Perfil socioeconômico e condições de saúde de pré-escolares de duas creches filantrópicas do município de Viçosa, MG

Ceres Mattos Della Lucia, Laura Luiza Menezes Santos, Pamella Cristine Anunciação, Barbara Pereira Silva, Sylvia Carmo Castro Franceschini, Helena Maria Pinheiro-Sant`Ana

Resumo


O ambiente socioeconômico em que vive a criança é um importante preditor das condições de saúde e nutrição nesta fase da vida. Este estudo objetivou avaliar o perfil socioeconômico e as condições de saúde de pré-escolares de duas creches filantrópicas de Viçosa, MG. Participaram do estudo 98 pré-escolares (2 a6 anos) de duas creches, nos quais foram avaliados o perfil socioeconômico e as condições de saúde por meio da aplicação de um questionário. Foi avaliado o estado nutricional por meio de medidas antropométricas de peso e altura. A maior parte das crianças não apresentou anemia (88,8%) nem enfermidades frequentes (74,5%). O estado nutricional das crianças foi satisfatório, uma vez que houve alta prevalência de eutrofia e baixos percentuais de baixo peso em ambas as creches. Destacaram-se como fatores de risco para futuros problemas e prejuízos no estado de saúde da criança a baixa escolaridade dos pais e a baixa renda (inferior a 1 salário mínimo). Além disso, observou-se introdução precoce da alimentação complementar e retirada do leite materno da alimentação da criança, o que poderia comprometer seu crescimento e desenvolvimento. Como aspectos positivos, ressalta-se a existência de condições adequadas de moradia e saneamento básico, as quais podem contribuir para a baixa frequência de parasitoses e outras enfermidades. Da mesma forma, a baixa incidência de anemia ferropriva nas crianças pode ser consequência, entre outros fatores, do maior acesso à assistência pré-natal, e, também, à permanência das crianças nas creches, garantindo alimentação adequada na fase pré-escolar.


Palavras-chave


Anemia; Escolaridade; Condições de habitação; História alimentar; SAÚDE DA CRIANÇA; PRÉ-ESCOLAR; CRECHES; FATORES SOCIOECONÔMICOS; ESTADO NUTRICIONAL; NÍVEL DE SAÚDE; ANEMIA FERROPRIVA; ESTUDOS TRANSVERSAIS

Texto completo:

PDF

Referências


Tuma RCFB, Costa THM, Schmitz BAS. Avaliação antropométrica e dietética de pré-escolares em três creches de Brasília, Distrito Federal. 2005.

Biscegli TS, Polis LB, Santos L, Vicentin M. Avaliação do estado nutricional e do desenvolvimento neuropsicomotor em crianças freqüentadoras de creche. Rev Paul Pediatr. 2007;25(4):337-42.

Assis AMO, Barreto ML, Santos NS, de Oliveira LPM, dos Santos SMC, Pinheiro SMC. Desigualdade, pobreza e condições de saúde e nutrição na infância no Nordeste brasileiro. Cad saúde pública. 2007;23(10):2337-50.

Fisberg RM, Marchioni DML, Cardoso MRA. Estado nutricional e fatores associados ao déficit de crescimento de crianças frequentadoras de creches públicas do Município de São Paulo, Brasil. Cad Saúde Pública. 2004;20(3):812-7.

Silva GAP, Balaban G, Motta MEFA. Prevalência de sobrepeso e obesidade em crianças e adolescentes de diferentes condições socioeconômicas. Rev Bras Saúde Matern Infant. 2005;5(1):53-9.

Vitolo MR, Gama CM, Bortolini GA, Campagnolo PD, Drachler ML. Alguns fatores associados a excesso de peso, baixa estatura e déficit de peso em menores de 5 anos. J pediatr. 2008;84(3):251-7.

Castro TG, Novaes JF, Silva MR, Costa NMB, Franceschini SCC, Tinôco ALA, et al. Caracterização do consumo alimentar, ambiente socioeconômico e estado nutricional de pré-escolares de creches municipais. Rev Nutr. 2005;18(3):321-30.

Jelliffe D. Evaluación del estado de nutrición de la comunidad. Ginebra: OMS. 1968:260-1.

WHO – WORLD HEALTH ORGANIZATION. WHO Child Growth Standards: length/height-for-age, weight-for-age, weight-for-length, weight-for-height and body mass index-for-age. In: Methods and development, editor. Geneva, Switzerland: WHO; 2006.

WHO – WORLD HEALTH ORGANIZATION. The WHO Child Growth Standards. Geneva, 2007 [cited 2012 20 Mai]. Available from: http://www.who.int/childgrowth/standards/en/.

WHO - World Health Organization. Training course on child growth assessment Geneva: WHO; 2008. Available from: http://www.who.int/childgrowth/training/en/.

Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº. 196 de 10 de outubro de 1996. Diretrizes e Normas Regulamentadoras de Pesquisas Envolvendo Seres Humanos. Diário Oficial da União. 1996.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009. Brasil: Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão; 2010.

Ministério da Saúde. Assistência pré-natal: manual técnico. Ministério da Saúde Brasília; 2000.

Fujimori E, Laurenti D, Núñez De Cassana LM, Oliveira IMV, Szarfarc SC. Anemia e deficiência de ferro em gestantes adolescentes. Rev Nutr. 2000;13(3):177-84.

Uchimura TT, Szarfarc SC, Uchimura NS, Bercini LO. Índice de proporcionalidade do baixo peso ao nascer e a sua relação com a mortalidade neonatal. Acta Scientiarum Health Science. 2008;23:753-7.

Minagawa ÁT, Biagoline REM, Fujimori E, de Oliveira IMV, Moreira APCA, Ortega LDS. Baixo peso ao nascer e condições maternas no pré-natal. Rev Esc Enferm USP. 2006;40(4):548-54.

Silveira MF, Santos IS, Barros II, Matijasevich A, Barros FC, Victora CG. Aumento da prematuridade no Brasil: revisão de estudos de base populacional. Rev Saúde Pública. 2008;42(5):957-64.

França E, Souza JM, Guimarães MD, Goulart EMA, Colosimo E, Antunes CMF. Associação entre fatores sócio-econômicos e mortalidade infantil por diarréia, pneumonia e desnutrição em região metropolitana do Sudeste do Brasil: um estudo caso-controle. Cad Saúde Pública. 2001;17(6):1437-47.

de Campos AL, Nascimento CF, Grazini JT, de Assis AN, Vítolo MR, de Nóbrega FJ. Aspectos nutricionais, psicológicos e sociais de mães de crianças desnutridas. J Pediatr. 1995;71(4):214-8.

Zollner CC, Fisberg RM. Estado nutricional e sua relação com fatores biológicos, sociais e demográficos de crianças assistidas em creches da Prefeitura do Município de São Paulo. Rev Bras Saúde Matern Infant. 2006;6(3):319-28.

Haidar FH, Nascimento LFC. Escolaridade materna: correlação com os indicadores obstétricos. Cad Saúde Pública. 2001;17(4):1025-9.

Ministério da Saúde. Pesquisa nacional de demografia e saúde da criança e da mulher: PNDS 2006, dimensões do processo reprodutivo e da saúde da criança: Ministério da Saúde; 2009.

Ribas DL, Philippi ST, Tanaka A, Zorzatto JR. Saúde e estado nutricional infantil de uma população da região Centro-Oeste do Brasil. Rev Saúde Pública. 1999;33(4):358-65.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONOMICA APLICADA (IPEA). Atlas do desenvolvimento humano no Brasil. IDH-M; 2003.

Aranha S, Zollner A, Cury M, Copri P. Condições Ambientais como fator de risco para doenças em comunidade carente na zona sul de São Paulo. Revista APS. 2006;9(1):20-8.

Azeredo CM, Cotta RMM, Schott M, Maia TM, Marques ES. Avaliação das condições de habitação e saneamento: a importância da visita domiciliar no contexto do Programa de Saúde da Família. Ciência & Saúde Coletiva. 2007;12(3):743-73.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Pesquisa sobre padrões de vida–1996-1997: primeira infância. Rio de Janeiro1999. p. 9-24.

Osório MM. Fatores determinantes da anemia em crianças. J pediatr. 2002;78(4):269-78.

Corso ACT, Botelho LJ, Zeni LAZR, Moreira EAM. Sobrepeso em crianças menores de 6 anos de idade em Florianópolis, SC. Rev nutr. 2003;16(1):21-8.

Ministério da Saúde. Guia alimentar para crianças menores de dois anos. Brasília: Ministério da Saúde 2002.

Monte CM, Giugliani ER. Recomendações para alimentação complementar da criança em aleitamento materno. J Pediatr. 2004;80(5):131-41.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista da Associação Brasileira de Nutrição - RASBRAN