Percepção de nutricionistas e manipuladores de alimentos a respeito da alimentação escolar para celíacos

Mayara Alexsandra Vieira de Souza, Amanda Bagolin do Nascimento

Resumo


A presente pesquisa teve como objetivo conhecer a percepção dos nutricionistas e manipuladores de alimentos de escolas públicas municipais de dois municípios da Grande Florianópolis a respeito da alimentação escolar para escolares celíacos. Para tanto, foi realizado entrevistas com os nutricionistas e manipuladores de alimentos, utilizando roteiros semiestruturados. As entrevistas foram gravadas, transcritas verbatim e analisadas pela técnica de Análise de Conteúdo. Verificou-se que a alimentação isenta de glúten estava sendo ofertada para os celíacos nos dois municípios. No entanto, algumas dificuldades foram relatadas pelas nutricionistas, como a pequena participação de fornecedores nos pregões para compra de alimentos, o que implicava na limitada disponibilidade de produtos, alguns reconhecidamente com baixa qualidade sensorial e, consequentemente, na baixa aceitabilidade dos mesmos. Os manipuladores de alimentos relataram não sentirem dificuldades com a execução das preparações dos escolares celíacos e mostraram-se bem orientados quanto a oferta desta alimentação. A limitada variedade de produtos isentos de glúten disponíveis para o consumo, afeta diretamente a aceitação alimentar dos escolares celíacos, embora as nutricionistas percebam a importância de um cardápio específico para este público. Os manipuladores de alimentos, em contra-partida, não sentem dificuldades em elaborar o cardápio tendo a vista a pequena quantidade de escolares celíacos nas escolas e a elaboração de poucas preparações envolvendo alimentos isentos de glúten.

Palavras-chave


Doença celíaca; Alimentação escolar; Planejamento de cardápio; Manipulação de alimentos

Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. Ministério da Educação. Formação pela escola: Módulo PNAE. 2008;(2ed):116.

Brasil. Lei n° 11.947, de 16 de junho de 2009. Dispõe sobre o atendimento da alimentação escolar e do Programa Dinheiro Direto na Escola aos alunos da educação básica; altera as Leis nos 10.880, de 9 de junho de 2004, 11.273, de 6 de fevereiro de 2006, 11.507, de 20 de julho de 2007; revoga dispositivos da Medida Provisória nº 2.178-36, de 24 de agosto de 2001, e a Lei nº 8.913, de 12 de julho de 1994; e dá outras providências. 2009;1–10.

Brasil. Lei n° 12.982 de 28 de maio de 2014. Altera a Lei no 11.947, de 16 de junho de 2009, para determinar o provimento de alimentação escolar adequada aos alunos portadores de estado ou de condição de saúde específica. 2014;1.

Husby S, Koletzko S, Korponay-Szabó IR, Mearin ML, Phillips A, Shamir R, et al. European Society for Pediatric Gastroenterology, Hepatology, and Nutrition Guidelines for the Diagnosis of Coeliac Disease. J Pediatr Gastroenterol Nutr [Internet]. 2012;54(1):136–60.

Araújo HMC, Araújo WMC. Coeliac disease. Following the diet and eating habits of participating individuals in the Federal District, Brazil. Appetite. 2011;57(1):105–9.

Nascimento AB, Fiates GMR, dos Anjos A, Teixeira E. Gluten-free is not enough - perception and suggestions of celiac consumers. Int J Food Sci Nutr [Internet]. 2014;65(4):394–8.

Singh J, Whelan K. Limited availability and higher cost of gluten-free foods. J Hum Nutr Diet. 2011;24(5):479–86.

Conselho Federal de Nutricionistas. Resolução CFN n° 465 de 2010. Dispõe sobre as atribuições do Nutricionista, estabelece parâmetros numéricos mínimos de referência no âmbito do Programa d Alimentação Escolar (PAE) e dá outras providências. Diário Oficial da União. 2010. p. 1–8.

Brasil. Resolução n° 26 de 17 de junho de 2013. Dispõe sobre o atendimento da alimentação escolar aos alunos da educação básica no âmbito do Programa Nacional de Alimentação Escolar – PNAE. 2013;1–44.

Brasil. Ministério da Educação. Material orientativo para formação de manipuladores de alimentos que atuam na alimentação escolar. 2014;130.

Brasil. Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. Caderno de Referência sobre Alimentação Escolar para Estudantes com Necessidades Alimentares Especiais. 2017;64.

Brasil. Ministério da Educação. Manual de orientação sobre alimentação escolar para portadores de diabetes, hipertensão, doença celíaca, fenilcetonúria e intolerância a lactose. 2nd ed. Brasília; 2012. 54 p.

, Chaui, M. Convite à Filosofia. Ed. Ática, São Paulo, 2000. 567 p.

Krueger, RA, Casey MA. Focus Groups: A Practical Guide for Applied Reserch. 4th ed. CA: Sate Publications; 2009. 217 p.

Bardin L. Análise de Conteúdo. São Paulo: Edição Rev. 70; 2011.

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo Escolar - Mapa das Escolas [Internet]. 2017.

Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional. Documento de Referência. 5º Conferência Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional. 2017. Disponível em: http://www4.planalto.gov.br/consea/eventos/conferencias/arquivos-de-conferencias/5a-conferencia-nacional-de-seguranca-alimentar-e-nutricional/5a-conferencia-nacional-de-seguranca-alimentar-e-nutricional/documentos-da-5deg-conferencia/documento-de-referencia/@@download/file/Documento%20de%20Refer%C3%AAncia.pdf

Almagro J.R, Almagro D.V, Ruiz CS, González JS, Martínez AH. The experience of living with a gluten-free diet. Gastr. Nurs. 2018;41:189-200.

Do Nascimento AB, Fiates GMR, Teixeira, E. We want to be normal! Perceptions of a group of Brazilian consumers with coeliac disease on gluten-free bread buns. Int. J. Gastr Food Sci. 2017;7:27–31.

Rose C, Howard R. Living with coeliac disease: a grounded theory study. J. Hum. Nutr. Diet. 2014;27:30-40.

Nascimento AB, Fiates GMR, dos Anjos A, Teixeira E. Analysis of ingredient lists of commercially available gluten-free and gluten-containing food products using the text mining technique. Int J Food Sci Nutr [Internet]. 2013;64(2):217–22.

Penagini F, Dilillo D, Meneghin F, Mameli C, Fabiano V, Zuccotti GV. Gluten-free diet in children: An approach to a nutritionally adequate and balanced diet. Nutrients. 2013;5(11):4553–65.

Shepherd SJ, Gibson PR. Nutritional inadequacies of the gluten-free diet in both recently-diagnosed and long-term patients with coeliac disease. J Hum Nutr Diet. 2013;26(4):349–58.

Vici G, Belli L, Biondi M, Polzonetti V. Gluten free diet and nutrient deficiencies: A review. Clin Nutr [Internet]. 2016;35(6):1236–41

Al- Toma A, Volta U, Auricchio R, Castillejo G, Sanders DS, Cellier C, Mulder CJ, Lundin KEA. European Society for the Study of Coeliac Disease (ESsCD) guideline for coeliac disease

and other gluten-related disorders. United Eur. Gastr. J. 2019: 1-31.

Roma E, Roubani A, Kolia E, Panayiotou J, Zellos A, Syriopoulou VP. Dietary compliance and life style of children with coeliac disease. J Hum Nutr Diet. 2010;23(2):176–82.

Do Nascimento AB, Fiates GMR, Dos Anjos A, Teixeira E. Gluten-free is not enough – perception and suggestions of celiac consumers. Int J Food Sci Nutr. 2014;65(4): 394–398.

Laporte L, Puppin Zandonadi R. Conhecimento Dos Chefes De Cozinha Acerca Da Doença Celíaca. Alim. Nutr. 2011;22(3):465–70.

Estévez V, Ayala J, Vespa C, Araya M. The gluten-free basic food basket: a problem of availability, cost and nutritional composition. Eur J Clin Nutr [Internet]. 2016;70(10):1215–7.

Lee AR, Ng DL, Zivin J, Green PHR. Economic burden of a gluten-free diet. J Hum Nutr Diet. 2007;20:423–30.

Nascimento, AM, Fiates AMG, Anjos A, Teixeira E. Availability, cost and nutritional composition of gluten-free products. Br Food J [Internet]. 2014;116(12):1842–52.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista da Associação Brasileira de Nutrição - RASBRAN