Risco nutricional em idosos: comparação de métodos de triagem nutricional em hospital público

Nicole Ramos de Arruda, Ana Carolina de Cristo Corrêa de Oliveira, Larissa Jeffery Contini Garcia

Resumo


Objetivo: Comparar métodos triagem nutricional em idosos no Pronto Atendimento Médico de um hospital público em relação à sensibilidade, especificidade, valor preditivo e prevalência de risco nutricional na admissão. Métodos: Estudo transversal, prospectivo, realizado no Hospital Regional do Mato Grosso do Sul, de agosto a novembro de 2016. Participaram aqueles com idade ≥ 60 anos, lúcidos, orientados e com quadro clínico estável que responderam aos questionamentos ou acompanhantes aptos para tanto. Até 72h de admissão, à beira do leito, foram aplicados os instrumentos de triagem nutricional, Nutritional Risk Screening e Mini Nutritional Assessment Short Form®, a amostra foi analisada em relação à idade, índice de massa corporal, motivo da internação, distribuição por gênero e resultados das ferramentas de acordo com a classificação de risco nutricional considerado verdadeiro. Resultados: Convidados 162 pacientes e 72 excluídos, 68,06% não participaram do estudo devido aos acompanhantes não saberem informações do paciente.  Dos 90 idosos triados, a média de idade foi 71,5 anos (±8,3anos), o sexo masculino foi predominante e a maior ocorrência de internação foram as gastrointestinais (35,6%). A prevalência de risco nutricional foi de 46,7% (n = 42) e variou de 56,7% a 70,7% entre os instrumentos. A sensibilidade, valor preditivo positivo e negativo de Mini Nutritional Assessment Short Form® mostraram-se superiores, enquanto que Nutritional Risk Screening revelou ser mais específica. Conclusão: No presente estudo, Mini Nutritional Assessment Short Form® revelou-se mais sensível e adequado às vulnerabilidades e perfil de idosos internados em serviço de alta complexidade.

Palavras-chave


Nutrição do Idoso, Avaliação Nutricional, Sensibilidade e Especificidade, Desnutrição, Hospitalização, Estado Nutricional

Texto completo:

PDF

Referências


Projeto Diretrizes. Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina. Volume IX Terapia Nutricional no Paciente Grave. São Paulo: AMB/CFM. 2011.

Bottoni A, Hassan DZ, Nacarato A, Garnes AS, Bottoni A. Porque se preocupar com a desnutrição hospitalar?: uma revisão de literatura. J Health Sci Inst. 2014;32(3):314-7.

Lima DF, Barlem ELD, Santos SSC, Tomaschewski-Barlem JG, Ramos AM, Mattos KM. Avaliação dos fatores que dificultam a alimentação de idosos hospitalizados. Rev Rene. 2014;15(4):578-84.

Projeto diretrizes. Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina. Volume IX. Terapia Nutricional para Pacientes na Senescência (Geriatria). AMB/CFM. 2011.

Projeto diretrizes. Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina. Volume IX. Triagem e Avaliação do Estado Nutricional. AMB/CFM. 2011.

Raslan M, Gonzalez MC, Dias MCG, Paes-Barbosa FC, Waitzberg, DL. Aplicabilidade dos métodos de triagem nutricional no paciente hospitalizado. Rev Nutri. 2008;21(5):553-561.

Nunes PP, Marshall NG. Triagem Nutricional como instrumento preditor de desfechos clínicos em pacientes cirúrgicos. Com. Ciências Saúde. 2014;25(1):57-68.

Lima LS, Araújo MAR, Ornelas GC, Logrado MHG. Validação de instrumento de triagem nutricional. Acta Med Port. 2012;25(1):10-14.

Ayres M. Bioestat (versão 5.3) Aplicações Estatísticas nas Áreas das Ciências Biomédicas. 5 ed. Belém. Pará. 2007.

Nunes AA, Martinez EZ, Ana LW, Pazin-Filho A, Coelho EB, Mello LM. Testes diagnósticos contexto da avaliação de tecnologias em saúde: abordagens, métodos e interpretação. Medicina (Ribeirao Preto). 2015;48(1):8-18.

Panissa CO, Vassimon HS. Risco de desnutrição em idosos hospitalizados: avaliando ingestão alimentar e antropometria. Demetra. 2012;7(1):13-22.

Castro VC, Borghi AC, Mariano PP, Fernandes CAM, Mathias TAF, Carreira L. Perfil de internações hospitalares de idosos no âmbito do Sistema Único de Saúde. Rev Rene. 2013;14(4):791-800.

Freitas DCCV, Friestino JKO, Pimenta MEF, Ferreira JFR. Distribuição espacial das internações hospitalares de idosos nas cinco regiões do Brasil. RBCH. 2016;13(1):9-24.

Cabral DD. Perfil alimentar de homens idosos usuários do Sistema Único de Saúde em Mato Grosso do Sul [dissertação]. Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz – FIOCRUZ, Mestrado em Ciências na Saúde Pública e Meio Ambiente; 2015.

Catão MHCV, Xavier AFC, Pinto TCA. O impacto das alterações do sistema estomatognático na nutrição do idoso. RBCS. 2012;9(29):73-78.

Poulia KA, Yannakoulia M, Karageourgou D, Gamaletsou M, Panagiotakos DB, Sipsas NV et al. Evaluation of the efficacy of six nutritional screening tools to predict malnutrition in the elderly. Clin Nutr. 2012;31:378-385.

Najas M, coordenadora. I Consenso Brasileiro de Nutrição e Disfagia em Idosos Hospitalizados. Barueri: Minha Editora, 2011.

Koren-Hakim T, Weiss A, Hershkovitz A, Otzrateni I, Anbar R, Nevo RFG et al. Comparing the adequacy of the MNA-SF, NRS-2002 and MUST nutritional tools in assessing malnutrition in hip fracture operated elderly patients. Clin Nutr. 2016;35:1053-1058.

Kondrup J, Alisson SP, Elia M, Vellas B, Plauth M. ESPEN Guidelines for Nutrition Screening 2002. Clin Nutr. 2003;22:415-21.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. Atenção à saúde da pessoa idosa e envelhecimento [Internet]. Brasília; 2010; pg.9-22. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/atencao_saude_pessoa_idosa_envelhecimento_v12.pdf. Acessado em: 20 de dezembro de 2016.

Moraes EN. Atenção à saúde do Idoso: Aspectos Conceituais. /Edgar Nunes de Moraes. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, 2012. 98 p.: il.

Poulia K, Klek S, Doundoulakis I, Bouras E, Karayiannis D, Baschali A, et al. The two most popular malnutrition screening tools in the light of the new ESPEN consensus definition of the diagnostic criteria for malnutrition. Clin Nutr. 2016;16:1-6.

Fidelix MSP, Santana AFF, Gomes JR. Prevalência de desnutrição hospitalar em idosos. Revista da Associação Brasileira de Nutrição-RASBRAN. v. 5, n. 1, p. 60-68, 2013.

American Dietetic Association (ADA 1994). ADA’s definitions for nutrition screening and nutrition assessment. J Am Diet Assoc. 1994;94:838-9.

Lochs H, Allison SP, Meier R, Pirlich M, Kondrup S, Schneider S et al. Introductory to the E.S.P.E.N. guidelines on enteral nutrition: ter-minology, definitions, and general topics. Clin Nutr. 2006;25:180-6.

A.S.P.EN. (American Society for Parenteral and Enteral Nutrition) Board of Directors and Standards Committee. Definition of terms, style, and conventions used in ASPEN Guidelines and standards. Nutr Clin Pract. 2005;20:281-5.

Raslan M, Gonzalez MC, Dias, MCG, Nascimento, M, Melina, C, Marques, P et al. Comparison of nutritional risk screening tools for predicting clinical outcomes in hospitalized patients. Nutrition. 2010;26:721-726.

Donini LM, Poggiogalle E,Molfino A, Rosano A, Lenzi A, Fanelli FR, et al. Mini-Nutritional Assessment, Malnutrition Universal Screening Tool, and Nutrition Risk Screening Tool for the Nutritional Evaluation of Older Nursing Home Residents. JAMDA. 2016;17:959e11-959e18.

De van der Schueren MAE, Guaitoli PR, Jansma EP, de Vet HCW. Nutrition screening tools: Does one size fit all? A systematic review of screening tools for the hospital setting. Clin Nutr. 2014;33:39-58.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista da Associação Brasileira de Nutrição - RASBRAN