“Feito à mão tem mais sabor e valor”: a construção coletiva de um livro de receitas no contexto da promoção de alimentação saudável com idosos

Raiane Silva da Penha, Maria Fátima Garcia de Menezes, Elda Lima Tavares, Débora Martins dos Santos

Resumo


Objetivo: O presente trabalho relata o processo de elaboração de um livro de receitas do curso “Alimentação, Nutrição e Terceira Idade”, atividade do projeto de extensão Alimentação, Nutrição e Envelhecimento – PROANE. Método: Realizou-se análise documental de 2004 a 2014 nos acervos do PROANE, obtendo-se 262 receitas usadas nas oficinas culinárias. Resultados: Foram selecionadas as receitas com melhor avaliação dos idosos, utilizadas com maior frequência nos diferentes anos e sugeridas pelos participantes, resultando em 42 preparações. A proposta preliminar do livro partiu da elaboração de fichas técnicas, análise centesimal das preparações e organização do livro. Foram desenvolvidos dois “painéis de especialistas” (nutricionistas, graduandos de nutrição e idosos ex-alunos do curso) para avaliação do livro. A versão final incorporou diferentes sugestões, destacando-se a reorganização dos capítulos, a inclusão de comparação entre preparações caseiras e similares industrializadas e nova diagramação. Conclusão: O livro materializa a articulação da extensão com o ensino e pesquisa, confere visibilidade às ações, dá voz aos atores das atividades, em especial os idosos, estimulando a incorporação da culinária no cotidiano, eixo central e estratégico no contexto da alimentação contemporânea.

 


Palavras-chave


idosos, promoção da saúde, culinária, alimentação

Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. Ministério da Saúde. Guia Alimentar para a População Brasileira. 2ª edição. Brasília: Ministério da Saúde, 2014. Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/portaldab/publicacoes/guia_alimentar_populacao_brasileira.pdf Acesso em: 24 maio 2017.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretária de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Alimentação e Nutrição. Ministério da Saúde. Secretária de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica –Brasília: Ministério da Saúde, 2012.

WHO. Active Ageing – A Police Framework. A Contribution of the World Health Organization to the second United Nations World Assembly on Aging. Madrid, Spain, April, 2002.

WHO. Interventions on diet and physical activity: what works summary report. 2009. Disponível em: http://www.who.int/dietphysicalactivity/summary-report-09.pdf Acesso em: 20 jun. 2015.

Knoops, KT, de Groot LC, Kromhout D, Perrin AE, Moreiras-Varela O, Menotti A, & Van Staveren, WA. Mediterranean diet, lifestyle factors, and 10-year mortality in elderly European men and women: the HALE project. Jama 2004, 292(12): 1433-1439.

De Vlaming R, Haveman-Nies A, Van't Veer P, De Groot LC. Evaluation design for a complex intervention program targeting loneliness in non-institutionalized elderly Dutch people. BMC public health 2010; 10(1): 552.

Inzitari M, Doets E, Bartali B et al. Nutrition in the age-related disablement process. The Journal of Nutrition Health and Ageing 2011; 15(8): 599-604.

Trichopoulou A, Orfanos P, Norat T et al. Modified Mediterranean diet and survival: EPIC-elderly prospective cohort study. Bmj 2005; 330:991-998.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Política nacional de promoção da saúde. Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde. – Brasília: Ministério da Saúde, 2014. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2014/prt2446_11_11_2014.html Acesso em: 16 maio 2016.

Schimidt MI, Duncan, BB, Silva, GA et al. Doenças crônicas não transmissíveis no Brasil: carga e desafios atuais, The Lancet 2011; 4:65-71.

Popkin BM, Adair, LS, Ng, SW. Global nutrition transition and the pandemic of obesity in developing countries. Nutrition reviews 2012; 70(1): 3-21.

Wirfält E, Drake I, Wallström P. What do review papers conclude about food and dietary patterns? Food & nutrition research 2013; 57(1), 205-23.

Brasil. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008- 2009: análise do consumo alimentar pessoal no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE; 2011.

Brasil. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa de Orçamentos Familiares, 2002-2003. Análise da disponibilidade domiciliar de alimentos e do estado nutricional no Brasil. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão/Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Rio de Janeiro: IBGE,2004.

Diez-Garcia RW. Reflexos da globalização na cultura alimentar: considerações sobre as mudanças na alimentação urbana. Rev Nutr 2003;16(4):483-492.

Bezerra IN, Sichieri R. Características e gastos com alimentação fora do domicílio no Brasil. Revista de Psiquiatria Clínica, [s.l.], v. 44, n. 2, p.221-229, abr. 2010.

Monteiro CA, Levy RB, Claro RM, CASTRO IR, Cannon G. Uma nova classificação de alimentos baseada na extensão e propósito do seu processamento. Cadernos de saúde Pública2010; 26(11): 2039-2049.

Martins APB, Levy RB, Claro RM, Moubarac JC, Monteiro CA. Participação crescente de produtos ultraprocessados na dieta brasileira (1987-2009). Revista de Saúde Pública 2013; 47(4): 656-665.

Vasconcelos EM. Educação popular: instrumento de gestão participativa dos serviços de saúde. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Departamento de Apoio à Gestão Participativa. Caderno de educação popular e saúde. Brasília (DF): MS, 2007, p.19-29.

BRASIL, MS. PORTARIA Nº 2.761, DE 19 DE NOVEMBRO DE 2013. Institui a Política Nacional de Educação Popular em Saúde no âmbito do SistemaÚnico de Saúde (PNEPS-SUS).

Brasil. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Marco de referência de educação alimentar e nutricional para as políticas públicas. Brasília: MDS; 2012.

Menezes MFG, Santos DM, Tavares EL et al. Metodologia participativa com idosos: experiência do curso nutrição e terceira idade. In: Araújo Filho T, Thiollent MJ, editores. 6º Seminário de Metodologias para Projetos de Extensão - SEMPE; 2008; São Paulo, São Carlos: Cubo Multimídia/ Universidade Federal de São Carlos; 2008. p.359-68.

Menezes MFG, Maldonado, LA. Do nutricionismo à comida: a culinária como estratégia metodológica de educação alimentar e nutricional. Revista Hospital Universitário Pedro Ernesto 2015; 14(3): 83-89.

Castro, IRRD, Souza, TSND, Maldonado, LA, Caniné, ES, Rotenberg S, Gugelmin, SA. A culinária na promoção da alimentação saudável: delineamento e experimentação de método educativo dirigido a adolescentes e a profissionais das redes de saúde e de educação. Revista de Nutrição 2007; 20(6); 571-588.

Diez-Garcia RW, Castro IRR. A culinária como objeto de estudo e de intervenção no campo da Alimentação e Nutrição. Ciência & Saúde Coletiva 2011; 16(1):91-98.

Rotenberg S, Marcolan S, Tavares EL, Castro IRR. Oficinas culinárias na promoção da saúde. In: GARCIA, R.W.D. & CERVATO-MANCUSO, A.M (Orgs). Mudanças Alimentares e educação Nutricional. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2011.

Carvalho, MCDVS, Luz MT, Prado SD. Comer, alimentar e nutrir: categorias analíticas instrumentais no campo da pesquisa científica. Revista Ciência & Saúde Coletiva 2011; 16(1): 155-163.

FISCHLER, C. L’(H)omnivore. Paris: Odile Jacob, 1990

MINTZ, S. W. Comida e antropologia: uma breve revisão. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 16(47):31-41, 2001.

Canesqui AM, Diez Garcia RW. Uma introdução à reflexão sobre a abordagem sociocultural da alimentação. In: Canesqui AM (org.) Antropologia e nutrição: um diálogo possível. / organizado por Ana Maria Canesqui e Rosa Wanda Diez Garcia. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ; 2005. Introdução.; p 9-19.

Chen RCY, Lee MS, Chang YH, Wahlqvist ML. Cooking frequency may enhance survival in Taiwanese elderly. Public Health Nutr 2012; 15 (7):1142-1149.

Menezes MFG, Tavares EL, Santos DM, Targueta CL, Prado SD. Alimentação saudável na experiência de idosos. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia 2010; 13(2): 267-275.

Moreira SA. Alimentação e comensalidade: Aspectos históricos e antropológicos. Ciência e Cultura 2010; 62(4), 23-26.

Diez-Garcia RW. "Alimentação e saúde nas representações e práticas alimentares do comensal urbano. In: Canesqui AM (org.) Antropologia e nutrição: um diálogo possível. / organizado por Ana Maria Canesqui e Rosa Wanda Diez Garcia. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ; 2005. Cap.10; p 211-225.

Souza Lima R, Neto JAF, Farias RDCP. Alimentação, comida e cultura: o exercício da comensalidade. DEMETRA: Alimentação, Nutrição & Saúde 2015; 10(3): 507-522.

Ornellas LH. Técnica dietética – Seleção e preparo de alimentos. 7 ed. São Paulo: Atheneu, 2001.

NEPA – NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM ALIMENTAÇÃO. Tabela Brasileira de Composição de Alimentos (TACO). UNICAMP, 2011. Disponível em: http://www.unicamp.br/nepa/taco/ Acesso em 11/08/2014

Pinheiro A BV, Lacerda EMDA, Benzecry EH, Gomes MCDS, Costa VMD. Tabela para Avaliação de Consumo Alimentar em Medidas Caseiras. 5. ed. São Paulo: Atheneu, 2008.

USDA. Departamento de Agricultura dos EUA. Disponível em: http://www.usdabrazil.org.br/home/ Acesso em 11/08/2014

Brasil. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Diretoria de Pesquisas Coordenação de Trabalho e Rendimento. Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009. Tabelas de Composição Nutricional dos Alimentos Consumidos no Brasil. Rio de Janeiro, 2011.

Eurofir/FAO. Proposal for the harmonisation of recipe calculation procedure. FAO. Disponível em: www.eurofir.net Acesso em 11/08/2014.

Charrondiere RU. Recipe and other calculations. FAO. Disponível em:ftp://ftp.fao.org/es/esn/infoods/recipe%20and%20other%20calculations.pdf Acesso em 11/08/2017.

Institute of Medicine. 2010. Providing Healthy and Safe Foods as We Age: Workshop Summary. Washington, DC: The National Academies Press. Available at http://www.nap.edu/read/12967/chapter/1Acessoem: 04 julho 2016.

Ahmed T, Haboubi N. Assessment and management of nutrition in older people and its importance to health. Clinical interventions in aging 5: 207, 2010.

Brasil. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Diretoria de Pesquisas Coordenação de Trabalho e Rendimento. Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009. Tabelas de Medidas Referidas para Alimentos Consumidos no Brasil. Rio de Janeiro, 2011.

Brasil. Resolução RDC n.359, de 23 de dezembro de 2003. A Diretoria Colegiada da ANVISA/MS aprova o regulamento técnico de porções de alimentos embalados para fins de rotulagem nutricional. Diário Oficial da União. 2003 26 dez. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/wps/wcm/connect/d12c9e804745947f9bf0df3fbc4c6735/RDC_359.pdf?MOD=AJPERES Acesso em 11/08/2015.

Brasil. Ministério da Saúde/Agência Nacional de Vigilância Sanitária/Universidade de Brasília. Rotulagem nutricional obrigatória: manual de orientações às indústrias de alimentos. 2a. Versão 44. Brasília; 2005.

Queiroz Pinheiro J, Farias TM, Abe-Lima, JY. Painel de Especialistas e Estratégia Multimétodos: Reflexões, Exemplos, Perspectivas. Psico 2013; 44(2):184-192.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista da Associação Brasileira de Nutrição - RASBRAN