Excesso de peso e índice de conicidade em idosos com diabetes mellitus

  • Giselly Maria da Costa Pimentel Faculdade Estácio do Recife https://orcid.org/0000-0002-0599-7116
  • Paloma Travassos de Queiróz Coutinho Wanderley Universidade Federal de Pernambuco
  • Fernanda Cristina de Lima Pinto Tavares Universidade Federal de Pernambuco

Resumo

Objetivo: Verificar a frequência de excesso de peso e classificação do índice de conicidade em idosos com diabetes mellitus. Metodologia: Estudo de natureza quantitativa, de corte transversal, realizado em usuários de uma Unidade Básica de Saúde da cidade de Recife-PE. A coleta de dados decorreu em duas etapas. A primeira etapa constituiu-se com a partir da aplicação de um questionário sociodemográfico, identificando as seguintes variáveis: idade, sexo, estado civil, escolaridade, doenças crônicas não transmissíveis, renda e sua origem. Na segunda etapa, foram mensurados os indicadores antropométricos compostos por peso, altura, circunferência da cintura (CC), cálculo do índice de massa corporal (IMC) e o cálculo do índice de conicidade (IC). Resultados: A idade média dos participantes foi de 71,5 (± 6,85), sendo a idade mínima 60 e a máxima 85 anos. 91,5% dos pacientes, apresentavam entre uma ou mais enfermidades associadas ao diabetes mellitus, sendo as mais recorrentes a hipertensão arterial sistêmica, dislipidemias, doença renal e cardiopatias. Segundo avaliação antropométrica, a média de índice de massa corporal dos indivíduos foi de 27,44 (±5,18) kg/m², compatível com a classificação de excesso de peso para esta medida, IMC>27kg/m²; a circunferência da cintura obteve média de 97,70 (±11,15) cm, sendo a classificação de risco cardiovascular pela CC, > 80cm para mulheres e > 94cm para homens, e do Índice de conicidade foi de 1,39 (±0,08), representando o risco para doenças cardiovasculares, com pontos de corte de >1,18 para mulheres e >1,25 para homens. Conclusão: Conclui-se que a maioria dos participantes, idosos diabéticos, estavam com excesso de peso, e a quase totalidade era classificada com índice de conicidade como risco cardiovascular.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Pereira IFS, Spyrides MHC, Andrade LMB. Estado nutricional de idosos no Brasil: uma abordagem multinível.

Cad Saude Publica. 2016; 32(5).

Milagres LC, Martinho KO, Milagres DC. Relação cintura/estatura e índice de conicidade estão associados a fatores de risco cardiometabólico em idosos. Cien Saude Colet. 2019; 24(4).

Fuzaro Junior G, Carmo EG, Fukushima RLM, Donadelli PS, Costa JFR. Alimentação e nutrição no envelhecimento e na aposentadoria. São Paulo: Cultura Acadêmica. 2016; 103-116

Silva AB, Engroff P, Sgnaolin V, Ely LS, Gomes I. Prevalência de diabetes mellitus e adesão medicamentosa em idosos da Estratégia Saúde da Família de Porto Alegre/RS. Cad Saude Publica. 2016; 24(3).

Souza IP, Ataíde KP, Moraes VD, Freire GE, Cerqueira GS, Santos AAQA, Aguiar BA. Avaliação do perfil antropométrico e a presença de sarcopenia em um grupo de idosas da cidade de Fortaleza. Rev Cien & Saúde Online. 2018; 7(1).

MELO JB, Campos RCA, Carvalho PC, Meireles MF, Andrade MVG, Rocha TPO, Farias WKS, Moraes MJD, Santos JC, Figueiredo Neto JA. Fatores de Risco Cardiovasculares em Mulheres Climatéricas com Doença Arterial Coronariana. Inter Jour Card Scie. 2018;31(1).

Baldino NR, Fabbro ALD.; Consumo alimentar de pacientes com diabetes mellitus tipo 2 de Ribeirão Preto. Rev Mund Saúde. 2017; 4(4).

Sociedade Brasileira de Diabetes. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes 2017-2018. São Paulo, 2017.

Bertonhi LG, Dias JCR. Diabetes mellitus tipo 2: aspectos clínicos, tratamento e conduta dietoterápica. Rev Cien Nutr Online. 2018; 2(2).

Lobato TAA, Torres RS, Guterres AS, Mendes WAA, Maciel AP, Santos FCC, Leal SV, Sato ALSA. Indicadores Antropométricos de Obesidade em Pacientes com Infarto Agudo do Miocárdio. Rev Bras Card. 2014; 27(3).

Morais, SR, Viana ACC, Daltro AFCS, Mendonça PS. Risco cardiovascular e uso do índice de conicidade em pacientes submetidos ao transplante autólogo de células-tronco hematopoiéticas. Jour Einst. 2018; 16(2).

Lipschitz, DA. Screening for nutritional status in the elderly. Primar Car Rew. 1994;21(1).

World Health Organization. Obesity: preventing and managing the global epidemic. Report of a WHO Consultation. Geneva; WHO; 1998.

Valdez RA simple model-based index of abdominal adiposity. Jour Clin Epidemiol. 1991; 44(9).

Pitanga FJ, Lessa I. Sensitivity and specificity of the conicity index as a coronary risk predictor among adults in Salvador, Brazil. Rev Bras Epidemiol. 2004; 7(3).

Gomes MB, Giannella Neto D, Mendonça E, Tambascia MA, Fonseca RM, Réa RR, Macedo G, Modesto Filho J, Schmid H, Bittencourt AV, Cavalcanti S, Rassi N, Faria M, Pedrosa H, Dib AS, Colaboradores. Prevalência de sobrepeso e obesidade em pacientes com diabetes mellitus do tipo 2 no Brasil: estudo multicêntrico nacional. Arq Bras Endocr Metabol. 2006; 50(1).

Machado SP, Rodrigues DGC, Viana KDAL, Sampaio HAC. Correlação entre o índice de massa corporal e indicadores antropométricos de obesidade abdominal em portadores de diabetes mellitus tipo 2. Rev Bras Prom Saúde. 2012; 25(4).

Nascimento RG, Santos ZNL, Cardoso RO. Desempenho de indicadores de obesidade abdominal e risco cardiovascular de idosos atendidos na rede básica de saúde do município de Belém – PA. Rev Bras Cien Enve Hum. 2014; 11(2).

Pimenta FB, Pinho L, Silveira MF, Botelho ACC. Fatores associados a doenças crônicas em idosos atendidos pela Estratégia de Saúde da Família. Cien saúde Coletiva. 2015; 20(8).

Mazur CE, Baratto I, Brecailo MK, Franco S. Antropometria e pressão arterial predizem risco de doenças cardiovasculares em diabéticos. Rev Bras Obes Nut e Emag. 2013;7(37).

Vitoi NC, Fogal AS, Nascimento CM, Franceschini SCC, Ribeiro AQ. Prevalência e fatores associados ao diabetes em idosos no município de Viçosa, Minas Gerais. Rev Bras Epidemiol. 2015; 18(4).

Santos PA, Pinho CPS. Diabetes mellitus em pacientes coronariopatas: prevalência e fatores de risco cardiovascular associado. Rev Bras Clín Med. 2012; 10(6).

Nobréga, ACL, Freitas EV, Oliveira MAB, Leitão MB, Lazzoli JK, Nahas RM, Baptista CAS, Drummond FA, Rezende L, Pereira J, Pinto M, Radominski RB, Leite N, Thiele ES, Hernandez AJ, Araújo CGS, Teixeira JAC, Carvalho T, Borges SF, Rose EH. Posicionamento oficial da Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte e da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia: atividade física e saúde no idoso. Rev Bras Med Esporte. 1999; 5(6).

Picon PX, Leitão CB, Gerchman F, Azevedo MJ, Silveiro SP, Gross JL, Canani LH. Medida da cintura e razão cintura/quadril e identificação de situações de risco cardiovascular: estudo multicêntrico em pacientes com diabetes melito tipo 2. Arq Bras Endocr Metabol. 2007; 51(3).

Scherer, F, Vieira JLC. Estado nutricional e sua associação com risco cardiovascular e síndrome metabólica em idosos. Rev. Nut. 2010; 23(3).

Silva, AM, Andrade JHC, Lustosa RP, Gomes Neto JV, Abreu ES, Amorim FTR, Uchoa FNM. Correlação do índice de adiposidade corporal com os indicadores antropométricos de risco à saúde em mulheres portadoras do diabetes mellitus tipo 2. Rev Bras Obes Nutr Emag. 2018; 12(70).

Campos GC; Monteiro GTR. Fatores associados ao estado nutricional de idosos do Programa de Saúde da Família de Vitória, Espírito Santo. Fund Oswald Cruz. 2009 3(57).

Pereira IFS, Spyrides MHC, Andrade LMB. Estado nutricional de idosos no Brasil: uma abordagem multinível. Cad. Saúde Pública. 2016; 32(5).

Pitanga, FJG, Lessa I. Indicadores antropométricos de obesidade como instrumento de triagem para risco coronariano elevado em adultos na cidade de Salvador - Bahia. Arq Bras Card. 2005; 85(1).

Silveira EA, Vieira LL, Souza JD. Elevada prevalência de obesidade abdominal em idosos e associação com diabetes, hipertensão e doenças respiratórias. Cien saúde coletiva. 2018; 23(3).

Varote B, Avi CM. Avaliação do estado nutricional e risco de desenvolvimento de doenças cardiovasculares em idosos da cidade de Monte Azul Paulista. Rev Ciên Nut Online. 2019; 3(1).

Ferreira LCC, Celedonio RF, Ferreira KCA, Reis GE. Identificação de risco cardiovascular em pacientes com diabetes mellitus tipo 2. ReUniQ. 2019; 1(1).

Barroso TA, Marins LB, Alves R, Gonçalves ACS, Barroso SG, Rocha GS. Association of the conicity index with diabetes and hypertension in Brazilian women. Int. J. Cardiovasc. Sci. 2017; 30(5).

Andrade MD, Freitas MCP, Sakumoto AM, Pappiani C, Andrade SC, Vieira VL, Damasceno NRT. Associação do índice de conicidade com diabetes e hipertensão em mulheres brasileiras. Arco. Endocrinol. Metab. 2016; 60(5).

Publicado
2020-07-22
Como Citar
Pimentel, G. M. da C., Wanderley, P. T. de Q. C., & Tavares, F. C. de L. P. (2020). Excesso de peso e índice de conicidade em idosos com diabetes mellitus. Revista Da Associação Brasileira De Nutrição - RASBRAN, 11(1), 59-71. https://doi.org/10.47320/rasbran.2020.1662
Seção
Artigos Originais