Oficinas musicais: a utilização do lúdico e da música para Educação Alimentar e Nutricional com escolares

Ana Paula Machado Dos Santos, Leila Brito Bergold

Resumo


Objetivos: Descrever e analisar as atividades lúdicas e educativas desenvolvidas pelo Projeto de Extensão Universitária Oficinas Musicais voltadas para Educação Alimentar e Nutricional com escolares. todos: Estudo descritivo, qualitativo, de relato de experiência desenvolvida no período de agosto de 2014 a dezembro de 2016 pelo projeto Oficinas Musicais em uma escola pública para Ensino Fundamental I do Município de Macaé-RJ. Resultados: Foram realizados, em média, cinco encontros com cada turma, com duração média de uma ora cada encontro. Foram trabalhadas atividades educativas com dez turmas, sendo escolares com idade entre  cinco e quinze anos. Foram trabalhadas temáticas diversas, adequadas à necessidade do público infantil, diagnosticadas através de questionários aplicados como parte do planejamento das intervenções. Dentre as temáticas, trabalhou-se a obesidade, higiene das mãos e dos alimentos, doenças transmitidas por alimentos, produtos industrializados, entre outras. Todas as atividades contaram com a utilização de recursos lúdicos e musicais e, ao final destas, as crianças elaboravam uma paródia sobre o aprendizado adquirido. Conclusão: As atividades do projeto foram elaboradas na busca por geração de novos conhecimentos sobre alimentação e nutrição, sendo adequadas às necessidades específicas do público trabalhado. A troca de experiência entre acadêmicos e escolares com uso de recursos lúdicos e musicais foi capaz de promover trocas efetivas entre Universidade e sociedade, beneficiando a população escolar trabalhada, através do estímulo à adoção de hábitos alimentares saudáveis.


Palavras-chave


Educação Alimentar e Nutricional; Educação em Saúde; Música; Criança

Texto completo:

PDF PDF

Referências


Brasil. Ministério da Saúde. Departamento de Atenção Básica. Guia alimentar para a população brasileira. 2. ed. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2014.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Diretoria de Pesquisas. Coordenação de Trabalho e Rendimento. Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009: análise do consumo alimentar pessoal no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE; 2011. 150 p.

Brasil. Ministério da Saúde. Relatório do Estado Nutricional dos indivíduos acompanhados por período, fase do ciclo da vida e índice. Brasília: Ministério da Saúde, 2016.

Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Promoção da Saúde. Brasília: Ministério da Saúde. 3. ed., 2010.

Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Alimentação e Nutrição (PNAN). Brasília: Ministério da Saúde; 2012.

Costa RRS, Cordeiro AA, Lourenço AE. Educação alimentar e nutricional na infância. In: Cordeiro AA, Lourenço AEP, Pontes PV. Brincar, comer, nutrir: atividades lúdicas para a educação infantil. Curitiba, PR: CRV; 2017: 19-25.

Brasil. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional. Marco de referência de educação alimentar e nutricional para as políticas públicas. Brasília: O Ministério; 2012. 68p.

Nicolaiewsky CA. O brincar e o desenvolvimento infantil. In: Cordeiro AA, Lourenço AEP, Pontes PV. Brincar, comer, nutrir: atividades lúdicas para a educação infantil. Curitiba, PR: CRV; 2017: 15-18.

Souza SJ. Infância e linguagem. Bakhtin, Vygotsky e Benjamin. 10. ed. Campinas,SP: Papirus; 2006.

Bergold LB, Alvim NAT. Corpo e Música: condutas expressivas de cuidado com o corpo saudável e corpo doente. In: Figueiredo NMA, Machado WCA. Corpo e Saúde: condutas clínicas de cuidar. Rio de Janeiro: Águia Dourada; 2009: 217-30.

Bergold LB, Alvim NA, Cabral IE. O lugar da música no espaço do cuidado terapêutico: sensibilizando enfermeiros com a dinâmica musical. Florianópolis: Texto Contexto Enferm. 2006 Abr/Jun; 15(2): 262-9.

Brasil. Ministério da Saúde. Relatório do Estado nutricional dos indivíduos acompanhados por período, fase do ciclo da vida e índice: Região Sudeste – Estado do Rio de Janeiro, 7 a 10 anos de idade. Ministério da Saúde, Sistema de Vigilância Alimentar Nutricional (SISVAN); 2015.

Falbo BCP, Andrade RD, Furtado MCC, Mello DF. Estímulo ao desenvolvimento infantil: produção do conhecimento em Enfermagem. Brasília: Rev Bras Enferm. 2012 Jan/Fev; 65(1): 148-54.

Da Silva RHM, Neves FS, Netto MP. Saúde do pré-escolar: uma experiência de educação alimentar e nutricional como método de intervenção. Rev APS. 2017; 19(2).

Ribeiro CD, Souza BB, Saes MO, Susin LRO, Baisch ALM, Soares MCF. Educação Nutricional: Espaço De Aprendizagem e Produção De Conhecimento. Vittalle. 2016;25(1):21-8.

Oliveira JC, Costa SD, Rocha SMB. Educação nutricional com atividade lúdica para escolares da rede municipal de ensino Curitiba. Cad Esc de Sau. 2017; 2(6).

Santana RF, Oliveira AP. Araújo DE, Miranda AS, Santos RN. Intervenções de educação alimentar e nutricional para crianças de uma fundação pública em Vitória da Conquista - BA: construindo novos hábitos alimentares. Rev Extendere. 2015; 3(1).

Prado BG, Fortes ENS, Lopes MAL, Guimarães LV. Ações de educação alimentar e nutricional para escolares: um relato de experiência. Demetra. 2016; 11(2): 369-82.

Pietruszynski EB, Albiero, KA, Popper G, Teixeira PF. Práticas pedagógicas envolvendo a alimentação no ambiente escolar: apresentação de uma proposta. Rev Teor Prat Educ. 2010 Mai/Ago; 13(2): 223-229.

Lanes DVC, Santos MET, Silva EFSJ, Lanes KG, Puntel RL, Folmer V. Estratégias lúdicas para a construção de hábitos alimentares saudáveis na educação infantil. Rev Ciênc Ideias. 2012 Jul;4(1).

De Freitas AC, Lana AT, Nunes KS, Paula MF, Fraga PE, Souza VL. A contribuição da música na construção do conhecimento na educação infantil. Pedag. Ação. 2015; 7(1).

Cabral NAL, Oliveira ATV, Sampaio GC, Brito ACD, Abreu DS, Castro EEC. Avaliação de ações de educação nutricional em escolas públicas de São Luís, Maranhão. Brasil. Rev Bras Pesqui Saúde. 2016; 16(3).

Detregiachi CRP, Braga TMS. Projeto “criança saudável, educação dez”: resultados com e sem intervenção do nutricionista. Campinas: Rev Nutr. 2011 Jan/Fev; 24(1): 51-59.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista da Associação Brasileira de Nutrição - RASBRAN