Rocha ACD. Fatores associados ao estado nutricional de crianças pré-escolares brasileiras assistidas em creches públicas: uma revisão sistemática. Rev Nutr. 2015;28(4):451-64.

Bernardi JR, Cezaro C, Fisberg RM, Fisberg M, Vitolo MR. Estimativa do consumo de energia e de macronutrientes no domicílio e na escola em pré-escolares. J Pediatr. 2010;86(1):59-64.

QEdu [página na Interntet]. Censo escolar 2013: Montes Claros (acessado em 02 de fevereiro de 2016). Disponível em: http://www.qedu.org.br/cidade/2248-montes-claros/censo-escolar?year=2013&dependence=0&localization=0&education_stage=0&item=matriculas

Associação Brasileira de Empresas De Pesquisa [página na Interntet]. Critério de Classificação Econômica Brasil (citado em 27 de jun de 2013). Disponível em: http://www.abep.org.br

Longo-Silva G, Toloni MHA, Menezes RCE, Asakura L, Oliveira MAA, Taddei JAAC. Introdução de refrigerantes e sucos industrializados na dieta de lactentes que frequentam creches públicas. Rev Paul Pediatr. 2015;33(1):34-41.

Onis M. Preventing childhood overweight and obesity. J Pediatr. 2015;91(2):105-7.

Toloni MHA, Longo-Silva G, Goulart RMM, Taddei JAAC. Introdução de alimentos industrializados e de alimentos de uso tradicional na dieta de crianças de creches públicas no município de São Paulo. Rev Nutr. 2011;24(1):61-70.

Souza SNDH, Migoto MT, Rossetto EG, Mello DF. Prevalência de aleitamento materno e fatores associados no município de Londrina-PR. Acta Paul Enferm. 2012;25(1):29-35

Fuzeto KLR, Oliveira ACL. Comparação da prática do aleitamento materno e da alimentação complementar entre mães adolescentes e adultas, Curitiba/PR. Cad Esc Saúde. 2010;1(3):1-16.

Alves MN, Muniz LC, Vieira MFA. Consumo alimentar entre crianças brasileiras de dois a cinco anos de idade: Pesquisa Nacional de Demografia e Saúde (PNDS). Cien Saude Colet. 2013;18(11):3369-77.

Rinaldi AEM, Pereira AF, Macedo CS, Mota JF, Burini RC. Contribuições das práticas alimentares e inatividade física para o excesso de peso infantil. Rev Paul Pediatr. 2008;26(3):271-7.

Vasconcelos IAL, Barros, JFN. Políticas públicas de nutrição para o controle da obesidade infantil. Rev Paul Pediatr. 2011;29(4):625-33.

Andreyeva T., Kelly IR, Harris JL. Exposure to food advertising on television: associations with children's fast food and soft drink consumption and obesity. Econom Hum Biol. 2011;9(3):221-33.

Brasil - Ministério da Saúde. II Pesquisa de Prevalência de Aleitamento Materno nas Capitais Brasileiras e Distrito Federal [página na Internet] (citado em 03 de jul de 2014). Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/pesquisa_prevalencia_aleitamento_materno.pdf

Carrascoza KC, Possobon RF, Tomita LM, Moraes ABA. Consequências do uso da mamadeira para o desenvolvimento orofacial em crianças inicialmente amamentadas ao peito. J Pediatr. 2006;82(5):395-7.

Valmórbida JL, Vitolo MR. Factors associated with low consumption of fruits and vegetables by preschoolers of low socio-economic level. J Pediatr. 2014;90(5):464-71.

Biral AM, Taddei JA, Passoni DF, Palma D. Dental caries and food practices among children attending daycare centers in the city of São Paulo, Brazil. Rev Nutr. 2013;26(1):37-48.

Crispim PAA, Peixoto MRG, Jardim PCBV. Fatores de risco associados aos níveis pressóricos elevados em crianças de dois a cinco anos. Arq Bras Cardiol. 2014;102(1):39-46.

Longo-Silva G, Toloni MHA, Menezes RCE, Temteo TL, Oliveira MAA, Asakura L. et al. Ingestão de proteína, cálcio e sódio em creches públicas. Rev Paul Pediatr 2014;32(2):193-9.

Ludwig DS, Peterson KE, Gortmaker SL. Relation between consumption of sugar-sweetened drinks and childhood obesity: a prospective, observational analysis. Lancet. 2001;357(9255):505-8

Harvard School of Public Health. Department of Nutrition [página na Internet]. Fact sheet: sugary drink supersizing and the obesity epidemic, 2012 (citado em 02 de fev de 2013). Disponível em: https://cdn1.sph.harvard.edu/wp-content/uploads/sites/30/2012/10/sugary-drinks-and-obesity-fact-sheet-june-2012-the-nutrition-source.pdf

Grimes CA, Riddell LJ, Campbell KJ, Nowson CA. Dietary salt intake, sugar-sweetened beverage consumption, and obesity risk. Pediatrics. 2013;131(1):14-21.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista da Associação Brasileira de Nutrição - RASBRAN